Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Valores: um fator competitivo

LoadingFavorito

A identificação de sua equipe com os valores é pré-requisito para o engajamento. E engajamento gera mais produtividade.

Aprendi, uns anos atrás, com o Ken O'Donnell, que os valores organizacionais formam um campo de possibilidades. O que está dentro do campo é possível e, o que não está, não é possível. É uma abordagem dura para um país de “jeitinhos”, mas é a única que realmente funciona… Valores se aprendem tipicamente por exemplo. Se você permite exceções, perde a credibilidade. Afinal, se podem ser quebrados, não são valiosos.

Um tempo depois, o Ken fundou um instituto chamado Vivendo Valores e aprofundou a abordagem, focando-a sobre os significados reais de valores universais como Paz, Liberdade e Ética. O Kotler chama este conjunto de valores de permissão para jogar. Segundo ele, nem precisariam estar nas declarações das empresas. Deveriam ser filtros de contratação. Concordo 100%.

Ele ainda diz que existem os valores de aspiração, aqueles que a empresa não tem, mas que a gestão espera alcançar. E os valores acidentais, aqueles que são adquiridos como resultado de características de personalidade comuns dos empregados. Estes dois tipos são pouco úteis… Os primeiros ainda não são, os outros não possuem consistência.

E existem os valores essenciais, aqueles que constituem a verdadeira cultura corporativa e que norteiam as atitudes de todos. Estes são a expressão íntima de nossa identidade e de nossa singularidade. São os que devem ser cultivados e compartilhados formalmente.

E por que isto é importante?

Primeiro porque os valores são a pedra fundamental do senso de justiça interna de uma organização. E este senso, que também é chamado de Fairness, é pré-requisito para engajamento. E engajamento gera produtividade. E produtividade gera lucro.

Só que cada um de nós percebe o que é justo de uma forma diferente… Alguns são fãs da meritocracia, outros da liberdade, outros da igualdade… Numa empresa, o senso de justiça é baseado em contratos. Contratos de desempenho, contratos de remuneração, contratos de desenvolvimento, contratos de lealdade… E, da mesma forma que uma lei tem que ser coerente com a constituição de um país, estes contratos, para cumprir com eficácia suas funções, têm que ser coerentes com a declaração de valores.

O segundo motivo é que, junto com os comportamentos habituais, os valores formam a base da cultura organizacional. E a cultura organizacional é espelho da dinâmica da organização. A cultura reflete quão criativos nós somos, como colaboramos uns com os outros, como percebemos o contexto e as oportunidades, como tomamos decisões, quão rápidos somos na mudança, quão disciplinados somos, quão resilientes…

A cultura organizacional determina quão competitivos nós somos no contexto e na conjuntura que estamos inseridos. É um ativo invisível, muito difícil de ser copiado.

O terceiro motivo é que uma empresa com valores tem vantagem ao competir por talento. Ela consegue atrair funcionários melhores e mantê-los mais tempo. E, no cenário que estamos vivendo, só este argumento já deveria ser o suficiente…

 

Daniel Castello é Diretor de Consultoria do Grupo Holomática.

 

Leia mais:
Desconstruindo a Missão
Como Construir a Identidade da Empresa?

 

 

 

 

, Consultor
Consultor e Palestrante nas áreas de Estratégia e Gestão de Pessoas. Começou sua carreira na área de TI, fundando em 1989 a startup Iris do Brasil, vendida em 1997 para a ADP Systems. Foi Diretor da Gestech Consultoria Empresarial, Diretor Corporativo de RH da Gazeta Mercantil, Diretor de Tecnologia da ADP Brasil e Vice-Presidente Executivo da ABRH Nacional. Como consultor liderou dezenas de projetos de transformação, tendo entre seus clientes: Syngenta, Baxter, GRSA, Gruppo Campari, Grupo Santander, AON Affinity, Banco Daimler-Chrysler, Mapfre Seguros, Grupo Telefónica, Martin-Brower, McLane, Termomecânica, UAB Motors e FIEP. Consultor Associado na Tempo Zero e na Galunion. Consultor Certificado DISC eTalent. Membro do CORHALE, na ABRH Nacional. Conselheiro da ABRH-SP e da Sobratt.
http://daniel.castello.com.br

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. Eduardo Siqueira Filho - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Ótima Contribuição! Como coach, entendo o poder que os valores tem ao influenciar escolhas. Grande é o diferencial das empresas com sólidos valores, com uma estrutura organizacional que os reflita de forma prática. Eduardo Siqueira Filho

Parceiros
Criação e desenvolvimento: