Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

O que importa é o caráter

LoadingFavorito

Por que algumas empresas perdem seus talentos? Por que as pessoas “pegam o boné” e vão embora?

Qualquer pesquisa sobre turn over trará boas respostas. Mas existe um aspecto nem sempre explícito nestas pesquisas: acima de tudo, as pessoas se desengajam das outras pessoas! Mais do que desencantadas com seus cargos, desafios ou condições de trabalho, as pessoas se desanimam invariavelmente das demais pessoas à sua volta. Nem sempre o problema são as atribuições e responsabilidades, ou o pacote de remuneração e benefícios. Tudo é relevante, claro. Porém têm muitas situações em que o problema está no distanciamento e no desencantamento com os colegas ao seu redor.

A linguagem, o comportamento, os valores e a maneira de enxergar o trabalho e as relações interpessoais ficam descolados daquilo que o indivíduo tem para si como melhor referência. Tudo piora quando este “descolamento” refere-se às atitudes do líder, cujo comportamento serve de exemplo de como não agir. Suas ações e escolhas em nada lembram os valores da organização. Sua performance parece a estória do guardador de tartarugas, que deixou uma morrer de fome e a outra fugir… Não há qualquer sinal de que a empresa agirá para corrigir este rumo. O melhor caminho – cada vez mais sedutor – é a porta de saída.

A frustração e o sofrimento aumentam quando os líderes atuam não apenas com a marca da incoerência com os valores e da incompetência no desempenho. Comportamento antiético é a gota d’água para afugentar de vez aqueles que são sérios, comprometidos e impotentes para agir. Recentemente testemunhei um gerente que pediu demissão de uma empresa do setor de turismo por este motivo. Seu diretor – membro da família controladora da empresa! – praticava “malfeitos” (a palavra está na moda nesta era Dilma) e desejava cumplicidade do seu gerente. Este se demitiu, deixando sua família perplexa. “Eu tinha vergonha de contar o que acontecia lá”, disse-me ele, para justificar o longo tempo em que manteve o segredo da própria esposa.

Semanas atrás tive a honra de participar de um congresso de RH em Blumenau, juntamente com o professor Jean Bartoli. Em sua palestra ele afirmou: “As empresas cuidam muito do tema da competência, mas creio que o dilema maior seja a questão do ‘carráter’ de seus líderes”, disse ele em seu português carregado de sotaque francês. “A empresa poderá sempre oferecer ao indivíduo espaço para desenvolver suas competências, mas não será possível corrigir seu ‘carráter’”, completou.

Você está suficientemente atento para isto em sua organização? Para as pessoas eventualmente tiranizadas por seus líderes malfeitores?. Concordo 100% com o professor Bartoli: o problema maior é mesmo o de “carráter”…

Rogério Chér foi diretor corporativo de RH na Natura e hoje é sócio da Empreender Vida e Carreira.

, Empreender Vida e Carreira, Sócio
Rogério Chér é sócio da Empreender Vida e Carreira. Na DBM do Brasil atuou como Consultor de Carreira, coordenou o Núcleo de Empreendedores e foi Vice Presidente de Operações para América Latina. Chér foi Diretor Corporativo de RH da Natura e é professor da FAAP nas disciplinas de Formação de Empreendedores e Comportamento Organizacional. Também atua como professor nos cursos da FGV sobre Empreendedorismo e Criação de Novos Negócios. É autor de livros sobre Empreendedorismo e Gestão, cujo último título lançado chama-se "Empreendedorismo na Veia - Um aprendizado constante". Como conferencista participou de eventos, em dezenas de cidades Brasileiras, ministrando palestras em Instituições e empresas de diversos segmentos como: GS&MD - Gouvêa de Souza, ADCOS, Íntegra Medical, DBM, Queiroz  Galvão, Prefeitura de São Paulo - Secretaria da Saúde, Pieracciani, Faex Transportes, BR Construtora, Amcham, UFMG, Sebrae, Blue TreeHotels, Endeavor, FAAP, Insper, FGV, entre outras.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
  1. Eduardo Siqueira Filho - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Excelente abordagem ao tema! Tendo vivido por anos ambiente corporativo, e agora como coach, cada vez mais claro fica que a empresa é reflexo do que somos e o que fazemos com o que nos foi dado. Afinal uma empresa é, em primeiro lugar, feita de pessoas e depois de profissionais.

Parceiros
Criação e desenvolvimento: