Médico e empreendedor: como Vander Corteze criou a maior empresa de saúde domiciliar do Brasil

Endeavor Brasil
Endeavor Brasil

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 30 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Em 2004 a Endeavor colocou a palavra empreendedorismo no dicionário. Mas esse conceito ainda não é comum para muitos setores, e a saúde é um deles. Quando um médico se forma, inúmeras opções de carreira são consideradas, menos empreender. Essa foi a diferença na carreira do Vander que, ainda na faculdade, resolveu ser médico empreendedor. Hoje, está à frente da Beep Saúde, a empresa líder em saúde domiciliar do Brasil. 

Joseph Campbell, autor do livro O Herói de Mil Faces, acredita que o herói, em sua jornada mítica, enfrenta os desafios de forma especial, ele está apaixonadamente comprometido com o transcurso de alguma ação.

O percurso da jornada do herói é representado em três rituais de passagem: 

O herói, vindo do mundo comum, passa por aventuras sobrenaturais; ali encontra fabulosas forças e obtém uma vitória decisiva; então retorna para casa com benefícios para o mundo em que vive.

Empreender é uma jornada heróica: os empreendedores e empreendedoras, em algum momento de suas vidas, ouvem o chamado e partem para a aventura de criar negócios que mudam o mundo. O chamado é o momento que muda tudo. É a hora de alargar os limites do impossível. 


Jornada do herói, parte 1: mundo comum

Vander Corteze sempre foi envolvido com saúde – seu pai é cirurgião cardíaco, sua irmã é dermatologista, sua esposa também é médica, assim como seus melhores amigos. Como era de se esperar, foi cursar Medicina na UFRJ.

Porém, antes mesmo de ouvir o chamado do empreendedorismo, já seguia o princípio heróico de questionar o que não estava tão bom e propor novas soluções para melhorar a sua vida e das pessoas. 

Eu sempre olhei o mundo e pensei que dava para fazer melhor. Eu sempre fui uma pessoa crítica, só que eu tinha uma atitude protagonista diante dos problemas. Se eu só reclamasse, seria uma pessoa azeda. Mas, eu ia lá e propunha uma solução para fazer diferente.” 

Exemplo disso aconteceu em 2004, quando ele cursava Medicina na UFRJ e começou a organizar festas em Niterói. Foi um sucesso: as pessoas se divertiam e ele lucrava – o que era inédito para um estudante de Medicina.

Foi nesse momento que conheceu o empreendedorismo. Palavra completamente nova para um estudante de Medicina de 20 e poucos anos. 

Jornada do herói, parte 2: a partida 

O chamado para o empreendedorismo não surgiu de uma hora para outra: foram uma série de cliques, como um tique-taque de um relógio. 

Depois de vivenciar o sucesso de suas festas, Vander se interessou pelo universo do tal empreendedorismo e mergulhou em bibliografias como: Pai Rico, Pai Pobre, O Segredo de Luiza, Paixão de Empreender.

Eu fazia faculdade de Medicina com livros de gestão no bolso.”  

O acaso das festas, a vontade de estudar e os aprendizados dos livros de gestão fizeram com que Vander, ao final da faculdade, rompesse com o caminho tradicional de um médico para se especializar em empreendedorismo. 

Quando estamos quase terminando a faculdade de Medicina, as pessoas começam a perguntar para qual especialidade você vai. Ortopedia, dermatologia, cardiologia? Ninguém pergunta se você quer empreender nesta área.

Antes de terminar a faculdade, com 23 anos, foi até o IBMEC para se especializar em empreendedorismo. “Cheguei lá, sem ter me formado e eles não queriam deixar que eu me matriculasse. Eu brinco que o IBMEC foi a minha primeira venda. Falei: estou há cinco anos na faculdade de Medicina e aqui vai durar uns dois anos. Você não precisa me dar o diploma se eu não tiver me formado.” 

No curso Gestão de Negócios, tinha aulas com administradores, empresários e empreendedores. Foi lá que Vander encontrou sua tribo. 

Paralelamente, depois de se formar, teve sua única vivência como médico no Corpo de Bombeiros. Nessa experiência militar, a disciplina aflorou muito forte em Vander. 

Eu morava em Niterói e minha base ficava em Guadalupe, quase 2 horas de distância. Eu tinha que estar 6h30 no quartel, fardado. Cada minuto atrasado, eram 10 flexões. 10 minutos de atraso eram 100 flexões. Eu passei a dar valor para a disciplina aos 24, 26 anos. E acredito que foi um dos valores mais importantes para a minha jornada.” 

Depois disso, Vander mergulhou de vez no empreendedorismo. Juntou as economias dos tempos de festas, criou um plano de negócio com seu melhor amigo, Davi, e, assim, nascia a BR MED. Começava, ali, em 2008, a aventura no novo mundo.

O herói só avança em sua jornada com ajuda de aliados. No caso de Vander, ele sempre esteve acompanhado do seu senso crítico, dos aprendizados dos livros e, no final de 2008, de Davi, seu melhor amigo e sócio. 

Juntos, fundaram o Grupo BR MED, um negócio B2B de saúde ocupacional. Hoje, é uma das principais redes de clínicas de medicina do trabalho com 12 unidades em 3 estados brasileiros e mais de 1 milhão de exames feitos todo ano.

“Me vi médico, com experiência na gestão de negócios e na área B2B. Criamos isso em uma época que a gente não sabia o que era venture capital e fundraising. Foi um grande aprendizado fazer de forma enxuta e com tecnologia proprietária. Lidar com isso foi uma escola. A gente era empreendedor raiz, não tinha SCRUM ou metodologias ágeis.” 

O sucesso da BR MED também aconteceu por causa da cultura da empresa. Cultura, essa, herdada dos tempos militares, em que os jargões “faca na caveira” e, “missão dada é missão cumprida” estavam em alta. Vander levou esses aprendizados para o universo do empreendedorismo e sua operação era totalmente enxuta, resolvendo os problemas de forma simples e sem firula.  

Se você entra na minha sala, vai ver um monte de caveira. Levei esses valores para todos os empreendimentos que eu criei.” 

A virada de 2015 para 2016 foi um marco na vida de Vander: Uber, WhatsApp, Waze, Netflix e Spotify estavam bombando. Ninguém conseguia mais viver sem esses aplicativos no celular. Foi quando ele se perguntou:

— E saúde? Ninguém tem nada no celular relacionado à saúde.

Nesse momento, o empreendedor viu que algo precisava ser feito. E partiu para um dos momentos mais importantes da sua trajetória: a criação da Beep Saúde

Jornada do herói, parte 3: a iniciação

A Beep Saúde foi criada a partir do sonho grande de ser a plataforma de saúde no celular das pessoas. A empresa nasceu da proposta de ser um house call. De um lado, um médico. De outro lado, pessoas precisando de atendimento em casa. 

No fim das contas, conseguimos dois mil médicos inscritos, mas a demanda estava baixa, uma vez que as pessoas queriam usar o plano de saúde e não solicitavam consulta pelo nosso aplicativo. Durante um ano, o negócio não tracionou. Depois de 18 meses tentando e ouvindo clientes, resolvemos testar a vacina em casa.

No segundo semestre de 2017, a Beep Saúde chegou ao modelo que a fez crescer: serviços de saúde em casa, começando pela vacinação. Em três anos, se tornou a empresa líder em vacina no Brasil, indo de um faturamento de R$ 4 milhões em 2018 para R$60 milhões em 2020.

Com o propósito de levar as melhores experiências em serviço de saúde para as pessoas, a missão diária da Beep Saúde é encantar os seus clientes com tecnologia e carinho humano.

“Nosso NPS, historicamente, é acima de 95. Não criamos base de clientes, criamos fãs. Em todo touchpoint que temos com clientes, buscamos encantá-los. Somos detail-oriented, temos um conjunto de centenas de pequenos detalhes que são militarmente executados. Somos high tech e high touch.”

Todas as suas experiências anteriores o levaram até esse momento. Porém, como acontece com todos os heróis, ele passou por eventos de near death experience, os mini segundos em que o empreendedor pensa em desistir. 

Nesses momentos, recupera o fôlego lembrando de todos os aprendizados dos livros que leu e continua a sua jornada. 

Vander passou a receitar livros ao invés de medicações. Desafio de cultura? Delivering Happiness. Desafio de empreendedorismo? The hard things about hard things.

A melhor definição de empreendedor, para mim, são duas frases, uma de Steve Jobs e outra de Sócrates – ‘Stay hungry. Stay foolish’ e ‘Só sei que nada sei’. Como empreendedor, eu evoluí partindo do princípio de que sei muito pouco. Eu sempre aprendi o que tinha que aprender.

Jornada do herói, parte 4: o retorno

Empreendedores são heróis que realizam seu propósito em potência máxima todos os dias. É por isso que Vander trabalha para ser a plataforma de saúde na mão das pessoas.

Em 2020, a realização do sonho acelerou. Foi o ano em que ele e as mais de 300 pessoas em seu time provaram para o mundo a importância das healthtechs e da inovação na área da saúde. Também foi o ano que teve seu crescimento acelerado e sustentado pela rede Endeavor. No primeiro semestre, Vander e seus sócios participaram do Scale-up Endeavor no Rio de Janeiro. 

Em 2016 eu participei do Scale-up Endeavor com a BR MED e voltei em 2020 com a Beep Saúde. No processo de diagnóstico, os gestores de aceleração acertaram muito no nosso objetivo de curto prazo: crescer para todo o Brasil com a mesma qualidade. O nosso mentor foi o Pierre Berenstein, da Bloomin’, e não poderia ter sido melhor. A Endeavor me apresentou às pessoas mais importantes para a minha empresa.

Já no segundo semestre, tornou-se Empreendedor Endeavor, aprovado no 99º Painel de Seleção Internacional, 100% online. Agora, Vander – e a Beep Saúde – conta com a maior rede de apoio a empreendedores do país para ajudá-lo a ampliar, ainda mais, o seu impacto como  líder à frente de uma das maiores healthtechs do Brasil. 

Quando falam para mim: ‘você é a cara da Endeavor’, eu sinto que encontrei meu lugar no mundo.”

Vander leva o giveback à sério: ajudou a fundar e é Conselheiro de outras empresas e apoia ligas universitárias e Movimento Empresa Júnior. Além disso, acredita que, como Empreendedor Endeavor, consegue amplificar a sua voz. Para ele, falta empreendedor de saúde no Brasil. Por isso, quer ir nas faculdades para lembrar aos estudantes que eles podem ser médicos empreendedores e transformar o setor de saúde, que ainda é muito ineficiente. 

Eu quero dar ferramentas de empreendedorismo para muito mais jovens médicos. Precisamos de mais empreendedores médicos. Como um dos poucos médicos Empreendedores Endeavor e, como giveback, eu quero colocar a palavra empreendedorismo no vocabulário médico. Quero melhorar o sistema de saúde do Brasil de forma indireta, sendo exemplo para novos empreendedores e empreendedoras.

Heróis surgem sob todas as formas e dimensões, solucionando problemas para melhorar a vida das outras pessoas. Vander Corteze é a prova que homens e mulheres podem estar envoltos na essência heróica que rege o mundo, criando negócios de impacto e sendo exemplos para a próxima geração.


Conheça o Programa Scale-up Endeavor e faça parte da rede dos empreendedores e empreendedoras que mais crescem no mundo e são grandes exemplos para o país.

Saiba mais