Sobre o Empreendedor

Daniel Pires

Era o primeiro dia de aula na faculdade quando os primos, Daniel e Leonardo, se reencontraram na sala de aula. Sem saber, os dois decidiram cursar Engenharia Elétrica na PUC-RJ. Desse reencontro, nasceu uma sociedade. Quando o ecossistema de empreendedorismo ainda engatinhava, sem abundância de fundos de investimentos, aceleradoras, referências globais e conceitos como startup enxuta, os dois decidiram empreender. A tecnologia desenvolvida com o financiamento da FINEP inseriu a Cortex no mercado de inteligência de mercado. Em poucos anos, a consultoria já atendia algumas das maiores empresas do país como a B2W e a Vale.

Mas foi em 2012 que os dois empreendedores decidiram mudar a rota. A consultoria era estável e lucrativa. Mas eles sabiam que ela poderia ser muito maior se o modelo fosse escalável. E toparam o desafio de fazer essa transição de serviço para produto, criando uma empresa de SaaS para o mercado de Marketing e Vendas.

A história de Daniel e Leonardo é o reflexo da evolução do ecossistema de empreendedorismo no Brasil. Se há 20 anos, empreendedorismo nem estava no dicionário, hoje nós vemos empreendedores cada vez mais preparados, com sonhos mais ousados, mentalidade de escala e os olhos no mundo. São empreendedores assim que inspiram as próximas gerações de empreendedores que estão nascendo hoje -- e ressignificam o papel do Brasil no desenvolvimento de tecnologias escaláveis e globais.

Hoje, a Cortex é a maior empresa de Growth Intelligence do país e Daniel é o CRO da scale-up.

Sobre a Empresa

Se hoje os dados são o novo petróleo, em 2002 Big Data era algo tão intangível quanto o gás natural. Mas foi nessa época que Daniel e Leonardo enxergaram a oportunidade de usar tecnologia de leitura de text e data mining para fazer o monitoramento e análise de inteligência de mercado de empresas de telecomunicações, bancos e até e-commerces.

A virada do modelo de negócios aconteceu em 2012, depois de uma visita ao Vale do Silício. O contato com negócios escaláveis, globais e inovadores fez os dois empreendedores abrirem mão da estabilidade do serviço de consultoria que ofereciam para criar um produto de Software as a Service.

De todas as possibilidades, os empreendedores decidiram se especializar em soluções de Inteligência de Dados para Marketing e Vendas. Na prática, o cliente é atraído por um Killer App, ou seja, um dos serviços da plataforma como monitoramento de mídia espontânea, gestão do ROI de mídia paga ou de vendas para o governo. A partir disso, o trabalho de Customer Success é focado em treinar o usuário a explorar a plataforma para descobrir os outros Killer Apps e novas possibilidades de uso, ampliando o up-selling da ferramenta.

A estratégia funcionou tão bem que a scale-up passou a crescer 50% a cada ano, desde 2017, chegando em 70 clientes. Além disso, a receita recorrente mensal cresceu 150% com o foco no up-sell dos serviços da plataforma.

Apesar dos gráficos positivos, para Leonardo, o sonho grande é ainda maior.

"Se você observar a relação entre Lifetime Value e CAC (Custo de Aquisição do Cliente), vai reparar que a média ideal é que o LTV seja três vezes maior que o CAC. O nosso é 11 vezes maior. Esse número é maravilhoso, mas indica também que estamos deixando dinheiro na mesa. Se tivermos mais lenha para investir em Marketing e Vendas, vamos crescer em uma velocidade mais rápida, chegando a dobrar de tamanho todo ano."

Ano de Fundação
2003
Segmento
Tecnologia
Ano Apoio Endeavor
2018

Outros empreendedores nesse negócio: