Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Por que Guilherme Leal acredita que a sustentabilidade é o futuro?

LoadingFavorito

A sustentabilidade está em pauta. Saiba o que Guilherme Leal, co-fundador da Natura, acha sobre isso e como ele está tornando a Natura cada vez mais competitiva e sustentável

Guilherme Leal é um dos nomes mais importantes do universo empresarial. Não é à toa. Além de ser co-fundador de uma das empresas mais admiradas e conhecidas internacionalmente, a Natura, ele também é uma das principais vozes do cenário da sustentabilidade e da defesa de lucro associado à responsabilidade social.

Guilherme Leal também é membro do BTeam e participou da criação e promoção de empresas e organizações sociais, tais como: Fundação Abrinq, Instituto Ethos e Instituto Akatu. Além disso, faz parte da diretoria do Fundo Brasileiro de Biodiversidade (Funbio) e da WWF Brasil. É muita coisa mesmo.

Além de gestor, propagador e apoiador dos princípios da sustentabilidade, ele também trilha uma carreira na política. Filiado ao Partido Verde desde setembro de 2009, teve sua primeira experiência nas urnas em 2010, quando foi vice da então candidata do PV à Presidência, Marina Silva.

Qual é o papel das empresas no mundo de hoje?

Em sua última coluna no Brasil Post, “A redefinição de sucesso nos negócios”, Guilherme Leal aborda o tema e faz um chamado aos empreendedores brasileiros. Para ele, é imprescindível que as empresas comecem a mudar suas métricas de sucesso. “Avaliar o sucesso de um negócio apenas pelas perdas e ganhos financeiros definitivamente não é suficiente e nos desvia do caminho para a construção de um mundo melhor para todos”.

“Eu, assim como meus colegas do BTeam, acredito que as empresas devem mirar muito além do resultado financeiro. Mais importante do que gerar lucro é a maneira como o geramos.

Para o empresário, estamos diante da maior ameaça ambiental já enfrentada pela humanidade, o que trará para a humanidade grandes desafios impostos pela mudança climática, o uso insustentável dos recursos naturais, a escassez hídrica e perda da biodiversidade, das florestas e das terras cultiváveis. “Tudo isso em meio a uma imensa desigualdade que ainda prevalece em diversas regiões do planeta”, ele acrescenta. E os resultados podem ser destastrosos.

Ao mesmo tempo em que Guilherme Leal, no texto, responsabiliza o setor empresarial pela crise vivida, por assumir sua parcela de responsabilidade e focar apenas nos ganhos de curto prazo. Ele também aponta os negócios como “a instituição mais bem posicionada no mundo para liderar a transformação de que necessitamos, por sua ampla presença na vida das pessoas e sua capacidade de dar o exemplo”. Ele pode ter razão – para se ter uma ideia, hoje, há quase sete bilhões de pessoas no planeta interagindo com empresas, consumindo seus produtos ou ajudando a produzi-los.

Mas, como você pode colocar sua empresa em favor dessa transformação social?

Há diferentes maneiras. Para começar, adotar critérios de qualidade em todas as etapas do processo produtivo da sua empresa é fundamental. Certificados como o ISO 9000 te ajudam alcançar esses critérios. O ISO 9000 é composto por um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade.

Outra dica é investir em sua logística reversa. A área que planeja, opera, controla o fluxo e as informações logísticas referentes ao retorno dos bens produzidos após sua venda, uma de suas aplicações é controlar políticas de devolução e troca de produtos, por exemplo. Com a lei dos resíduos sólidos, as empresas passaram a ser legalmente responsáveis pelo descarte de seus produtos. Por exemplo: fabricantes de refrigerante são responsáveis pelas suas latinhas mesmo depois que elas forem jogadas no lixo.

Para o empreendedor que sentir o chamado, o empreendedorismo social também é um caminho a ser perseguido. Pode-se dizer que o empreendedor que opta por esse caminho, monta um negócio em que a responsabilidade social está no core do negócio. Como assim? Isso mesmo. São negócios lucrativos que resolvem problemas sociais por meio da venda de produtos ou serviços. Além de uma solução, o empreendedorismo social também é uma tendência e realidade no Brasil e no mundo.

Todos somos responsáveis

Mas, claro, os empreendedores são apenas uma força, e sozinhos podem transformar, mas juntos com governos e cidadãos poderão tranformar ainda mais. “Precisamos de uma sociedade civil ativa e mobilizada, usando seu poder de compra e influência para exigir produtos e práticas sustentáveis. É essencial também ter governos verdadeiramente comprometidos com o futuro, criando condições fiscais e regulatórias para que as políticas sustentáveis prosperem”.

Sistema B: já ouviu falar sobre isso?

Um novo movimento ganha cada vez mais adesão entre os empreendedores brasileiros. são as BCorps, ou Empresas B. Trata-se de um movimento global que, assim como o BTeam, está assumindo responsabilidades e encorajando companhias a integrar suas metas financeiras, sociais e ambientais. Recentemente, a Natura tornou-se a primeira B Corp de capital aberto na América Latina e a maior do mundo em vendas e número de funcionários.

“Essa certificação tem grande significado para uma companhia madura como a nossa, com 1,5 milhão de consultoras e mais de 100 milhões de consumidores em todo mundo. Além de reforçar nossos valores e crenças, indica que estamos no caminho certo para ajudar a construir uma sociedade mais justa e sustentável e nos estimula a aprimorar ainda mais nossas políticas e práticas”, destacou Leal em sua coluna.

É hora de olhar além

Guilherme Leal traz a responsabilidade social e a sustentabilidade para o centro do debate dos rumos da gestão empresarial. “É hora de assumirmos essa responsabilidade, reconhecendo nossas falhas graves e imperfeições e promovendo mudanças (radicais, se necessário) nas empresas para que funcionem dentro dos limites da sociedade e do planeta. Para isso, podemos certamente aproveitar as forças positivas dos negócios para encontrar soluções para as enormes carências sociais e ambientais. Mas, se ainda quisermos criar um mundo mais sustentável e igualitário para todos, precisamos agir de forma rápida e ousada”.

E aí, o que você acha disso?

Leia mais:

Responsabilidade social: e se ela for o seu core?
Empreendedorismo social: lucro e transformação social numa coisa só
Nizan Guanaes: “enquanto eles choram, eu vendo lenços”

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: