Bernardo de Pádua

Bernardo de Pádua

Quero Educação https://quero.education/ São José dos Campos - SP

Sobre o Empreendedor

Bernardo de Pádua

Bernardo de Pádua, de 36 anos, é engenheiro formado pelo ITA e cofundador da Quero Educação. Ainda na faculdade, desenvolveu um diretório virtual para ex-alunos: o ITA-Alumni. Nas duas primeiras semanas do projeto, eles já tinham 2.500 cadastros. Um tempo depois, em 2010, já com o nome RedeAlumni, os sócios conseguiram um financiamento de R$120 mil da FINEP -- Financiadora de Estudos e Projetos. Apesar disso, ninguém estava disposto a pagar pela plataforma. Quando Bernardo sentava para conversar com os reitores, todos reagiam do mesmo modo: elogiavam a ideia, mas quando falavam dos custos, a negociação travava. A grande preocupação deles estava na outra ponta: em vez de fidelizar os formados, precisavam captar novos alunos, preenchendo as vagas ociosas dos cursos de graduação.

Para isso, Bernardo lançou um novo produto: o Captavest, um sistema member-get-member, no qual as indicações dos alunos renderiam descontos nas mensalidades. A ideia foi validada com uma universidade parceira, mas faltava pista para o negócio decolar. Sem capital, eles não teriam fôlego para manter a operação por muito tempo. A mãe de Bernardo chegou até a pedir um empréstimo pessoal de R$50 mil pelo INSS. Mas a empresa precisaria de um valor 10 vezes maior.

Em uma rodada liderada por Guilherme Assis, considerado o investidor fundador da companhia, eles conseguiram um aporte de R$500 mil em capital semente. Os investidores-anjo, por sua vez, eram ex-alunos do ITA que apostaram na ideia.

O investimento trouxe fôlego, mas estava longe de ser um respiro de alívio. A empresa vivia com apenas R$15 mil por mês e o ritmo de vendas do Captavest não acompanhava a necessidade de capital. Em busca de alternativas que catalisassem o crescimento da empresa, os sócios criaram outro experimento: montaram uma Landing Page e contrataram um estagiário para fechar parcerias com universidades do Brasil. Aquela seria uma nova porta para captação de alunos, oferecendo descontos e bolsas de estudo nas instituições afiliadas. Em dois meses, eles já tinham 20 parcerias. Três meses depois, eram 30 mil alunos cadastrados. Isso tudo sem o produto existir. O tráfego orgânico da página gerava uma demanda alta com baixo custo de aquisição. Seis meses depois, nascia o protótipo do Quero Bolsa.

Seguir esse cronograma custou a saúde de Bernardo. Eles tinham se comprometido a entregar a primeira versão do Quero Bolsa em janeiro, mas estavam bastante atrasados com o desenvolvimento. Bernardo não dormia há cinco dias para dar conta do projeto. Na noite de Natal, desmoronou. Renata Rebocho, sua noiva e futura sócia, precisou chamar os Bombeiros para arrombar a porta do apartamento e checar seu estado de saúde. A partir dali, Bernardo passou por um processo de depressão, que durou seis meses. Nesse período, a força de Renata foi fundamental.

Os dois casaram-se em setembro de 2012. No final desse mesmo ano, boa parte do time foi desligada, mantendo uma estrutura enxuta de operação. Um dos sócios que não concordava com a nova estratégia vendeu sua participação e o Captavest foi desligado. A partir daquele momento, todos estavam com os dois pés no Quero Bolsa.

Sobre a Empresa

A Quero Educação é uma plataforma de marketing educacional que desenvolve soluções para ajudar escolas a captar e manter seus alunos. O grande diferencial é colocar o aluno como protagonista, valor que se reflete tanto no relacionamento quanto na usabilidade da plataforma. O estudante que entra no Quero Bolsa escolhe a universidade e o curso que deseja com a bolsa de estudos que cabe no seu bolso. Os valores das bolsas são atualizados em tempo real de acordo com a ociosidade de vagas das universidades, em um modelo de precificação semelhante ao das companhias aéreas.

Para se matricular com bolsa, o aluno paga a primeira mensalidade para a Quero Bolsa. Da segunda em diante, o valor vai direto para a universidade. Dessa forma, a receita vem de quem mais se beneficia do produto.

A ponte criada pela Quero já levou milhares de pessoas a acessarem o ensino superior. Já foram mais de 300 mil matriculados em mais de 1.100 instituições pelo país, atendidos por um time de 264 pessoas que enxerga cada matrícula como uma nova oportunidade da educação transformar a jornada de alguém.

Ano de Fundação
2015
Segmento
Tecnologia
Ano Apoio Endeavor
2018

Outros empreendedores nesse negócio: