Ainda sobre a crise – e 6 formas de lidar com ela

Daniel Castello
Daniel Castello

Consultor e Palestrante nas áreas de Estratégia, Inovação e Liderança. Começou sua carreira na área de TI, fundando, em 1989, a startup Iris do Brasil, vendida em 1997 para a ADP Systems. Foi Diretor da Gestech Consultoria Empresarial, Diretor Corporativo de RH da Gazeta Mercantil, Diretor de Tecnologia da ADP Brasil e Vice-Presidente Executivo da ABRH Nacional. Como consultor, liderou dezenas de projetos de transformação, no Brasil e no exterior, em empresas como Abbott, Syngenta, Baxter, Compass Group, Grupo Campari, Grupo Santander, Banco Mercedes-Benz, Unicred, Mapfre Seguros, AON e Grupo Telefónica. É membro do Comitê de Criação do CONARH. Daniel é mentor Endeavor desde 2009.

Há diversas faces para a crise. Saiba como encarar cada uma delas.

O que significa crise? Crise, por definição, é um momento crítico em que se apresenta uma situação difícil, perigosa, que exige uma decisão para nos proteger dela (e que, em caso de insucesso, pode prejudicar gravemente nossos objetivos). É uma definição complexa, que merece ser melhor explorada:

1. Crise é causada por algo. Logo, ela pode ser prevista.

Na imensa maioria das vezes, uma crise pode ser prevista. Um bom empreendedor tem que ser antenado. Tem que ficar ligado no que está acontecendo e perceber o humor das pessoas à sua volta, em especial de seus clientes, para tomar decisões de negócio baseadas nestas percepções.

Um bom empreendedor se alimenta de múltiplas fontes de informação e discute suas impressões com outras pessoas. Um bom empreendedor está aberto para o mundo e aprende todos os dias. Mais que isso, permite que o conhecimento novo mude sua forma de agir no mundo.

2. Crise é uma situação. Logo, ela tem começo, meio e fim.

Toda crise tem um ciclo. Tem hora de reduzir, tem hora de investir. Tem hora de enfrentar, tem hora de correr. Quase sempre, quem percebe estes momentos antes dos outros leva vantagem.

3. Crise é difícil e perigosa. Logo, não dá para não fazer nada.

Um dos maiores erros que um empreendedor pode cometer em uma crise é, arrogantemente, achar que “nada mudou” e que a crise não tem impacto sobre o seu negócio. Provavelmente tem. E é importante entender qual é.

Muitas vezes o impacto não é direto, mas vem pela cadeia. É como dirigir na estrada – você tem que estar atento com o que está acontecendo vários carros adiante, se você quer realmente estar seguro. Se você ficar apenas olhando para o para-choque do carro na sua frente, pode ficar muito tarde para reagir…

4. Crise permite uma decisão para sair dela. Logo, tem saída.

Em toda crise há uma decisão que pode ser tomada. Se não há uma decisão, não é crise, é uma tragédia. Não estamos falando de tragédias. Para tragédias, existem seguros – e algum dinheiro embaixo do colchão.

5. Cada um vive a crise de forma diferente. Logo, a saída é diferente.

A forma como a crise afeta cada um é muito diferente. A minha crise é diferente da sua. Logo, elas podem começar e terminar em momentos diferentes, ser perigosas de formas diferentes e o que temos que fazer para sair dela pode ser MUITO diferente.

Um dos maiores erros que um empreendedor pode cometer em um momento de crise é “andar com a manada”.

6. Crise requer competências de crise.

Para ter sucesso na crise e passar por ela de forma saudável, temos que ter algumas competências específicas:

Só tem uma coisa que não funciona de jeito nenhum na crise – continuar fazendo o que você vinha fazendo antes da crise.

Na crise você tem que fazer diferente. Você tem que inovar.

Está esperando o que?

Leia mais:

10 negócios que crescem até na crise (e como eles conseguem)

4 conselhos para crescer durante a crise

Um plano para surfar na onda da crise