facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Tudo que você precisa saber sobre Lucro e suas formas

LoadingFavorito
Tudo que você precisa saber sobre Lucro e suas formas

Margem, bruto, operacional, presumido, real… é normal que você, empreendedor, faça confusão com esses termos relacionados ao lucro. Mas elaboramos este artigo para ajudá-lo a entender melhor tudo isso. 

O lucro é um indicador de retorno de qualquer investimento. O retorno daquilo que você, como proprietário do capital social, do dinheiro ou dos títulos investidos inicialmente na sua empresa, recebe.

É evidente que, por se tratar de um importante fator para qualquer empreendimento, nós já produzimos e compartilhamos muitos conteúdos a respeito de lucro. Por isso, aqui traremos um apanhado de artigos, palestras e outros textos que certamente poderão te ajudar a não apenas entender melhor de lucro, mas também a descobrir o que fazer para melhorá-lo. Como um guia, mesmo, para te orientar em relação às diferentes formas e concepções de lucro. Vamos lá:

Comecemos pela margem de lucro

A margem de lucro é a porcentagem que é adicionada aos custos totais do seu produto ou serviço, que define o preço final da comercialização e, assim, o quanto de lucro que sua empresa terá em cima de cada venda.

Neste elucidativo artigo, o especialista em finanças e mentor Endeavor Paulo Sérgio Dortas explica  em detalhes a margem de lucro, e fala sobre rentabilidade.

Ele explica que a margem de lucro é concebida a partir de dois conceitos básicos: a formação do preço de venda e o retorno esperado para o capital investido. No primeiro caso, a formação do preço envolve tanto aspectos que estão sob o seu controle, como o custo de produção, e outros que não estão, como quanto o mercado está disposto a pagar pelo seu produto ou serviço. Ou seja, de nada adianta querer praticar um preço irreal, que está fora do que vem sendo praticado pelos seus concorrentes ou da prcepação de valor que o potencial cliente enxerga no seu produto ou serviço.

Agora, a questão do retorno para o capital investido: Dortas afirma que este retorno deve considerar o custo de oportunidade do dinheiro. Ou seja, ele deve ser superior ao esperado para uma aplicação ou dívida no mercado financeiro – caso contrário, não valeria todo o esforço de empreender.

O especialista afirma que há, no mercado, uma métrica de retorno a depender do tipo de setor em que se irá empreender. No varejo, por exemplo, há uma remuneração de cerca de 4% sobre o total das vendas. Para a atividade de serviços, espera-se algo em torno de 20% sobre o total das vendas.

Feitas essas reflexões, vamos ao cálculo da margem de lucro. Ele afirma que, para chegar na conta certa, você deve partir do preço de venda, lembrando-se sempre de que se trata daquele que o mercado está disposto a pagar e não o que você gostaria de praticar. Deve, então, deduzir todos os custos para produzir e entregar – inclusive impostos –, chegando-se assim à sua remuneração.

E o especialista faz um alerta: você não pode se esquecer de incluir todos os custos necessários. Aqueles que variam de acordo com o volume de produção, os variáveis e aqueles que às vezes são esquecidos, como os custos fixos, existentes independentemente de haver produção ou não.

Caso o resultado obtido seja negativo, ou mesmo inferior à margem de remuneração do setor em que você está atuando, Dortas afirma que pode ser a hora de dar uma olhada na sua eficiência operacional.

E o lucro bruto?

Claro, vamos a ele: neste artigo, abordamos a questão em profundidade. O lucro bruto ou lucro operacional bruto, é como o texto coloca, a diferença positiva entre a receita líquida das vendas da sua empresa e o custo envolvido para dispor do produto ou do serviço vendido – sem que impostos e outras taxas tenham sido reduzidos. É o rendimento que permanece após a dedução de todos os custos necessários para a a obtenção deste rendimento.

Como exemplo, o artigo traz o seguinte: imagine que sua receita bruta seja de R$ 100.000. Com ela, então, calcula-se a receita líquida: supondo que, destes, R$ 1.000 em mercadoria tenham sido devolvidos, que haja R$ 500 em descontos comerciais e que os impostos incidentes sobre as vendas sejam de R$ 40.000, temos:

Receita líquida: 100.0000 – 1.000 – 500 – 40.000 = 58.500

Agora, presuma que a soma de todos os custos envolvidos na obtenção do que foi vendido seja de 30.000:

Lucro bruto: 58.500 – 30.000 = 28.500.

Certo. E quanto ao lucro operacional?

Bem observado! A definição de lucro operacional é simples: trata-se do lucro gerado única e exclusivamente pela operação do negócio, descontadas as despesas administrativas, comerciais e operacionais. Assim, exclui-se qualquer movimentação financeira.

É o lucro operacional que medirá sua rentabilidade operacional; ou seja, a capacidade que o seu negócio tem de gerar lucro.

Neste artigo, tratamos do lucro operacional em detalhes: trata-se de um dos indicadores que compõem a Demonstração do Resultado do Exercício. O DRE é um relatório contábil que oferece uma síntese financeira dos resultados de uma empresa durante um certo período (geralmente um ano), e é uma das mais poderosas ferramentas de análise para os gestores de uma empresa. Também é um dos primeiros relatórios para os quais os potenciais investidores olham.

Agora vamos calculá-lo. Simplificando bem, o indicador será obtido a partir da seguinte fórmula:

Lucro operacional = Lucro Bruto – Despesas Operacionais + Receitas Operacionais

Lembrando que já obtivemos um lucro bruto de R$ 28.500. A partir dele, calcularemos as despesas operacionais para chegar ao lucro operacional.

As despesas operacionais são todas aquelas também relacionadas à atividade primária da empresa. São todos os gastos com vendas, administrativos e operacionais que se envolvem diretamente com a atividade principal, menos a somatória da depreciação e da amortização.

Lembrando que para chegar ao lucro bruto já descontamos o custo de aquisição do produto ou serviço, de R$30 mil . Agora, você deverá descontar todas as despesas que incidem na venda do produto – folha de pagamento dos vendedores, custos mensais para rodar a operação, como aluguel, água, luz, telefone etc. Ou seja:

Despesas operacionais = Despesas com vendas + despesas administrativas  despesas operacionais – (depreciação + amortização)

Assumindo o mesmo exemplo, suponha que: despesas com vendas – R$7.000; despesas administrativas – R$  3 mil; despesas operacionais – R$5 mil; depreciação – R$ 2 mil; amortização – R$2 mil.

Então, temos:

Despesas operacionais = R$7.000 + R$3.000+ R$5.000 – (R$2.000 + R$2.000) = R$11.000

A essas despesas operacionais, você poderá somar outras receitas operacionais que não sejam ligadas diretamente à venda de seus produtos, mas que ainda assim estejam ligadas à sua operação principal, como: a receita de aluguéis ou a receita de uma reversão de uma provisão de devedores duvidosos, para finalmente chegar ao lucro operacional.

Vamos considerar que tivemos R$ 3.000 de receita de aluguel e R$2.000 de receita de reversão de provisão de devedores duvidosos, portanto:

Receitas operacionais = R$3.000 + R$2.000 = R$5.000

Finalmente, então, podemos calcular nosso Lucro Operacional.

Lembrando que Lucro operacional = Lucro Bruto – Despesas Operacionais + Receitas Operacionais, temos:

Lucro operacional = R$28.500 – R$11.000 + R$5.000 = R$22.500

Quais outros links sobre lucro podem ser úteis?

O assunto é praticamente inesgotável. Sempre tem alguém compartilhando informações interessante sobre como empreendedores podem se aperfeiçoar na busca pelo lucro. Abaixo, selecionamos outros conteúdos aqui do portal Endeavor que são bastante úteis a esse respeito:

Neste texto, o professor Peter Rosenwald reflete sobre a importância de se identificar “os pontos de dinâmica do lucro”.

Neste artigo, o advogado especializado em direito tributário, Eduardo Borges, aborda a questão dos impostos para te ajudar a optar pelo lucro real ou presumido.

E neste workshop, o especialista Roberto Quiroga também aborda o direito na vida do empreendedor, e comenta sobre a distribuição de lucros entre os sócios.

Esperamos que este conteúdo – ou melhor, este guia – te ajude a circular melhor pelas questões do lucro. E boas vendas!

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. Luiz Henrique Marcondes - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Excelente Nota, pragmática e abrangente. Parabéns.

Parceiros
Criação e desenvolvimento: