facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Tecnologia: o novo mundo do marketing

LoadingFavorito

Na era em que tudo é “smart” e “big”, marketing e tecnologia precisam andar sempre de mãos dadas.

Não é de hoje que sofremos uma forte tendência mundial para que a produção de campanhas passe a ser mais inteligente, desde a sua criação até a forma como são entregues. Com a ascensão dos novos canais de venda online, a entrega de qualquer material em uma campanha de marketing começa a ter um peso diferente. É preciso entender exatamente como aquilo se difere de um custo padrão de operação e como mensurar quais retornos (tácitos e tangíveis) podem ser obtidos a partir disso. Este é o motivo pelo qual o marketing passa a ser cada dia mais estratégico e tecnológico. Está nas mãos dos CMO’s (e futuros CMT’s) resolver o desafio de criar um modelo capaz de proporcionar uma gestão unificada de múltiplos canais de venda, com informações específicas do consumidor por canal (comportamento de compra, experiências proporcionadas pelo contato com produtos correlacionadas ao perfil de consumo de cada usuário) – Referência: Omni channel. Os marketeiros padrão irão se transformar em especialistas tecnológicos para cada modelo de venda e publicação de ofertas de sua companhia, isso transforma a dinâmica convencional do marketing.

Além da tradicional produção, passaremos a contar com times cada vez mais ligados a controle e gerenciamento de indicadores de consumo, usuários de novas tecnologias. Os líderes de marketing serão os especiaslistas e responsáveis por viabilizar as vendas em qualquer modelo, on e offline. Um reflexo prático desse desafio é a dificuldade que grandes players B2C possuem ao tentar migrar ou iniciar um modelo de vendas online (e-commerce), ou como empresas B2B, quando precisam ou desejam ampliar seu mercado por meio de uma estratégia de LongTail com uma oferta SaaS (Software As A Service). Boa parte deles precisa começar uma nova empresa e duplicar parte de suas estruturas de backoffice para simplesmente operarem um novo canal de venda, sem nenhuma garantia de que estão aproveitando o que já foi construído no modelo offline ou de que serão capazes de direcionar seu modelo para uma maior probabilidade de vendas por meio desta experiência, junção do modelo atual com o futuro (off/on, on-premisses/online respectivamente).

Ao observar os índices de crescimento dos investimentos em comunicação e marketing, estudos recentes de mercado apontam que dentro de alguns anos os CMOs terão mais budget para gastar com tecnologia do que os CIOs. As mídias, o perfil das ofertas, os investimentos, os profissionais, tudo está mudando! Além disso, já existe uma forte entrada de mecanismos não convencionais de venda, começando pelas plataformas que são bem diferentes das que tínhamos até algum tempo. No futuro, mais importante do que estar conectado, será a capacidade de conseguir ofertar seus produtos em qualquer canal desejado, sem nenhuma dependência manual ou necessidade de duplicação ou aumento de custos.

O conceito “smart” que foi introduzido e lançado dentro dos celulares está ganhando forma e será predominante na maioria dos produtos no futuro (smart watch, smart glass, smart wall etc.). Em linha com isso, hoje, grande companhias e anunciantes não aceitam mais só investir em campanhas, elas querem ter e ver o retorno disso, precisam de índices e métricas palpáveis que, por exemplo, permitam calcular o ROI (Return On Investiment) e o ROA (Return On Assets), indicadores que apontam o retorno do investimento feito pelas empresas. Cruzar a base financeira com informações de vendas se torna um mecanismo, cada vez mais, essencial para promover ações assertivas. Todas essas ações envolvem diretamente a utilização de novas tecnologias. É por isso que o marketing passa cada vez mais a consumir diferentes tipos de tecnologia. Toda essa transformação deixa claro que o cenário dos negócios mudou e vai mudar mais ainda. A integração entre o marketing e a tecnologia elimina barreiras e facilita o engajamento entre a marca e o consumidor.

 

Guilherme Aere dos Santos é head de tecnologia da Arizona.

 

, Home Refill , CEO & Fundador
Atua no setor de tecnologia há nove anos sempre demonstrou perfil apaixonado e agressivo por entender tecnologias e pessoas. Sua jornada começou como "free programmer", com passagens pela TOTVS (engenheiro líder) e Umanni (CEO), até surpreender o mercado conquistando mais de 15 mil clientes, entre pequenas e grandes empresas, com a oferta de uma solução social para desenvolvimento organizacional e gerenciamento de help desk/atendimento técnico.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: