Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

O que mercado financeiro e empreendedorismo têm em comum? Muito mais do que você imagina

LoadingFavorito

Assim como em um empreendimento, o mercado financeiro exige muito trabalho, dedicação, planejamento e entrega. Veja aqui quais lições de gestão você pode tirar dessa área.

No fundo, se você pensar bem, vai perceber que o mercado financeiro e o processo de empreender têm mesmo muita coisa semelhante – a começar pela carga de trabalho. Seja atuando no mercado ou empreendendo, há que se trabalhar muito e duro para que as coisas de fato aconteçam. Afinal, construir algo requer muito empenho, e dedicação que vai muito além do horário comercial.

Além disso, tanto no mercado financeiro quanto em um empreendimento, o planejamento e o constante monitoramento das ações são determinantes. A gestão, propriamente dita, pode ser considerada como outro ponto bastante semelhante em ambos os casos.

Claudio Sassaki, fundador da Geekie e ex-profissional do mercado financeiro, aponta neste vídeo para mais uma semelhança entre os dois ramos: as pessoas. Para Sassaki, tanto no mercado quanto no meio empreendedor, existe a predominância de profissionais muito capacitados, motivados e talentosos. No entanto, em meio a essas semelhanças, há uma diferença fundamental entre as duas áreas: o propósito.

Segundo o fundador da Geekie, a “pegada” no mercado financeiro costuma ser o crescimento rápido, e isso acaba incentivando um comportamento mais individualista por parte dos profissionais.

Já o empreendedorismo costuma corresponder a outro tipo de propósito: relaciona-se a uma missão de vida, ao desejo de deixar uma marca, um legado melhor para o mundo. Neste artigo, falamos um pouco sobre o assunto, até porque é muito importante você ter bem claro aonde quer chegar.

O que posso aprender com o mercado financeiro?

Muita coisa! Dificilmente caberia tudo em um artigo só. Felizmente, temos algumas obras de arte que abordam a relação entre o mercado financeiro e o início de um novo negócio - obras que deixam lições que todo empreendedor deveria seguir de perto. Como o filme “O lobo de Wall Street”, dirigido por Martin Scorsese.

Uma breve contextualização do enredo: trata-se da história real de Jordan Belfort (interpretado por Leonardo DiCaprio), um jovem corretor de ações que ganhava 49 milhões de dólares por ano empreendendo fraudes, corrupções e toda sorte de estratagemas.

Trabalhando durante seis meses em uma corretora de Wall Street, Belfort aprende o que fazer e o que não fazer com seu mentor Mark Hanna (interpretado por Matthew McCounaghey). Então, ocorre o Black Monday, como foi conhecida a segunda-feira, 19 de outubro de 1987, quando o mercado desabou. Belfort perde imediatamente o emprego.

Após dias terríveis, ele começa a dar a volta por cima ao conhecer uma pequena corretora fora do movimentado ambiente de Wall Street. Uma corretora que lida somente com ações de segunda linha (as penny stocks). No pequeno escritório, seus colegas de trabalho olham perplexos e admirados para o profissional que, só com uma lábia afiadíssima, consegue empurrar ações duvidosas a clientes como se fossem ouro.

A coisa dá tão certo que surge, então, a ideia de criar uma corretora que funcione exatamente da mesma forma: convencer clientes a comprar ações de baixo valor e pouca liquidez que, em compensação, trazem maior retorno para a sociedade.

Belfort começa a formar sua equipe ao lado de Donnie Azoff e outros amigos de um passado um tanto duvidoso, e acaba por criar a corretora Stratton Oakmont. Não continuaremos o relato para não estragar sua experiência (que, pode acreditar, é incrível) ao ver o filme, caso não tenha visto.

E não queremos, de modo algum, estimular aqui alguma prática ilegal! Nada disso. A ideia é retirar, por meio do filme e com inspiração neste artigo do Dinheirama, algumas lições positivas que o mercado financeiro pode fornecer à atividade empreendedora. Primeiro, as positivas:

1. Procure ser persuasivo e aprenda a vender a sua ideia 

No filme, Belfort fala muito bem; é convincente, magnetiza. Ainda que não entendesse muito do mercado (não a ponto de ser considerado um exímio operador), o poder da oratória o ajudava a utilizar uma técnica de vendas muito agressiva e efetiva. Com a mesma capacidade de conversar e vender, ele conseguiu motivar profundamente uma equipe sólida, além de conseguir negócios bastante rentáveis.

Neste artigo, você encontra algumas dicas para vender melhor seu peixe.

2. Tenha paixão pelo que faz e mantenha sempre o foco

Ainda que a obsessão de Belfort pelo dinheiro tenha feito ele agir de maneira inescrupulosa, o amor que nutria pela profissão e pela indústria onde trabalhava era indiscutível. Nem a massacrante rotina diária e os muitos problemas pessoais tiravam sua energia a ponto de ele diminuir o ritmo de trabalho. Como líder, também demonstrava sempre manter foco, a ponto de levar o trabalho ao extremo.

Neste sentido, a garra e a determinação que a atuação no mercado financeiro requer podem ser inspiradora para qualquer empreendedor.

3. Contrate pessoas com potencial e forme um time

Jordan Belfort buscava, primeiramente, contratar pessoas nas quais acreditava. Para o Lobo, não estavam em primeiro plano as experiências e habilitações do profissional, mas a vontade que ele demonstrava de mudar a própria realidade, bem como o potencial que sua aguçada intuição apontava nas pessoas. E sobretudo ele acreditava muito na sua capacidade de formar um time forte e, principalmente, unido.

Esta é outra ótima inspiração para você, empreendedor. Assim como o mercado financeiro exige uma equipe afiada (de ponta), o sucesso de seu negócio depende de um time integrado e motivada, totalmente alinhado com seus objetivos.

Neste breve vídeo, o empreendedor Altino Cristofoletti dá dicas de como formar uma boa equipe.

Enfim, estas são algumas aproximações possíveis entre a atuação no mercado financeiro e atividade de empreender. O importante é alinhar tudo isso ao propósito do seu empreendimento, para que você consiga ir cada vez mais longe. Esperamos que o conteúdo tenha ajudado!

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: