A cultura que levou a MaxMilhas a ganhar o selo de Great Place to Work

Max Oliveira
Max Oliveira

Max é Engenheiro de Produção, cofundador da MaxMilhas e Empreendedor Endeavor desde 2017.

Das entrevistas feitas na sala de estar a uma das melhores empresas para se trabalhar em Minas Gerais: entenda como a MaxMilhas evoluiu na criação de uma máquina de talentos — e como o time cresceu junto!

Entro na sala de casa e digo aos meus dois sócios:

— Alcançamos o breakeven esse mês.

Depois de 8 meses de trabalho duro, tínhamos conseguido recuperar o pouco dinheiro que tínhamos investido.

Um deles me diz:

— Vamos começar a ter salário agora?

— Acho melhor não. Vamos utilizar esse dinheiro para contratar outras pessoas.

— Mas não temos nem escritório.

— Acho que dá para algumas pessoas trabalharem aqui da sala de casa também e eu trabalho do quarto.

— Não, Max, acho melhor alugarmos uma sala.

— Ok, vou ver se o dinheiro vai dar.

Apertamos as contas e fomos atrás de nosso primeiro escritório e primeiro funcionário. Achamos um prédio a 3 quarteirões de nossa casa. Tinha salas de 30 e 23 metros quadrados. Escolhemos a de 23 por ser mais barato. Antes mesmo de arrumarmos o escritório, começamos as entrevistas. Na verdade, bastou uma.

Tocou o interfone de casa. Conrado atende e me fala:

— Camila, gente. Sabem quem é?

— A candidata, Conrado.

— Ah tá. — volta ao interfone e fala: — Pode subir.

Me levanto e vou para a sala de TV.  Digo aos dois:

— Vamos entrevistá-la.

Hiran vem para a sala com seu laptop e Conrado vai à cozinha, vira um copo de Coca-cola, que bebia como se fosse água, e retorna para a sala sem camisa. Eu o digo:

— Conrado, sério?

— O que foi?

— Coloque a camisa, cara.

— Ah tá, ok.

Quando Camila sobe as escadas e toca a campainha, estamos os três prontos na apertada sala de TV para entrevistá-la. Eu abro a porta e a cumprimento enquanto ela entra. Ela olha para os três marmanjos ali dentro com um sorriso de vendedor em seu rosto. Pensei que ela poderia estar até com medo, dentro daquela sala apertada num apartamento antigo com três homens mal vestidos dizendo ter uma Startup revolucionária. Depois de poucos minutos, percebo que ela não tinha medo. Ela não era o tipo de pessoa que ficaria com medo facilmente. Assim encarou o desafio de trabalhar no financeiro daquela empresa, em um Excel mal criado por mim, que de financeiro mesmo pouco sabia.

Assim começamos o time e a estrutura da MaxMilhas. Desde então, as contratações não pararam. Alguns foram entrevistados aos domingos (se lembra, Fill?), muitos no restaurante perto da empresa (Day, nossa segunda funcionária que está conosco até hoje, e Nathália, que pediu ao pai para esperá-la dentro do carro na frente do restaurante, com medo de aquilo não ser uma entrevista de emprego mesmo) e alguns na pequena sala do escritório.

Nosso processo seletivo era muito difícil, como bem pode dizer Célio Henrique, segundo desenvolvedor da empresa e ainda com a gente. Depois de receber minha ligação marcando a entrevista para o fim do dia, ele chega em nosso escritório. O porteiro não tinha muito critério e o mandou subir para o sexto andar. Ele chega no andar e não consegue achar qual daquelas portas seria a MaxMilhas, todas sem nenhuma identificação. Ele vê um menino andando em direção ao elevador e pergunta:

— Você trabalha na MaxMilhas?

— Sim, mas estou saindo hoje.

— É? Por quê?

— Ah, não dei conta não.

— Ok, vou fazer entrevista lá agora. Sabe onde é?

— É aquela porta ali. Boa sorte.

Célio entra na sala e começamos a entrevista, que em resumo foi mais ou menos assim:

— Você sabe PHP?

— Sim.

— Já trabalhou com PHP?

— Já.

— Forma quando?

— Fim do ano.

— Aqui a gente trabalha muito. Anima?

— Não tenho tempo ruim não.

— Contratado.

Foi assim, apenas com vontade de fazer acontecer, que começamos. Com time inexperiente, mas com sangue nos olhos, crescemos exponencialmente.

Obviamente, as práticas do começo da empresa não refletem em nada as nossas políticas e processos de RH atuais. Como capacidade de aprender é o mais importante nesse jogo, fomos aprendendo com cada um que entrava na empresa. Assim, mesmo sem saber, estávamos formando a nossa cultura, com ingredientes de cada pessoa que fazia parte dessa história. No fim de 2016, colocamos os nossos valores no papel e chegamos aos nossos quatro principais verbos: Amar, Aproximar, Arriscar, Acelerar.

Amar é a forma que nos envolvemos com o nosso negócio. Nos preocupamos com o desenvolvimento da empresa e de cada colaborador, praticando feedbacks difíceis se necessário, vibrando a cada conquista e nos importando com cada problema.

Aproximar é a forma como encurtamos as distâncias de nossos clientes, colaboradores e parceiros. É como nos conectamos com suas histórias, com empatia e respeito, e encaramos cada problema como uma oportunidade.

Arriscar é a forma como estamos constantemente inconformados com os resultados e nos desafiamos a fazer sempre melhor, agindo como dono do negócio e daquilo que fazemos.

Acelerar é a forma como aprendemos com os erros e somos ágeis para evoluir, nos mantendo líderes em nosso segmento, com senso de urgência para alcançarmos resultados quase impossíveis.

Vivendo esses verbos no dia a dia, nosso time de Ases conquistou, em nossa primeira participação, o prêmio de quinta melhor empresa para se trabalhar em Minas Gerais, na categoria de médio porte, de 100 até 999 funcionários, segundo a premiação da Great Place to Work. Quem diria que aquela empresa que começou num apartamento antigo, com uma primeira sala de 23 metros quadrados, em apenas 5 anos se tornaria uma das melhores empresas para se trabalhar de todo o estado.

Deixo meus agradecimentos a todos os colaboradores que constroem esse ambiente de trabalho incrível, com tanto respeito, dedicação e, sim, muitas conquistas. E meus agradecimentos especiais à nossa head de Gente & Gestão, Luiza Rubio, que chegou no final de 2017 e conduziu todo o processo de inscrição da empresa no GPTW com muito empenho. Confesso que achei que nem daria tempo de concluirmos todas as etapas para participarmos do ranking do GPTW ainda em 2017. E na semana passada, me surpreendi ao sermos premiados entre as 5 melhores empresas de Minas Gerais. Temos um time realmente incrível.

Card

Scale-Up Summit 2018


Max Oliveira é um dos confirmados no palco do Scale-Up Summit 2018. Você pode acompanhar online e ao vivo, além dele, mais de 20 empreendedores a frente das empresas que mais crescem no Brasil! Dia 17 de Setembro, a partir das 9h.

Inscreva-se para assistir online