facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Entrevista: “O desafio é ser mais competitivo.”

LoadingFavorito

Para o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, inovar em medidas simples pode tornar seu negócio mais forte.

Abrir uma empresa e mantê-la funcionando e, mais ainda, crescendo, é um desafio histórico para o empreendedor brasileiro. Entre as diversas desculpas para não empreender, a burocracia e a carga tributária do país estão entre as mais comuns. Mas esse cenário já não assusta tanto quanto antes, e os empreendedores por oportunidade já representam o dobro daqueles que empreendem por necessidade. Para explicar esta tendência, entrevistamos o presidente nacional do Sebrae, Luiz Barretto. Segundo ele, “o grande desafio do empreendedor brasileiro é se tornar mais competitivo, e o melhor caminho para isso é inovar.”

Endeavor – A partir da experiência de tantos anos de trabalho, qual a percepção do Sebrae sobre o desenvolvimento do empreendedorismo no Brasil nos próximos anos?

Luiz Barretto – O empreendedorismo passa por um momento muito bom no Brasil. A proporção hoje é de dois negócios abertos por oportunidade para cada um aberto por necessidade. A taxa de sobrevivência nos primeiros dois anos de atividade também aumentou, está em 73%. O salário médio pago pelas micro e pequenas empresas aumentou 14,4% na década passada, já descontada a inflação do período, um ritmo três vezes maior do que o aumento de 4,4% registrado nas médias e grandes empresas. Nos próximos anos temos a expectativa que este cenário continue melhorando. Temos um ambiente legal favorável, o mercado interno brasileiro é muito forte e ainda teremos a realização de grandes eventos esportivos, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. Estes dois eventos trarão grandes oportunidades de negócios e a possibilidade de deixar um grande legado de desenvolvimento para as micro e pequenas empresas.

 E- Como lidar com as dificuldades burocráticas na hora de abrir legalmente uma empresa? 

LB – Uma maneira é procurar o Sebrae que pode prestar todo o auxílio para quem pretende abrir um negócio. O Sebrae, aliás, tem sido parceiro do governo federal no trabalho pela desburocratização para abertura de novas empresas. E nos últimos anos já tivemos muitos avanços. Um grande exemplo é o Portal do Empreendedor, onde os empreendedores individuais podem se formalizar de maneira simples e rápida. Todo o processo leva apenas alguns minutos e já possibilitou mais de 1,8 milhão de inscrições. No próximo ano o objetivo é ampliar os benefícios para que cheguem até as micro e pequenas empresas.

E – Quais são os principais gargalos para que empresas brasileiras não morram tão cedo?

LB – As micro e pequenas empresas brasileiras estão melhorando muito a taxa de sobrevivência, que atualmente está em 73% nos primeiros dois anos de atividade, valores semelhantes a de países europeus. O grande desafio hoje é se tornar mais competitivo para enfrentar a concorrência, que é cada vez maior, inclusive com produtos e serviços vindos de fora do país. E o melhor caminho para aumentar a competitividade é inovar. Não se trata apenas de investir em novas tecnologias, muitas vezes uma mudança de processos reduz custos e gera eficiência, uma medida simples pode representar grande inovação.

 E – Como o Sebrae está contribuindo para diminuir estes gargalos?

LB – O Sebrae tem programas voltados para aumentar a competitividade das micro e pequenas empresas e também para mostrar o caminho para a inovação. Muitas vezes os empresários de pequeno porte vêem a inovação como algo distante e que necessita de grandes investimentos, mas não é bem assim. Uma pequena mudança em processos internos, como controle de estoque, por exemplo, pode resultar em ganho de competitividade. O Sebrae irá investir nos próximos anos cerca de R$ 800 milhões em projetos de inovação, além de ampliarmos a atuação dos nossos Agentes Locais de Inovação (ALI). Esses agentes acompanham empresas durante dois anos, fazendo visitas para realizar diagnósticos e sugerindo ações de inovação, gratuitamente. No próximo ano devemos chegar a 1 mil ALI atuando em no País.

 E – Quais são os principais erros dos empreendedores em estágio inicial? Como evitá-los?

LB – Planejamento é palavra chave para abrir qualquer negócio e é um dos erros mais comuns cometidos. O Sebrae orienta que  qualquer candidato a empreendedor siga alguns passos para abrir seu negócios: identificar a oportunidade de negócio, realizar estudos de viabilidade, procurar por capacitação empresarial, respeitar sua capacidade financeira, não misturar as finanças da empresa com finanças pessoais, ficar atento à concorrência, prospectar novos fornecedores, ter controle do estoque, investir em estratégias de marketing, inovar e ser fiel aos seus valores e do seu negócio.

Por Felipe Fabris

Foto:

 

 

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: