O valor do seu negócio

Alexandre Pierantoni
Alexandre Pierantoni Endeavor Brasil - Time de Conteúdo

Graduado em administração de empresas na Alemanha (IHK) e ciências econômicas no Brasil, onde também concluiu, pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV MBA com especialização em finanças. Recentemente realizou cursos de especialização em negociação de empresas e liderança em Northwestern/ Kellogg e MIT, ambas nos EUA. Alexandre é membro voluntário da Endeavor no Brasil desde o ano 2001

Muitos empreendedores se veem no dilema de vender ou não suas empresas. Mas, do ponto de vista financeiro, descobrir se vale a pena pode não ser uma tarefa tão dificíl.

 

Nesta primeira coluna sobre finanças abordarei um tema bastante contemporâneo entre empreendedores e investidores. Qual o conceito de valor de uma empresa? Ou como “fazer um valuation”, na expressão tipicamente utilizada pelo mercado.

O valor de uma empresa é definido utilizando-se essencialmente a metodologia de rentabilidade futura, baseada na projeção de resultados. Este método é reconhecido e adotado mundialmente e especialmente recomendado nos casos de negócios com perspectivas de lucratividade futura. Existem outros métodos de avaliação (valor contábil ou patrimonial, por exemplo), mas a metodologia de rentabilidade futura associa a capacidade de geração futura de valor de todos seus ativos (os tangíveis, como máquinas e prédios, mais os intangíveis, como capacidade operacional, distribuição e marca).

Nesta metodologia, estabelecem-se premissas operacionais e financeiras que são utilizadas para calcular os resultados futuros da empresa, de modo a se obter o valor dos fluxos de caixa esperados. O valor da empresa é então igual à soma dos valores presentes dos fluxos de caixa previstos.

Os fluxos de caixa são obtidos mediante uma projeção de resultados operacionais, levando-se também em consideração investimentos necessários em capital de giro e ativo permanente. O valor presente é calculado utilizando-se uma taxa de desconto que remunere adequadamente o capital de um investidor, tendo em conta os riscos específicos do negócio.

É importante contextualizar que esta projeção de resultados nada mais é do que um plano de negócios. Este plano de negócios (”business plan”) é uma poderosa ferramenta gerencial desde o nascimento até a maturidade da empresa. Um plano de negócios tem por objetivo “olhar para frente”, alocando os recursos disponíveis para a empresa, observando pontos chaves e oportunidades e antecipando dificuldades.

Existe ainda a avaliação da empresa aplicando-se o conceito de múltiplos de mercado (por exemplo, de EBITDA*). Ressalto que os múltiplos são uma conseqüência e simplificação da análise de valor baseada nas perspectivas futuras de cada negócio. Podem, e devem, ser utilizados como balizadores de valor, mas sempre atentando que cada operação é singular em suas características.

Existem ainda outras questões importantes, associadas à liquidez, ponto de vista de valor, sinergias ou valor de participação minoritária ou controladora. Mas este é um assunto para outra coluna.

* EBITDA: Earnings before interests, taxes, depreciation and amortization (em português referido como LAJIDA: Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Alexandre Pierantoni é sócio da PwC Brasil e especialista em Corporate Finance.