facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Offline + Online: Olhe o negócio como um todo

LoadingFavorito

Busque sinergias e parcerias dentro e fora da Web para melhorar sua posição competitiva.

Qual o percentual de projetos pure play online vingam e se tornam um sucesso? Qual o percentual de start-ups online que alavancam ativos e sinergias off-line? Bom, mesmo sem saber a resposta, posso apostar que os percentuais são mínimos, e na verdade partem de uma concepção historicamente distorcida: que os negócios pure play tem mais chances de revolucionar o mercado. Pois bem, o que pode ser verdade para algumas exceções como Google, Facebook, Skype, não são o que deveria orientar necessariamente o seu empreendimento.

Na época da bolha, nos anos 90, vivi no Japão, trabalhando pela McKinsey e fazendo projetos de estratégia digital ao redor da Ásia. A maioria dos pedidos de projetos que recebíamos eram de empresas tradicionais que precisavam entender como se posicionar na então chamada Nova Economia e no mundo digital. O grande receio era que start-ups B2B, B2C, C2C, etc, viriam mudar totalmente a cadeia de valor dos seus negócios tradicionais. Nessa época, por vezes empresas tradicionais criaram braços digitais completamente independentes tentando criar e incubar o “next big thing”. Empreendedores, VCs, investidores também moveram montanhas para achar seu espaço nessa corrida do ouro.

Felizmente, 20 anos depois, o mercado constatou que online ou off-line, negócios continuam a ser negócios e seu sucesso depende dos mesmos parâmetros definidos nas aulas de Estratégia 101, modelos de negócio, vantagens competitivas, etc.  Nesse contexto, os negócios que maximizam seu potencial de sucesso são os que buscam aumentar sua competitividade alavancando seu potencial em toda a cadeia de valor, usando recursos online e off-line.

Nesse ambiente algumas anedotas ilustram bem essa mudança de paradigma. A Globo, por exemplo, obteve sucesso com a Globo.com, somente após seu terceiro start-up e após algumas centenas de milhões de “write-off”. No último start-up, porém, claramente entenderam que o braço online fazia parte de um negócio multimídia e deixaram a “timidez  ou preconceito jornalístico” de lado ao permitir que o Willian Bonner encerrasse diariamente o Jornal Nacional, convidando a continuar interagindo no G1.

Foi assim também nos start-ups digitais do Grupo Estado, que da insignificância digital em que viveu por cerca de 10 anos, se reposicionou completamente, usando e abusando das sinergias multimídia, remissões no jornal para a internet e nas chamadas na Rádio Eldorado ou mesmo na utilização de permutas para o lançamento dos seus novos produtos digitais. As marcas do Grupo passaram a ser totalmente multimídia e passaram a conviver com seus consumidores onde quisessem, na hora que quisessem e pelo meio que quisessem utilizar.

Isso não significa que para ter sucesso em um start-up digital, você precise ter um grupo forte por trás. Significa, sim, que para ter sucesso, você tem que olhar o negócio como um todo, online e off-line, buscando sinergias e parcerias dentro do possível para melhorar sua posição competitiva, pois caso não o faça, a concorrência poderá fazê-lo.

Portanto, pense bem antes de colocar seu negócio online para decolar. Você tem uma proposta de valor inovadora para os clientes? Você está bem posicionado em todos os elos da cadeia de valor, seja online ou offline? Você mapeou a concorrência e suas vantagens competitivas? Você buscou cobrir suas limitações off-line com parcerias e sinergias dentro ou fora do seu grupo de atuação?

André Bianchi Monte-Raso é especialista em estratégia, start-ups e desenvolvimento de negócio, consultor de grandes grupos de mídia, tecnologia e Telecom.

, Mobi9, Fundador e CEO
Especializado em estratégia, start-ups e desenvolvimento de negócios, tem prestado consultoria a grandes grupos de mídia, tecnologia e telecom. Foi responsável pela unidade de negócios digitais do Grupo Estado, por 2 anos onde liderou o relançamento digital do grupo incluindo estadao.com.br, limao, território eldorado, ilocal, zap, aeinvestimentos, paladar.com, diretodafonte.com e link.com. Anteriormente, esteve ligado ao Grupo Oi/Telemar por 5 anos, realizou o start-up da Oi (mobile) como consultor e posteriormente como executivo liderou a área de estratégia e novos negócios, no qual coordenou lançamento do portal Oi Internet (Mundo Oi) e estratégia de conteúdo, mídia e TV do grupo. Antes foi consultor de estratégia por mais de 15 anos, principalmente com a McKinsey, tendo trabalhado nos escritórios de Milão, São Paulo e Tóquio servindo clientes globais nas áreas de Telecom, Consumo, Varejo, Mídia, entre outros. Engenheiro elétrico pela Poli-USP e MBA pelo INSEAD, cidadão global, viveu em vários países e fala 7 idiomas, português, italiano, inglês, espanhol, francês, alemão e japonês.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: