Checklist: 6 perguntas para escolher seu parceiro de tecnologia

Esse é um conteúdo oferecido por:   Dell | Intel

Endeavor Brasil
Endeavor Brasil

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 30 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Como encontrar um parceiro de tecnologia que possa acompanhar (e acelerar) sua velocidade de crescimento?

Colaboração externa é um grande desafio — principalmente quando falamos de parceiros de tecnologia. É um investimento. Para fazê-la dar certo, é preciso pensar além dos silos já estabelecidos, da cultura organizacional e das interações com fornecedores às quais estamos acostumados.

Talvez seja necessário reestruturar um time, mexer no orçamento, trazer gente nova. Provavelmente será preciso também compartilhar informações que você não compartilha normalmente. Sem dúvida, a base da relação está na construção de confiança.

Com todas essas adaptações, a recompensa vem — quando o ROI aparece positivo e você começa a gerar inovação, por exemplo. Mas logo sua empresa evolui e você busca novas e mais sofisticadas necessidades que precisam ser atendidas.

Como encontrar o parceiro de tecnologia que não só faz a evolução acontecer, como é capaz de estar ao seu lado a cada etapa de crescimento, no cumprimento do seu propósito? Bom, há uma série de perguntas que o empreendedor e o CTO podem se fazer.

Use a checklist abaixo no momento de tomada de decisão sobre o parceiro de tecnologia que deseja contratar. São perguntas que não trazem respostas rápidas, mas dão direcionamento estratégico para, desde o dia 1, a parceria acontecer de forma benéfica e mutualista.

Veja só!

  1. O investimento que estou fazendo é de curto, médio ou longo prazo?

Entender a diferença entre esses três tipos de motivação que baseiam sua busca ajudará a encaixar suas necessidades específicas com o seu processo de decisão.

Parcerias de curto prazo existem para dar suporte a um objetivo ou projeto específico. Um Joint Development, por exemplo, se encaixa nessa categoria para o desenvolvimento de um produto novo. Para esse tipo de relação, recomenda-se ter um tempo estipulado, além de entregáveis, indicadores, divisão de responsabilidades e aplicação de recursos muito claros para ambos os lados.

No caso de um parceiro de longo prazo, escalabilidade deve seu seu foco primário. Preocupe-se em estabelecer um relacionamento com quem vai compartilhar objetivos de negócios com você, não apenas metas de projetos, e gerar mais valor para sua empresa ao longo do percurso. Dedique tempo ao processo de avaliação, alinhamento de expectativas e ajuste a curva de aprendizado inicial para que o restante das interações aconteçam com mais fluidez.

Essa é a lógica de um parceiro que dê apoio em infraestrutura e operação, por exemplo — como a Dell, que além da tecnologia, também provê serviços de atendimento consultivo gratuito para empreendedores, além de suporte – atuando como um braço auxiliar e especializado de TI. Para uma parceria de longo-prazo, busque alguém que possa oferecer soluções completas, acompanhar o ritmo do seu negócio e derrubar barreiras em vez de criá-las.

  1. Esse parceiro está preparado para crescer junto comigo?

Para crescer com você, seu parceiro deve entender de negócios. Bons fornecedores de tecnologia têm experiência em ajudar clientes a atingir objetivos estratégicos; eles sabem que o trabalho deles é tornar esses clientes mais bem sucedidos.

Nas primeiras conversas com seu potencial parceiro, priorize outros temas estratégicos em vez de falar diretamente sobre TI. Discuta resultados esperados, pessoas-chave, processos e ganho de produtividade. Assegure-se de que ele tenha conhecimento sobre a indústria, sobre os segmentos do público nos quais você pretende mirar e que tenha as ferramentas para apoiar seu crescimento.

Um parceiro orientado por negócios garantirá que você tenha a solução que funcione melhor para sua visão de futuro, e que vai implementá-la de forma que atenda não apenas finalidades mais imediatas, como também as que virão — ainda que elas mudem.

  1. Ele entende as especificidades técnicas e de negócios do que preciso?

Às vezes, presumimos que algo está claro, mas esquecemos de confirmar se o que queremos dizer é o mesmo que foi entendido. E isso, em uma parceria de tecnologia, pode originar muitos desafios desnecessários.

Não tenha medo de se aprofundar nos detalhes do problema e da solução para validar que ela dá o suporte necessário aos diversos casos possíveis em que será utilizada. Esse processo ajuda a esclarecer não só que seu parceiro quer trabalhar com você, mas também gera evidências de que ele entende as peculiaridades do negócio e saberá como atuar para alavancar seu crescimento.

Garanta que você está sendo transparente quanto a suas necessidades e está oferecendo direcionamentos explícitos quanto aos seus objetivos. Se ainda assim a proposta apresentar algum gargalo ou falhar em indicar um caminho para execução, é mais provável que esse potencial parceiro não entenda o que você precisa.

  1. O parceiro vai me valorizar como cliente?

Cada investimento que você realiza deve complementar o que você acredita, e a outra parte deve sentir o mesmo para que a parceria seja saudável. Ela é simplesmente melhor quando há identificação de valores, de qualidades e orgulho do que se está construindo. Não se escolhe apenas a tecnologia, mas pessoas com quem você vai trabalhar e uma rede de outros clientes da qual você fará parte.

Antes de deixar seu autógrafo num contrato, faça o dever de casa: como a empresa trata seus outros clientes? Por quanto tempo eles costumam permanecer? Há uma comunidade com quem você poderá interagir e aprender? Quais serão as premissas desse relacionamento? Há empresas maiores que poderão ser favorecidas em detrimento das suas necessidades?

Além disso, verifique o modelo de atendimento. Prefira ter um gestor de contas que seja parte de um time de Customer Success, que conheça seu negócio por inteiro e te dê abertura para consultá-lo — ao contrário de um call center impessoal, que conhece apenas o produto/serviço que eles mesmos oferecem e se concentra em “apagar incêndios”. Certifique-se ainda de que haja opções suficientes de contato (telefone, e-mail, self-service, chat, reunião presencial) e pessoas suficientes disponíveis e dedicadas.

Se seu potencial parceiro é pouco acessível ou tem uma reputação duvidosa quanto à maneira com que interagem com stakeholders, cartão amarelo. Se tiver um churn alto, seja de clientes ou de colaboradores, cartão vermelho. Uma parceria duradoura é resultado de um comportamento ético e justo, lealdade e comprometimento.

  1. O que pensam os clientes dele?

Pergunte. Inclusive, selecione clientes aleatoriamente e peça ao próprio parceiro contatos de pessoas com quem eles trabalharam diretamente. Se os contatos não forem disponibilizados, pergunte por quê.

Então, procure saber como seu potencial parceiro interage com membros do time daquele cliente, com que eficiência realizam o trabalho, como encaram imprevistos, mudanças ou desafios. Claro, porque raramente um projeto é conduzido em linha reta, e o jeito com que seu futuro parceiro age em situações de adversidade é um bom indicador do que esperar dele — não apenas tecnicamente, mas também em relação à postura e aos valores.

Nem sempre será possível encontrar clientes que tenham concluído projetos similares ao que você tem planejado, mas se eles saíram satisfeitos, isso será no mínimo um bom sinal.

  1. O que ele pode me oferecer além de tecnologia?

Seu potencial parceiro é capaz de oferecer conteúdo, treinamentos ou eventos para gerar aprendizado ao seu time? Criar uma rede de colaboração entre equipes, clientes e outras empresas? Gerar conexões relevantes para o crescimento do seu negócio?

Um bom parceiro de tecnologia deve ter o conhecimento e a experiência para dar suporte completo à sua empresa. E um suporte de excelência vai além de consertar o que está quebrado. Ele garante que você extraia valor otimizado da solução por um longo tempo, que tenha um processo de melhoria contínua, e que outras áreas da sua empresa sejam amparadas no futuro.

Ele não pensa só no amanhã, mas no ano que vem e nos ciclos seguintes — e faz isso focado em decifrar o problema, não no produto/serviço.

Essa abordagem permite que ele ajuste a oferta às suas necessidades, acompanhando o ritmo da sua empresa conforme ela avança. Ao buscar uma parceria de TI, você dedica tempo, esforço e investimentos. Por isso, é importante ter certeza de que seu parceiro oferece mais que somente tecnologia, mas que ele será um parceiro de negócio para o seu crescimento, que mantém os objetivos estratégicos da sua empresa em mente para beneficiar não somente o seu negócio, mas todo o ecossistema em que você está inserido.

E é por acreditar na capacidade criativa e empreendedora dos brasileiros que a Dell e a Intel, parceiras da Endeavor na geração de conteúdo de qualidade, oferecem este guia.