Cultura de Integridade Resiliente: o que é e como implementar

Renato Santos
Renato Santos

Sócio na S2 Consultoria.

Sabemos que todos os negócios tem objetivos para serem alcançados no médio e longo prazo. Mas, precisamos buscar resultados respeitando os valores éticos da organização – isso é  Integridade Resiliente. 

Para discutir como desenvolver uma Cultura de Integridade Resiliente na prática, convidamos Francisco Ferreira, sócio da Biz Capital, scale-up da rede Endeavor, para compartilhar sua experiência.

Na prática, o que uma cultura ética influencia nos resultados?

Francisco Ferreira: “Tem uma influência enorme. Acho que muitas empresas brasileiras não percebem a quantidade de oportunidades que são desperdiçadas por ausência de uma cultura ética. Só é possível captar investimentos e ter sócios institucionais quando existe uma boa governança e um respeito às regras. Quando a gente apresenta a empresa para investidores profissionais, acho que isso fica muito evidente. Facilita o processo decisório. 

Nós captamos uma rodada em plena pandemia. O retorno que recebemos durante o processo de diligência foi de que nunca tinham trabalhado com um time tão sério e competente na América Latina. Para uma empresa como a Biz, isso é um motivo de orgulho. Procuramos fazer tudo da maneira correta, seguindo leis e regulação. E o resultado aparece aos poucos, quando recebemos esse tipo de reconhecimento.”

Qual a importância de contratar profissionais com integridade resiliente?

Francisco Ferreira: Para uma empresa como a BizCapital, é algo fundamental. Nós lidamos com grandes volumes de dinheiro. É uma responsabilidade enorme perante os nossos investidores. Muitos deles são instituições internacionais que esperam total transparência e lisura em tudo o que fazemos. Só é possível atender a essa expectativa quando se contrata profissionais com valores alinhados aos da empresa. São pessoas que trabalham duro, mas que seguem as regras e querem ganhar o jogo da maneira certa.”

Como foi a experiência de incluir Teste de Integridade no processo seletivo?

Francisco Ferreira: “Foi muito positivo por dois aspectos. Primeiro, acho que o teste nos trouxe uma maneira objetiva de avaliar os candidatos. Passamos a ter um mecanismo provado de verificação da integridade das pessoas. O fato de ser aplicado por uma consultoria especializada ainda traz mais legitimidade. Em segundo lugar, o teste melhorou a percepção dos candidatos sobre a empresa. Ao fazer um teste de integridade ao longo do processo seletivo, já deixamos claro para todos que este assunto é levado a sério por todos.

O discurso da ética é muito presente nas empresas. Quase todas a colocam como um dos valores. Ao incorporar o teste no processo seletivo, acho que a gente mostra para aquelas pessoas que estão entrando que praticamos isso todos os dias. Não é só blá blá blá. É algo real.”

Benefícios de uma Cultura de Integridade Resiliente

Hoje, os clientes e os investidores estão cada vez mais exigentes. Eles não criam parcerias com empresas que têm posturas divergentes aos seus valores. Uma Cultura de Integridade Resiliente mostra para o mercado com quais valores ela está compromissada. Sendo assim, é importantíssimo para a reputação da sua marca.

Uma Cultura de Integridade Resiliente orienta os colaboradores de quais ações são esperadas por eles no seu dia a dia. Além disso, apresenta quais são os canais disponíveis para denúncias e como o processo de apuração do compliance é desenvolvido. Isso contribui para que os seus colaboradores também confiem mais na integridade do seu negócio.

Uma Cultura de Integridade Resiliente vem para definir aos colaboradores padrões éticos na execução de processos. Saiba mais aqui.

A Integridade Resiliente define as boas condutas para o desenvolvimento das relações profissionais dentro e fora do negócio. Isso contribui para que as pessoas se sintam mais felizes no ambiente de trabalho.

Os primeiros passos para implementar uma Cultura De Integridade Resiliente

Para implementar uma Cultura de Integridade Resiliente é preciso que você coloque em prática algumas ações essenciais. Lembre-se de que é de extrema importância para o desenvolvimento sustentável do seu negócio. Por isso, leia com atenção as nossas orientações abaixo:

O comitê de ética é formado e composto por profissionais de compliance, mas também deve ter membros pertencentes a outros departamentos e de diferentes níveis hierárquicos. Geralmente, o CEO da empresa também participa do comitê, afinal, ele é a pessoa mais interessada em garantir o desenvolvimento do negócio pelos meios certos.

Buscar conhecer cases de sucesso e entender melhor as dores internas dos seus colaboradores é essencial para desenvolver uma Cultura de Integridade Resiliente. 

As informações coletadas devem ser divulgadas para os profissionais do comitê. Quando não forem referentes a dados sigilosos de apurações, o conteúdo pode ser compartilhado também com os seus colaboradores. Eles precisam ver que o seu compliance e o código de ética empresarial funcionam de verdade.

Como os seus colaboradores vão denunciar ações divergentes do que está definido no código de ética? Implemente canais de denúncia que transmitam segurança para eles. Garanta uma política de não retaliação e que a identidade do denunciante esteja protegida.

Coloque em prática pesquisas para mensurar o grau de confiabilidade. 

Um dos principais equívocos de um setor de compliance é deixar todo o processo acontecer internamente. Uma dica de ouro é que o seu negócio possa contar com uma empresa especializada. A sua organização transmite ainda mais credibilidade para os seus colaboradores e também para o mercado.

Para que os seus colaboradores sigam as definições do código de ética é preciso alinhamento contínuo. Ele é parte primordial da cultura da sua organização e, por isso, precisa ser reforçado sempre que possível. Além disso, é importante dizer que ele não é estático: à medida que a empresa for amadurecendo, ele pode sofrer modificações e isso é natural.

Teste de Integridade avalia o nível de resiliência dos participantes para apoiar na tomada de decisão em uma seleção, bem como para desenvolver a resiliência de seus colaboradores quando expostos em dilemas éticos. Posso ter um profissional muito bom tecnicamente e não alinhado com os valores éticos da organização, o que pode trazer grandes impactos negativos para a empresa, como a possibilidade de este profissional cometer uma fraude ou assédio. E a opção da organização pode ser contratar uma pessoa alinhada eticamente com seus valores, mas que terá que investir em suas habilidades técnicas. Essa será uma contratação sustentável eticamente.

O PIR – Potencial de Integridade Resiliente, é um teste de integridade online, com validação científica e valor preditivo de 82%, desenvolvido pela S2 Consultoria. O teste tem como objetivo apresentar os ativadores comportamentais dos profissionais quando são expostos a dilemas éticos, evidenciados no dia a dia no ambiente de trabalho. O seu propósito como ferramenta de gestão, é auxiliar as organizações em predizer o comportamento dos profissionais para dilemas éticos, propondo ações de desenvolvimento para o aumento do nível de resiliência.

Com as nossas orientações, esperamos que você consiga consolidar uma Cultura de Integridade Resiliente no seu negócio com mais agilidade e precisão. Não se esqueça de mensurar os impactos da sua aplicação no desempenho do negócio. É interessante ter esses dados para que os tomadores de decisão consigam visualizar o que o mercado espera da sua empresa.


Conheça o Programa Scale-up Endeavor e faça parte da rede dos empreendedores e empreendedoras que mais crescem no mundo e são grandes exemplos para o país.

Saiba mais