Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Inovação e Empreendedorismo em Tecnologia

LoadingFavorito

A indústria brasileira de TI – que poderia ser maior – guarda muitas oportunidades de inovação para empreendedores.

O Brasil é reconhecido internacionalmente não apenas por dispor de abundantes recursos naturais e produção manufatureira, mas por um setor de Tecnologia da Informação (TI) sofisticado e inovador, com crescimento acelerado e alta geração de empregos. Com crescimento de 11% em 2011, o setor alcançou faturamento de US$ 103 bilhões, passou a responder por 4,4% do PIB brasileiro e se consolidou como o sétimo maior mercado de tecnologia do mundo.

Mas a indústria brasileira de TI deveria – e poderia – ser maior, já que possui porte, conhecimento técnico e capacidade inovadora suficiente para alcançar a representatividade de 6% a 7% do PIB, observada em países desenvolvidos. Referência em diversos segmentos, como serviços financeiros, governo eletrônico, agricultura e petróleo e gás, o mercado ainda possui potencial de desenvolvimento de soluções tecnológicas em diversas áreas, como saúde, educação, segurança, transparência e eficiência governamental.

Os empreendedores brasileiros podem encontrar no setor de TI oportunidades para inovar e desenvolver novas soluções que contribuam com o desenvolvimento socioeconômico, competitividade e produtividade da economia nacional. Com a inserção de 52 milhões de brasileiros na classe C nos próximos dez anos, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), novas demandas, que não poderão ser atendidas pelas soluções tradicionais, surgirão em áreas como saúde e educação.

 

A universalização do sistema de saúde para atender à nova classe média é apoiada no desenvolvimento de soluções de diagnóstico, tratamento, monitoramento e comunicação remotos, otimizando os recursos hoje disponíveis por meio de celulares, tablets e notebooks. A tecnologia ainda pode proporcionar o compartilhamento de informações médicas e a comunicação entre profissionais da saúde e pacientes a distância e em tempo real.

A tecnologia é um importante instrumento para o desenvolvimento de educação de qualidade, que alcance melhores indicadores internacionais. Como ferramenta para acelerar o aprendizado, TI pode ir além da educação a distância, mas oferecer instrução direcionada e individualizada e integrar alunos e professores. Existe espaço, por exemplo, para o desenvolvimento de soluções que acompanhem o progresso de alunos, disponibilizem conteúdo digital e integrem diferentes mídias de maneira interativa.

No setor público, há potencial de aplicação de tecnologia da informação no oferecimento de serviços aos cidadãos e às empresas, na eficiência do estado e na prestação de contas públicas. Alguns exemplos práticos de iniciativas que podem ser desenvolvidas são portais integrados para desburocratização de serviços governamentais; modernização e formalização de processos governamentais; e portais com indicadores-chave em níveis federal, estadual e municipal.

O país ainda não possui ecossistemas dinâmicos de inovação e empreendedorismo, como Silicon Valley (Califórnia) ou Silicon Alley (Boston). No entanto, diversos avanços são observados na disponibilidade de capital de risco e na integração entre academia e setores público e privado. Esse progresso, unido ao momento favorável do mercado nacional de tecnologia e ao talento criativo do brasileiro, fomenta o sucesso de novos empreendedores. Com a meta de tornar o Brasil um dos cinco principais centros de TI ao final desta década, a Brasscom e a McKinsey estão desenvolvendo o plano estratégico “Brasil TIC 2022”, em que ações inovadoras e empreendedoras são peças-chave.

 

Antonio Gil é graduado em Engenharia de Produção pelo ITA, Presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), ligado à Presidência da República.

 

 

 

 

 

, Brasscom, Presidente
Graduado em Engenharia de Produção pelo ITA, Antonio Carlos Rego Gil iniciou sua carreira na IBM, onde alcançou o cargo de COO (Chief Operations Officer) no Brasil e CEO (Chief Executive Officer) na Venezuela. Em 1986, tornou-se presidente da SID e, em 1993, assumiu a presidência da Lucent Technologies do Brasil. A partir de 1998, Gil passou a trabalhar em parceria com o grupo de investidores IT Partners com o objetivo de procurar oportunidades no segmento de IT e Telecom no Brasil. Como fruto deste relacionamento, tornou-se presidente da CPM (atual CPM Braxis CapGemini), empresa que em julho de 2000 passou a fazer parte do IT Partners, na América Latina. Desde 2007, é presidente executivo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM). Gil é membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) , ligado à Presidência da República e do Conselho de Competitividade do Plano Brasil Maior, também ligado a Presidência.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. Samir Tomazoni - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Olá Antonio Gil, muito bom seus artigos. Gostaria de fazer um convite para participar de um congresso de Cloud. Pode me informar seu email. Obrigado!

Parceiros
Criação e desenvolvimento: