Você já ouviu falar em economia criativa?

Este conteúdo já ajudou 14 empreendedores

Esta nova maneira de encarar os negócios presentes em áreas como moda e cinema promete revolucionar o mercado de startups.

Startups são geralmente associadas ao mercado digital. Mas você sabia que também é possível criar um negócio em um contexto totalmente diferente? Moda, artes e cinema, por exemplo, são áreas que guardam inúmeras oportunidades. Tradicionalmente presentes no nosso dia-a-dia, elas agora fazem parte do universo das startups, através da economia criativa.

Estabelecido sobre oito pilares – arquitetura, design, artes, moda, cinema, audiovisual, literatura e artes cênicas –, segundo o conceito original do inglês John Howkins, este nicho pode ser definido como uma forma de transformar criatividade em resultado e, mais que isso, de pensar as relações em comunidade. É um novo olhar sobre o empreendedorismo, que pede multidisciplinaridade por parte do empreendedor, atenção a novas profissões e tem a economia colaborativa como seu carro-chefe.

“Com informação e novas tecnologias, tudo se abriu para que as pessoas trabalhassem com essa visão no Brasil”, afirma Luciana Guilherme, diretora de Empreendedorismo, Gestão e Inovação da Secretaria de Economia Criativa do MinC, criada no início de 2011. Recentemente, a situação melhorou muito com o desenvolvimento econômico do país. “Poucos têm a riqueza que temos para empreender”, ressalta.

Com o surgimento de novas oportunidades, torna-se latente a necessidade de conceber ideias fora do lugar-comum. O empreendedor passa então a pensar em modelos inovadores, com novos processos e novas tecnologias, valorizando o setor criativo em que atua, muitas vezes menosprezado por não encerrar uma formação voltada para a gestão de negócios. Esse é o caminho da economia criativa, que procura revelar modelos de negócios inovadores em outras áreas.

Além do olhar amplo para inovações, é importante atentar à inovação aberta, que faz girar a economia colaborativa, modus operandi da economia criativa, destaca o empreendedor Tomás de Lara, co-fundador da incubadora Engage. Isto significa abrir o desenvolvimento da empresa para o público, permitindo que as pessoas opinem e trabalhem junto dela em um sistema de troca de valor. “Assim, se estabelece a relação interdependente, em que, ao concordar com o seu valor, um sujeito ajuda o outro a desenvolver o produto”, explica Tomás.

Tudo isso é facilitado hoje em dia, em um ambiente no qual o empreendedor, por meio de sua rede e da tecnologia, pode chegar a um pequeno grupo interessado em um assunto específico e propor um negócio baseado nesse tipo de colaboração. “A economia criativa tem a cultura da economia colaborativa”, define o empreendedor.

Atualmente, este é o setor que emprega mais jovens, com os mais altos salários, diz Isabella Prata, fundadora da Escola São Paulo, que concentra seus cursos neste nicho. E o próprio mercado cria a necessidade de capacitação para quem quer mergulhar nele. “No setor criativo, se você não tiver três ferramentas de gestão – de pessoas, financeira e de marcas – seu negócio não vai durar muito tempo”, alerta.

Além disso, quando se trata de economia criativa, o trabalho deve ser encarado de forma totalmente diferente do que acontece nas empresas tradicionais. “Um dos segredos é acreditar que sua ideia pode ser interessante para outras pessoas. É pular da cama todos os dias, no primeiro momento em que você abre os olhos, com a faca nos dentes, brilho nos olhos, e botar pra fazer. O objetivo não é mais quantas horas estamos trabalhando, mas o quanto estamos produzindo nas horas que trabalhamos”, completa Isabella.

Breve histórico

O empreendedorismo passou por transformações nas últimas décadas. Há vinte anos, era comum empreender por necessidade: com menos ofertas de emprego, montava-se o próprio negócio para subsistência. Hoje, as oportunidades são cada vez maiores e a economia criativa representa 7% do PIB global. De acordo com um estudo do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) em 2010, para cada empreendedor por necessidade existem 2,1 empreendedores por oportunidade.

O assunto surgiu na Austrália, nos anos 1990, foi para a Inglaterra. Com o livro The Creative Economy: How People Make Money from Ideas (A economia criativa: como as pessoas podem ganhar dinheiro com ideias, em tradução livre), o britânico John Howkins definiu pela primeira vez os seus pilares de atuação. Recentemente, a economia criativa passou a ser oficialmente discutida no Brasil com a formação da Secretaria da Economia Criativa (integrante do MinC), inaugurada no início de 2011.

A partir de então, entraram em cena representantes do mercado financeiro interessados em contribuir com a evolução do conceito, formando diversos grupos de estudo e abrindo espaço para essas atividades. A tendência é que esse setor seja cada vez mais explorado e difundido no país. 

 

Por Vinícius Victorino, da equipe de Cultura Empreendedora – Endeavor Brasil, com a colaboração de Carolina Pezzoni.

 

Saiba mais sobre:
John Howkins e o livro “The Creative Economy”
Secretaria de Economia Criativa
Incubadora Engage

 

 
 
 
 
 
 
 
Este conteúdo ajudou você?
A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

Conteúdo Relacionado

Parceiros
Criação e desenvolvimento:

Termos de compromisso

Utilização do e-mail do usuário

O e-mail do usuário será utilizado apenas para o envio de e-mails da Endeavor (Boletim Informativo, Convite para os Workshops, Comunicados Institucionais etc.). Caso o usuário não queira receber os e-mails da Endeavor, ele pode desabilitar esta função no seu cadastro.

Utilização dos dados cadastrais do usuário

Os dados fornecidos em cadastro do usuário serão utilizados para:

A melhoria constante do conteúdo do Portal da Endeavor; e a geração de dados estatísticos sobre os usuários do Portal que poderão ser divulgados a parceiros e a apoiadores da organização, sem que sejam reveladas informações que permitam a identificação individual do usuário.

A Endeavor não divulgará os dados cadastrais dos usuários a terceiros, a não ser que os usuários autorizem. A autorização ou a desautorização para a divulgação desses dados pode ser feita, a qualquer momento, pelo próprio usuário, em seu cadastro.

Autorização para divulgação de dados cadastrais a terceiros

A autorização para a divulgação dos dados cadastrais significa que a Endeavor pode fornecer informações como: nome, e-mail, sexo, estado, cidade, idade, entre outras a empresas parceiras e a apoiadoras da organização. IMPORTANTE: Em nenhum momento, informaremos o seu CPF ou o seu endereço.

Não obstante o descrito acima, havendo solicitação formal por qualquer Autoridade Pública, devidamente fundamentada, a Endeavor poderá encaminhar os dados cadastrais do(s) usuário(s) envolvido(s), independentemente de autorização deste(s), estando desobrigada de notificá-lo(s).

Alteração de dados cadastrais

Os usuários podem fazer a alteração das suas informações cadastrais a qualquer momento. Veja como:

1 – Entre no site da Endeavor pelo endereço http://www.endeavor.org.br

2 – No canto superior direito da tela, identifique-se, utilizando o e-mail e senha cadastrados

3 – Após a identificação, acesse o link "Meu Perfil" e altere as informações desejadas

Cookies

A Endeavor pode utilizar “cookies” (informações enviadas pelo servidor da Endeavor ao computador do usuário, com o objetivo de identificá-lo). Se, no seu cadastro, o usuário optar por “Lembrar minha ID no computador”, será gerado um cookie no computador do usuário. Esse cookie será lido todas as vezes que o usuário acessar o Portal da Endeavor, e, dessa forma, não precisará mais identificar-se para acessar os recursos do site.

Doações

A Endeavor garante a privacidade de identidade dos usuários que fazem doações por meio do Portal da Endeavor.

Vídeos

Os vídeos do Portal da Endeavor não podem ser hospedados em website de terceiros, uma vez que todos os palestrantes dão autorização para que a Endeavor divulgue os vídeos das palestras apenas em seu Portal. No entanto, os vídeos da Endeavor podem ser recomendados em websites de terceiros, por meio de “link” que aponte para o site da Endeavor.

Artigos

Os artigos do Portal da Endeavor não podem ser reproduzidos em website de terceiros, pois o acordo com os Parceiros do Conhecimento estipula que o material só poderá ser disponibilizado no Portal da Endeavor. No entanto, os artigos da Endeavor podem ser recomendados em websites de terceiros, por meio de “link” que aponte para o site da Endeavor.

Exploração comercial

A exploração comercial por parte de terceiros do conteúdo do Portal da Endeavor é expressamente proibido.

Recomendação de Vídeos e Artigos

Como a Endeavor tem por objetivo disseminar conhecimento para empreendedores, a recomendação dos vídeos e artigos do Portal da Endeavor em website de terceiros é fortemente encorajada. A sugestão é que a recomendação seja feita por meio de links que apontem para o website da Endeavor.

Política Anti-Spam

É importante esclarecer que o armazenamento das informações dos usuários do Portal da Endeavor é tratado de acordo com o código de ética da ABEMD – Associação Brasileira de Marketing Direto (para conhecer o código de ética, visite o site da ABEMD) e que a qualquer momento, o usuário pode optar por não mais receber os e-mails da Endeavor ou mesmo de parceiros e apoiadores da organização.