Como a Linte cresce levando eficiência para grandes empresas

Esse é um conteúdo oferecido por:   CPFL Inova

Laís Grilletti
Laís Grilletti Endeavor Brasil - Time de Conteúdo

Time de Conteúdo

Onde a maioria vê burocracia, Gabriel Senra viu uma oportunidade. Conheça a scale-up, participante do Programa CPFL Inova, que reduz as ineficiências jurídicas de grandes corporações para ressignificar a relação das pessoas com o trabalho.

Antes mesmo de Gabriel se formar na faculdade de Direito em Minas Gerais, ele já era considerado um advogado provocador. No escritório em que estagiava, não bastava revisar processos e cumprir protocolos. Envolvia-se também na construção do site, sugeria a implantação de um novo sistema de gestão, organizava eventos para geração de negócios…Era empreendedor, numa época em que ainda não se reconhecia como tal.

Com essa energia, tudo o que sonhava era em tornar-se um advogado corporativo bem sucedido, alguém que aproveitasse ao máximo sua jornada para fazer algo diferente. Mas a velocidade de crescimento de Gabriel dos últimos anos logo se chocou com o ritmo de funcionamento das organizações. Era difícil ver as coisas andando.

Trabalhando pela primeira vez longe do escritório de advocacia, no departamento jurídico de  uma das maiores empresas do país, Gabriel descobriu a razão desse descompasso. O sistema no qual estava inserido criava condições contrárias à inovação. Apesar de ter acesso a muitas informações, o fluxo parecia congestionado: a burocracia era grande, os incentivos contrários à agilidade, o desenvolvimento de boas ideias não encontrava terreno fértil — e o empreendedor se via correndo na contramão.

Foi ali que Gabriel percebeu que, quanto maior uma organização, mais congestionado é o fluxo de informações, impedindo que elas naveguem de forma estruturada e sem barreiras. “No fim do dia, sustentamos uma enorme ineficiência nas empresas por não sabermos organizar as informações que temos nas mãos. Ninguém perde o sono com isso, mas sem percebermos, esse vai se tornando um grande mal. No longo prazo, as organizações não são capazes de tornarem-se competitivas e inovadoras — o que pode levá-las à morte.”

Para Gabriel, aquela experiência foi o seu Day1.

Vivendo essa desilusão profissional, foi conversar com seu primo — e mentor de longa data — Igor Senra, cofundador do Moip Pagamentos. Nessa conversa, surgiu o convite: “Por que você não vem para São Paulo, abre sua cabeça para novas oportunidades e ainda nos ajuda a organizar a área jurídica do Moip?”. O ano era 2014 e Gabriel aceitou o desafio. Na época, o departamento jurídico da startup estava bastante desorganizado. Faltava um bom gestor e um sistema eficiente para gestão dos processos.

Com esse diagnóstico, Gabriel propôs duas soluções:

  1. Contratação de um gestor jurídico, Matheus Moraes — grande amigo de Gabriel e atual presidente da 99Taxis.
  2. Implementação de um sistema inovador para gestão dos processos

Os empreendedores do MOIP deram carta branca para Gabriel construir o que tinha em mente: um software que reduziria a ineficiência de processos repetitivos. Seu objetivo era automatizar documentos para diminuir os custos dos processos. Gabriel aproveitou a oportunidade de testar o produto dentro da startup, contratou um programador, e lançou o MVP em janeiro de 2015.

Nascia ali a primeira plataforma de Legal Intelligence, ou a Linte, para simplificar.

Aos poucos, a combinação de gestão e processos automatizados levou a área jurídica do Moip a um novo patamar. Tanto é que a Linte chegou a ser selecionada para um programa de aceleração da 500 Startups no mesmo ano. Gabriel embarcou para São Francisco com o objetivo de se conectar com mentores globais, aprimorar o produto, a cultura e o modelo de distribuição da startup.

Grandes empresas nascem de grandes problemas

Hoje, o Brasil chega a ter mais de 100 milhões de processos ativos, sendo que algumas grandes empresas recebem até 20 mil novas ações por mês. A gestão do chamado contencioso de massa, processo de empresas que respondem muitas demandas judiciais ao mesmo tempo, exige gerenciamento simultâneo de várias equipes jurídicas, fluxo inteligente de informações, além da administração de um grande volume de processos. Na prática, a Linte aumenta a produtividade dos advogados corporativos automatizando diversas tarefas jurídicas, como a criação de documentos e a gestão do ciclo de vida de processos e contratos.

O que Gabriel percebeu, ao voltar da 500 Startups, é que seu mercado era muito maior do que imaginava antes. Ele poderia atender não só escritórios de advocacia, mas principalmente os departamentos jurídicos de grandes empresas.

Grandes corporações como bancos, varejistas, telecoms e e-commerces podem economizar alguns milhões em despesas jurídicas com o software.

Com essa visão de mercado, Guilherme Morais  e Lucas Duarte juntaram-se à sociedade para tocar as áreas de Tecnologia e Operações, ao lado de Gabriel. No fim de 2016, conduziram uma rodada de investimento, fundamental para o crescimento do ano seguinte. Além de combustível para o crescimento, passaram a contar com orientações de investidores da Redpoint eVentures, do Valor Capital Group e de alguns investidores-anjo como os próprios fundadores do MOIP, Caetano de Vasconcellos Neto, do Fundo Garantidor de Créditos, Daniel Arbix, Head of Legal do Google e Mario Letelier, cofundador do Buscapé, dentre outros.

Enquanto 2016 foi um ano de muito aprendizado e persistência, 2017 já começava como um ano de redescoberta.

Ressignificando o propósito

Os empreendedores entenderam, de fato, qual era o perfil de cliente que atenderiam — e como o produto se reposicionaria.

O mais importante, porém, nesse período, foi o exercício que os empreendedores fizeram para ressignificar o propósito da Linte. Mais do que aumentar a eficiência dos departamentos jurídicos, fazendo as grandes empresas economizarem com os processos, o que os empreendedores estão criando é uma nova relação das pessoas com o trabalho. “O ambiente de trabalho jurídico é, tradicionalmente, conservador, ineficiente e burocrático. Para mudar isso, temos que abreviar as tarefas repetitivas e operacionais para que o trabalho desses profissionais gere valor, deixe um legado. Precisamos garantir que toda informação produzida ou analisada seja útil para aquela organização no futuro.”

“Percebemos que nossa empresa é maior que um software de automação de documentos. Economizar dinheiro com processos é parte do todo, não o objetivo final.”

Gabriel Senra, empreendedor acelerado pelo CPFL Inova

Combustível do crescimento

Um dos clientes da scale-up, por exemplo, utiliza mais de 20 mil imóveis no Brasil. Imagine como seria a gestão dos contratos de locação, aditivos e distratos para todas essas propriedades? A plataforma, portanto, gerencia os contratos de forma centralizada, substituindo grande parte do trabalho que o time jurídico teria de investigar individualmente em múltiplos sistemas o status de cada documento. Já um outro cliente lida com cerca de 200 mil processos por ano. A governança dessas informações exigiria a gestão de diversas equipes jurídicas, abrindo brechas para erros humanos, diversas tarefas repetitivas e muito retrabalho.

Em alguns casos, o custo médio de elaboração de contratos — que chegava a 113 dólares — é reduzido para 9 dólares por transação.

Dessa forma, trabalhando com grandes organizações como a Accenture, 99Taxis, Moip, Banco Itaú e Nubank, a Linte sustenta seu crescimento acelerado eliminando ineficiências na operação de outras organizações.

“Eu sei que no futuro o trabalho vai ser diferente. Vai ser melhor. Eu não quero viver isso. Eu quero fazer isso acontecer.”

Escalando pelo caminho certo

Nesse processo, Gabriel tem usado quatro elementos fundamentais para crescer com eficiência.

1.Antecipar-se ao crescimento para reduzir as dores de escala

No início de 2018, a contratação de número 30 da Linte foi uma People Strategy Manager, ou seja, alguém dedicado a conservar a cultura e os valores da organização. Enquanto a maioria das scale-ups se dá conta dessa necessidade quando o time já dobrou de tamanho, na Linte a antecipação garante que eles cresçam “pelos caminhos corretos”, como diz Gabriel. Nesse sentido, essa profissional contratada pode criar um plano de ação para lidar com a expectativa do time de chegar a 70 pessoas até o fim do ano.

2. Ter clareza dos valores inegociáveis da organização

No exercício de propósito realizado em 2017, os sócios chegaram em quatro valores que permeiam o jeito de ser da Linte.

A. Seja exatamente quem você é

“Nós valorizamos um time diverso de verdade — não só na foto. No time, temos pessoas com diferentes orientações políticas e religiosas, além de históricos econômicos e formações distintas. Recentemente, contratamos a primeira profissional trans da companhia.”

B. Construa relacionamentos

“As motivações e os contextos das pessoas que estão nas organizações contam muito para nós. Somos preocupados um com o outro, tanto aqui dentro, quanto na relação com parceiros, clientes e mentores. Sempre olhamos as pessoas e não as empresas, mesmo sendo um negócio B2B.”

C. Questione tudo e provoque mudanças

“Não aceitamos as coisas só porque estão escritas. Tudo pode ser desafiado e questionado. O status quo existe para ser colocado à prova e, nesse contexto, toda a equipe é sempre incentivada a abraçar novos projetos, assumir responsabilidades e fazer o que é melhor para o negócio. Autonomia é o motor da inovação.”

D. Seja leve e direto

“Mesmo trabalhando em um mercado formal, nós somos brincalhões e informais dentro de casa. Nos preocupamos muito com o fluxo de informações interno porque podemos evoluir mais rápido sem as barreiras de comunicação.”

3. Contar com profissionais seniores para escalar

“Esse ano tivemos nossa primeira contratação de um VP, o Thiago Bonini, responsável pela estratégia da companhia. Agora, estamos em busca de pessoas para o time de Finanças, Vendas e Customer Success com experiência anterior para lidar com grandes organizações.”

4. Manter o radar ligado 24 horas

“Nunca acreditei em dois chapéus. Sempre defendi que podemos nos divertir trabalhando e trabalhar nos divertindo. Por isso, mantenho o radar ligado para ter insights nas pequenas coisas da vida. Na conversa que tenho com um amigo médico, começo a pensar sobre relacionamentos humanos. Na vivência de ambientes compartilhados — como nos espaços de coworking que já trabalhamos — e conversas com mentores, tento absorver o que escuto, filtrando o que faz mais sentido para nós.”

História da Linte

Foi esse radar de Gabriel que o levou a conhecer a Endeavor, depois de uma conversa com Ernesto Villela, Empreendedor Endeavor desde 2010. A conexão com a causa e o momento de crescimento da Linte o levaram a ser acelerado esse ano pelo CPFL Inova, programa de inovação aberta para empresas com alto potencial de crescimento, criado pelo Grupo CPFL Energia em parceria com a Endeavor.

Das conexões realizadas pelo programa, surgiu uma oportunidade: implementar o produto na organização, integrando as rotinas da área de compras e do departamento jurídico, aumentando a eficiência e agilidade nos contratos com novos fornecedores. Um bom exemplo de como o sonho grande de uma scale-up pode unir forças com as necessidades mais urgentes de uma grande corporação para criarmos organizações mais ágeis, eficientes e inovadoras.