Conheça a história da idwall, a maior regtech da América Latina

Endeavor Brasil
Endeavor Brasil

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 30 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Os caminhos de Lincoln Ando e Raphael Melo se cruzaram em uma das turmas de Análise de Sistemas da UNICAMP, em 2009. Desse encontro de duas pessoas comuns e brilhantes, surgiu a maior regtech da América Latina que se propõe a diminuir a fraude e aumentar a confiança nos negócios do Brasil e do mundo: a idwall. 

Empreender é como lapidar um diamante: o mineral bruto só se torna uma preciosidade com trabalho, tempo e persistência. Esse processo é o responsável por extrair toda beleza que uma pedra esconde em seu estado natural. 

Aos poucos, a pedra bruta se transforma em uma pedra preciosa, que vai mostrando seu brilho, sua beleza e seu valor. 

No final, o diamante bonito não é somente um negócio ou a empresa. Também são os próprios empreendedores. 

Durante o processo, o empreendedor aprende um pouco mais sobre quem ele é, cria uma nova versão de si mesmo e compreende os pedaços mais puros de sua personalidade, removendo a rocha que impede de ver a pedra preciosa.

É exatamente assim que Lincoln Ando e Raphael Melo estão lapidando a idwall todos os dias: transformando e polindo seus próprios diamantes. 

Passo 1 – encontrando a pedra bruta 

Lincoln era uma criança questionadora, sempre fazia as perguntas que ninguém fazia e queria entender porque e como as coisas funcionavam. Aos 12 anos, aprendeu a programar, por influência do irmão, e criou o seu próprio servidor para as pessoas jogarem o seu jogo. Ele criou o site para o clã de um jogo online.

Outra influência foram as artes marciais. “Com o esporte, aprendi a competir comigo mesmo, me desafiar para ser melhor. Com o clã, tive uma noção de coletividade. Desde cedo entendi que se cada um der o seu melhor as coisas progridem, a gente consegue melhorar o mundo como um todo.” _ Lincoln Ando

Raphael era o tipo de criança que gostava mais da caixa do que do presente e com ela criava foguetes e conquistava o espaço. 

Aos 15 anos, descobriu que poderia fazer o computador trabalhar por ele – o que considerou seu superpoder. Com isso, antes mesmo de entrar na faculdade, já dava aulas de programação e fazia freelances na área.

Esses caminhos os levaram para a UNICAMP, em 2009, onde eram colegas de sala no curso de Análise de Sistemas.

A gente se conhece há 11 anos. Nos demos muito bem na faculdade, sempre fizemos trabalhos em equipe juntos.”

Lincoln Ando

Passo 2 – limpando a pedra bruta

A parceria foi tamanha que se estendeu para além da faculdade. Em 2010, Raphael foi trabalhar na área de tecnologia do Banco Original e resolveu a levar as melhores pessoas da faculdade pra lá, entre elas, Lincoln, que foi para o mercado de soluções. 

O Rapha sempre foi muito influente no banco, por ter sido um dos primeiros funcionários. Tem uma história muito bacana de quando o banco queria trocar de logo. Lembro que ele foi para um canto, rascunhou um desenho em poucas horas e isso acabou virando o logo do banco.” _ Lincoln Ando 

Essa experiência me fez perceber a importância de incentivarmos pessoas a saírem da caixinha. Quando damos 100, 200% do nosso potencial, criamos um produto muito mais legal. Ver pessoas contribuindo por uma causa maior me fez perceber que eu queria trabalhar numa empresa que desse autonomia para os funcionários.”_ Raphael Melo

O banco passava por uma transformação digital, estava deixando de ser offline e queria ser o  primeiro banco digital do Brasil. Porém, em 2011, não existia esse mercado e abrir e fechar contas online não era regulamentado. Foi essa experiência que fez com que os empreendedores começassem a entender os desafios do mundo digital: como evitar fraude de identidade, como lidar com compliance e como lidar com as expectativas dos usuários. 

As burocracias e a demora para a inovação acontecer fez com que Lincoln e Raphael saíssem do banco para empreender. O Lincoln foi criar a própria startup no setor de construção civil e o Raphael lançou um aplicativo de jogos para trocar por prêmios. 

Aprendemos muito como selecionar investidores, como escolher bons sócios e a gente sofreu muito com problema de fraude.

Lincoln Ando

Os desafios de empreender eram os mesmos: não era possível saber se os clientes eram pessoas de verdade – na experiência do Raphael tinha muito robô e usuário falso; e o Lincoln tinha que lidar com fraudes no negócio. 

Passo 3 – o primeiro corte do diamante 

Cheios de desafios, Lincoln e Raphael se encontraram no Google Campus, antes mesmo de ter inaugurado, numa das mesinhas do espaço. E foi nessa conversa, ao perceberem que os problemas de fraude não eram só deles, que aconteceu o Day1 da idwall. 

Sentamos para conversar sobre os problemas societários e tecnológicos que a gente tinha. Começamos a pensar: e se a gente criasse outra empresa? Quais os desafios que estávamos tendo agora? Quais os desafios que o banco tinha?”

Raphael Melo

O principal desafio era: como criar relações de confiança na era digital?

Começamos a fazer um deep dive no problema. Percebemos que o Brasil é um dos países com menor índice de confiança interpessoal. No Brasil, menos de 7% dos brasileiros confiam uns nos outros. A gente perde muito por fraude, toma muito golpe e, como resultado, a gente fica cético em relação às pessoas.” _ Lincoln Ando

Naquela época, em 2016, o mundo estava se abrindo para o digital. As pessoas tinham smartphones com aplicativos instalados e muita coisa estava acontecendo – aplicativos de transporte, bancos digitais, e-commerces de nicho e serviços de streaming.

Juntando o alto número de fraudes, o baixo índice de confiança interpessoal e a efervescência dos serviços digitais, surge a idwall, a regtech – empresa de base tecnológica que ajuda a atender a regulamentação – que se propunha a combater a fraude nos negócios do Brasil. 

No café, a gente draftou algumas ideias, mandamos umas landing pages para pessoas que conhecíamos, como o Rodrigo, da Vindi, e o pessoal da MOIP. O Rodrigo virou nosso primeiro cliente e também investidor. Trouxemos um monte de gente boa para nos ajudar nessa caminhada e, diferentemente das experiências anteriores, escolhemos bons sócios. _ Lincoln Ando

Passo 4 – moldando o diamante

Desde 2016 os empreendedores estão, cada vez mais, sendo decisivos na luta antifraude do Brasil e ajudando a estabelecer conexões mais transparentes entre empresas e pessoas. A idwall conta com três soluções para fazer com que o cadastro de usuários seja mais fácil e seguro para as organizações.

Além disso, desde 2019 oferecem uma solução B2C (business to consumer), o MeuID, uma identidade digital que busca centralizar os dados mais importantes em um só lugar, facilitando o acesso a diversos serviços e produtos.

Para sustentar o crescimento, a idwall captou investimentos com várias instituições: em 2016, a empresa passa pelo Angel Round e levanta R$600 mil; em 2017, em rodada capitaneada por investidoras como Monashees, Canary e 500 startups, arrecada R$ 2 milhões; o series A vem em 2018, com uma rodada de R$9 milhões, com empresas como Monashees, Canary, Fundação Estudar e Mercado Livre; e, em 2019, levanta US$10M em rodada liderada pelo fundo de inteligência artificial da Qualcomm, seguida pelo Grupo Globo, Monashees, Canary e ONEVC. 

A gente aprendeu a fazer captação nos processos anteriores, errando. Hoje, já captamos 13 milhões e meio de dólares. Nós crescemos muito rápido e usamos pouco dos investimentos que recebemos. Quando fechamos o series B, tínhamos 70% do series A em caixa. Conseguir ter um business que se sustenta ajuda na captação para crescer mais rápido. E assim conseguimos trazer pessoas mais alinhadas a nossa visão.” _ Lincoln Ando

Passo 5 – apreciando o brilho do diamante

A história dos empreendedores à frente da idwall prova que todas as pessoas são brilhantes. Elas só precisam estar nos lugares certos e com as pessoas certas para lapidarem os seus diamantes. 

Quando começaram a limpar a pedra bruta, os empreendedores tinham o sonho de ter um grande banco como cliente, hoje são 14 instituições financeiras. Também queriam validar 10 milhões de pessoas e já passaram de 20.

Com quatro anos de empresa, a idwall conta com 130 colaboradores e mais de 200 clientes – entre eles, Cielo, Grupo Pão de Açúcar, Sicredi, iFood, Loggi, Banco Neon, EBANX, Quinto Andar, Unicred, Banco Digi+, Omni, Movida e Unidas.  

É muito impactante ver o Brasil sendo produtor de tecnologia. Ficamos muito orgulhosos de ver que depois de quatro anos criamos um produto muito bom, uma empresa colaborativa e diversa. Olhando pra empresa, é gratificante ver que nós, dois caras super normais, criamos tudo isso.” _ Lincoln Ando

E está só começando. A empresa só tem quatro anos e muitos sonhos para realizar. Agora, Lincoln e Raphael são Empreendedores Endeavor e contam com a rede formada formada pelos empreendedores que mais crescem no mundo e que são grandes exemplos para o país para potencializar o seu propósito de gerar mais relações de confiança entre os brasileiros. 

Nosso sonho é ver o índice de confiança interpessoal crescer. Quando começamos, ele estava em 7%. Queremos que, em 10 anos, esteja em 40, 50%. Nós acreditamos que isso vai tornar as relações menos burocráticas e gerar mais negócios.” _ Lincoln Ando

A Endeavor faz parte da história da idwall desde 2017, quando os empreendedores participaram do Programa Scale-up Endeavor, edição Radar Santander, com o objetivo de aprender a vender para grandes bancos. 

A Endeavor nos ajudou muito desde que começamos o programa de aceleração. Agora, vai poder nos ajudar em novos desafios. Em breve, estaremos expandindo para outros países da América Latina. Temos muitos clientes que nos puxam para fora do Brasil.” _ Raphael Melo

Leia mais sobre a história da idwall aqui


Conheça o Programa Scale-up Endeavor e faça parte da rede dos empreendedores e empreendedoras que mais crescem no mundo e são grandes exemplos para o país.

Saiba mais