Sobre o Empreendedor

José Rizzo

O ano era 1987. Inconformado com as constantes paralisações e a falta de recursos nas universidades federais no Brasil, o então estudante José Rizzo decide mudar o rumo. Após um ano trabalhando como instrutor de programação, ele reúne parte dos recursos necessários para retomar seus estudos em uma universidade americana. Em 1992, com apoio da família e muito suor para bancar os altos custos, Rizzo forma-se engenheiro mecânico com especialização em economia pela Iowa State University.

Muito além da formação acadêmica, os quatro anos nos Estados Unidos propiciaram acesso a tecnologias emergentes, visões sobre os rumos da automação e conversas intermináveis com empreendedores. Muitas ideias surgiram e a vontade de iniciar um negócio de impacto se estabeleceu em definitivo.

De volta ao Brasil, Rizzo opta inicialmente por complementar sua formação com uma experiência corporativa e trabalha por quatro anos em uma multinacional na área de refrigeração, passando pelas áreas industriais, desenvolvimento de produtos e vendas. Nas constantes viagens aos Estados Unidos, retoma o contato com um dos colegas de universidade e juntos discutem as opções para criação de um novo negócio. A hora havia chegado!

Em 1996, Rizzo e Hitendra Patel fundam a Pollux Automation com o objetivo de aumentar a competitividade da indústria presente no Brasil. Em um curto espaço de tempo, convencidos do potencial do negócio, mais quatro profissionais da área de tecnologia entram para compor a sociedade e passam a se dedicar integralmente ao projeto.

Inicialmente o negócio gira em torna da aplicação de uma nova tecnologia conhecida como machine vision, que utiliza câmeras digitais e software para realizar inspeções visuais e controle de qualidade de forma automática. Depois de um início difícil, a Pollux experimenta o sucesso com o uso desta tecnologia para atender a uma forte demanda da indústria farmacêutica: inspecionar 100% das embalagens de medicamentos, garantido a correção e a legibilidade de rótulos, datas de validade e demais informações para o consumidor.

O negócio cresce e com apenas cinco anos de operação a Pollux é reconhecida como uma das empresas mais inovadoras do país, recebendo o Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica. No mesmo ano, Rizzo é selecionado pela Endeavor e recebe também o título de Empreendedor do Ano concedido pela Ernst&Young.

Esta fase do negócio é também marcada por dois aportes de capital consecutivos que visavam expandir a atuação na área de automação industrial. A partir de 2007, a companhia passa a desenvolver e implantar projetos completos de linhas de montagem, em especial para o setor automotivo. O uso de robôs industriais nas soluções avança rapidamente. Uma nova divisão é criada para desenvolver soluções de rastreabilidade de produtos e componentes.

Sobre a Empresa

Em vinte anos de atuação, a Pollux já realizou mais de 1.000 projetos para cerca de 300 clientes, tornando seus processos mais rápidos, reduzindo custos de fabricação e elevando a qualidade dos produtos. Tudo realizado pelas mãos (e cérebros) de um time diferenciado de engenheiros, técnicos e programadores em forte parceria com líderes mundiais de tecnologia para automação industrial.

Contando hoje com grande reputação internacional e com a entrada de um novo executivo no quadro societário, a empresa está focada em crescer de forma acelerada um modelo de negócio inovador, que fornece robôs industriais na modalidade de serviço (Robot as a Service) com o objetivo de popularizar esta importante ferramenta de produtividade nas fábricas do país, reduzindo a defasagem histórica em relação aos países mais desenvolvidos.

Totalmente alinhada com o forte movimento de automação da manufatura que ocorre em todo o mundo, a Pollux tem pela frente uma grande avenida para continuar crescendo de forma acelerada e ser protagonista no aumento de competitividade da indústria presente no Brasil e em outros países.

Ano de Fundação
1996
Segmento
Indústria
Ano Apoio Endeavor
2001