facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Empreendedor é quem Curte Novas Soluções

LoadingFavorito

Inovação, estratégia e gestão de qualidade fizeram de Bento Koike um dos maiores empreendedores brasileiros. Saiba como ele transformou uma pequena manufatura em uma das maiores fabricantes de pás eólicas do planeta.

Endeavor BrasilEm 1995, Bento Koike foi responsável pelo nascimento da Tecsis. Em 2012, a empresa do paranaense de Curitiba é referência em mais de dez países, utilizando de nada menos do que 10% da oferta de fibra de carbono do mundo todo. Responsável por tecnologias e sistemas de energia eólica, a segunda maior fabricante de pás para geradores do planeta tem inovação em seu DNA e ainda muito a crescer, principalmente no Brasil.

Sustentabilidade e energia limpa foram as grandes turbinas da Tecsis. Koike, por sua vez, é o seu porta voz, um espelho dessa forma engajada de empreender por duas causas: o planeta e as pessoas. Nesta entrevista para o time da Endeavor Brasil, confira as lições de uma trajetória exemplar que está muito longe de terminar.

A energia eólica ainda não era muito conhecida no Brasil quando a Tecsis começou. Como foi o início?

“No começo, cada passo que íamos dar era uma questão de sobrevivência – e não tem nada mais motivador do que trabalhar assim. Não tinha ninguém fazendo o que fazíamos, tivemos que criar do zero. Não tinha nem como copiar ninguém, não dava nem pra olhar do lado. Ou fazíamos o que tínhamos que fazer ou estávamos mortos. Mas sabíamos que íamos exportar muito quando o negócio começasse a dar certo.”

Após a faculdade, você caiu no dilema se empreendia ou não? O que te impulsionou?

“Eu nunca me deparei com essa dúvida ‘se vou empreender ou não’. Acho que veio do meu pai, que tinha uma empresa. Eu fiquei muito tempo trabalhando com ele e foi minha primeira escola. Trabalhava com cliente, na produção, comprava coisas. Esse embalo me fez não ter dúvidas: eu queria empreender. Mas isso não é muito comum. Eu, aliás, vejo uma deficiência nas escolas hoje em dia. Acho que as escolas do Brasil deviam estar mais voltadas a estimular o espírito empreendedor.”

O Brasil tem potencial para produzir mais com energia eólica?

“O Brasil tem o melhor vento do mundo, principalmente na região nordeste. Se você pegar uma turbina eólica lá da Alemanha e trouxer para o Ceará ou para a Bahia, vai gerar três vezes mais energia pelo mesmo custo. A energia eólica está crescendo e o Brasil é considerado um dos lugares mais promissores do mundo. Por termos muita hidrelétrica, é possível suprir a produção quando não tiver muito vento, acumulando água, e fazendo um revezamento.”

A Tecsis, hoje, é uma referência no mundo todo. Mas o que você sonhou no início e o que você sonha hoje?

“Não vou dizer que foi algo lindo, do tipo ‘um dia, eu tive uma visão’ ou coisa do gênero. Eu não tinha a menor ideia de onde eu ia parar. A gente chegou hoje onde está pelas oportunidades. Chegamos e fomos avançando. Mas tivemos momentos complicados, vários. Daqui pra frente, meu desafio pessoal é ter as pessoas cada vez mais vibrantes e alinhadas com os objetivos da empresa. Uma empresa bem sucedida tem que ter uma alma e pessoas felizes se desenvolvendo. Tem muita gente por aí que tem um discurso bonito, mas não trabalha nisso efetivamente.”

Você sempre almejou ser um ator relevante para a mudança do panorama mundial de produção de energia?

“Meu trabalho de graduação foi um projeto sobre energia eólica. Pessoalmente, produzir formas limpas foi um drive meu. O desafio é fazer 6 mil pessoas [na Tecsis] ficarem motivadas por uma causa, sentindo que estão fazendo a diferença para o planeta. Estamos longe ainda, mas a palavra que define melhor isso é privilégio. Eu tenho o privilégio de estar nesse setor, criar empregos e estar associado a uma causa dessas. Não tem preço.”

Como é trabalhar com gente de seu país? O que o brasileiro tem de diferente?

“A gente sente o lado positivo de ser uma empresa brasileira – as pessoas. O brasileiro tem coisas muito legais. Fora a criatividade e garra que sempre tivemos em nosso pessoal, uma das coisas mais diferenciais do brasileiro é ser aberto às outras culturas. Percebi como nossas equipes se sentiam bem e como as outras, de outros países, também quando vinham aqui. Por exemplo, uma vez a GE [General Electric] comprou uma empresa alemã e eles não conseguiram trabalhar juntos. Na época, nós éramos a ponte entre eles, porque os americanos e os alemães não se davam bem. Nossa capacidade de buscar soluções fora da caixa e nos adaptarmos é incrível.”

O que é empreender para você?

“Empreender é curtir muito encontrar uma solução para algo que está te importunando. Se essa é uma solução que você bolou, que você não copiou, ela é o grande incentivador do espírito empreendedor. É curtir tanto o que você faz que você é capaz de não dormir, ansioso para ver aquilo que você fez dando certo. E, quando dá certo, você sente algo incomparável.”

Por Vinícius Victorino, da equipe de Cultura Empreendedora, com colaboração do time da Endeavor Brasil.

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: