Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Inovar para prosperar

LoadingFavorito
Artigo_Inovar para prosperar

O processo de inovação em um negócio não depende necessariamente de um investimento financeiro. O empreendedor precisa ter a capacidade de aceitar mudança e acreditar que o seu negócio irá se desenvolver.

Neste momento de extrema dificuldade, em que as empresas nacionais enfrentam uma demanda retraída, uma carga tributária elevada e a concorrência dos produtos importados, as pequenas empresas que, para sobreviver, estão reduzindo os seus custos no processo produtivo e inovando para se tornarem mais competitivas no mercado. Contudo, esse processo não é barato, investir em novas tecnologias para se diferenciar no mercado significa aumentar os custos. Nesse cenário, o que essas empresas podem fazer para se manterem vivas nos próximos anos?

De acordo com os especialistas do setor, considerando a realidade do mercado brasileiro, no qual os encargos tributários e trabalhistas são bem mais altos que aqueles praticados nos países que fazem parte do BRICs, por exemplo, China, a inovação é o único caminho para a sobrevivência dos negócios de pequeno e médio porte. Nesse contexto, é importante ressaltar que inovar não significa, necessariamente, ter altos custos e desenvolvimento tecnológico.

A criatividade é uma ferramenta fundamental para obter ganhos consideráveis no processo de inovação e, consequentemente, se diferenciar no mercado competitivo. Para que isso possa acontecer, as ideias criativas devem estar em linha com a realidade do negócio a ser inovado utilizando, assim, simples mudanças com baixo custo, de maneira que possa atrair ou seduzir o seu consumidor.

A principal questão é: Como um pequeno empreendedor poderia melhorar o seu modelo de negócio? Primeiramente diagnosticar se a empresa é receptível para mudanças. Depois, analisar algumas características do mercado relativo ao seu negócio. Por exemplo, numa sorveteria, o dono deverá realizar um levantamento dos concorrentes que atuam na sua região para saber os tipos e sabores de sorvetes são vendidos, os preços , se há entrega a domicilio, a forma de marketing, entre outras ações.

O empreendedor também deve pensar como se diferenciar nessa atividade, estando atento aos acontecimentos no mundo, em relação à sua atividade. Isso irá proporcionar mudanças simples tanto no seu processo de fabricação e no produto, quanto na administração do negócio. Assim, o empreendedor criará soluções que irão agregar na qualidade do seu produto ou serviço, diferenciando-se no mercado, por exemplo, uma nova forma de servir o sorvete, um novo desenho do formato do copo de sorvete, meios de se comunicar com o seu cliente para melhorar a qualidade do seu produto ou serviço, formas de atrair o seu cliente como o “programa de milhagens” usado em companhias aéreas, sabores diferenciados. Essas soluções não exigem vultosos investimentos.

Parece simples, mas mudar a cultura do negócio e conseguir transformar as ideias em soluções práticas não é tão fácil assim e nem sempre o retorno é imediato. Por isso que o empreendedor deve possuir algumas características como, resiliência, persistência e tenacidade capazes de fazê-lo acreditar em suas ideias. O empreendedor deve ser persistente e continuar insistindo nas soluções que ele acredita para serem aplicadas em seu negócio, pois quando menos espera essas inovações irão trazer o retorno esperado.

A motivação das pessoas que trabalham com o empreendedor é outro fator importante para inovar. Deve-se valorizar as iniciativas e reconhecer o que os colaboradores podem oferecer como ideias e sugestões. Além disso, valorizar os colaboradores, como por exemplo, dar uma participação no negócio.  Essas medidas podem ajudar a aumentar o fluxo de inovação, bem como o faturamento do negócio, sem aumentar os custos.

Preview

Por fim, não menos importante, a questão da propriedade intelectual, que é a maneira de assegurar que as inovações no negócio do empreendedor possam gerar valor agregado. Nesse sentido, toda e qualquer inovação relacionada com o produto ou serviço deve se avaliar a possibilidade de proteção por meio do direito de patente, registro de desenho industrial, registro de marcas, registro de software, registro de nome de domínio, segredo de negócio, entre outros.

É claro que assegurar um direito de exclusividade para toda inovação é custoso e poderá onerar o custo fixo do negócio. Sem contar com a lentidão da estrutura do INPI para a concessão de certos direitos de propriedade intelectual, como por exemplo, o tempo de tramitação de um pedido de patente que pode chegar a 12 anos, dependendo da tecnologia inventada.

Por outro lado, temos certas proteções que não incorrem altos custos e nem num longo tempo para obter o respectivo direito, como é o caso da marca, do desenho industrial e do registro de software. Assim, voltando ao exemplo da sorveteria, o registro da sua marca, a proteção do formato do copo de sorvete pelo registro de desenho industrial, bem como o software desenvolvido para se interagir com o seu cliente para melhorar a qualidade do seu produto ou serviço, são alguns exemplos de proteção efetiva e que irão contribuir para a sustentabilidade do processo de inovação do negócio.

O processo de inovação em um negócio não depende necessariamente de um investimento em recursos financeiros, mas, principalmente, a capacidade de aceitar mudança no negócio, com ideias criativas e acreditar que o seu negócio irá se desenvolver para se tornar um referencial no mercado.

Gabriel Di Blasi é engenheiro, advogado e sócio do escritório Di Blasi, Parente & Associados. Sua prática abrange questões nacionais e internacionais, incluindo patentes, desenhos industriais, segredos empresariais, cultivares, contratos de licenciamento e de franquias, gerenciamento de tecnologia e de inovação tecnológica, marcas e direitos autorais.

Veja mais: Day1 | A energia da inovação com Bento Koike (Tecsis)

 

, ABF, Conselheiro Fiscal
Engenheiro industrial, agente da propriedade industrial e advogado. Sua prática abrange questões nacionais e internacionais, incluindo patentes, desenhos industriais, segredos empresariais, cultivares, contratos de licenciamento e de franquias, gerenciamento e inovação tecnológica, marcas e direitos autorais.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: