loft captações loft captações

Como as captações da Loft revolucionam o mercado imobiliário no Brasil

Endeavor Brasil
Endeavor Brasil

A Endeavor é a rede formada pelas empreendedoras e empreendedores à frente das scale-ups que mais crescem no mundo e que são grandes exemplos para o país.

Por atuar em um mercado de capital intensivo, como o de real estate, as captações da Loft foram decisivas para o crescimento do negócio. Conheça a jornada de capital da scale-up e saiba como isso impacta o ecossistema empreendedor brasileiro.

Se, há 15 anos atrás, o capital de risco se concentrava em grandes eixos como Vale do Silício, Londres e Tel Aviv, hoje os novos unicórnios estão nascendo na Colômbia, México e no Brasil. Isso porque uma nova geração de scale-ups tem chamado a atenção dos maiores fundos do mundo, tanto pela qualificação de suas empreendedoras e empreendedores, como pelo potencial de crescimento de suas empresas em mercados pouco atendidos e explorados.

No Brasil, a Loft é um grande exemplo disso. 

Fundada em 2018 pelos Empreendedores Endeavor Florian Hagenbuch, João Vianna e Mate Pencz, a Loft usa a tecnologia e dados para transformar o setor imobiliário. Eles fazem isso listando e vendendo apartamentos através de uma experiência digital e com preços e informações verificados – a Loft é a única empresa da América Latina que aponta o preço de cada imóvel a partir do histórico de transações reais e outras bases de dados externas e internas. Além disso, oferecem também apartamentos exclusivos, que só estão disponíveis na Loft, e facilitam todo o processo de financiamento imobiliário de seus clientes. 

Veja a história da Loft aqui

Esta missão não é nada simples: o setor imobiliário ainda é extremamente ineficiente, intransparente e burocrático. Em toda América Latina, existe uma oportunidade de 6 trilhões de dólares, que ainda é pouco explorada por causa da pulverização, da falta de organização e incentivos alinhados no mercado e da baixa gestão de dados imobiliários. 

Diante desse cenário, Florian, João e Mate levaram o mercado imobiliário para o e-commerce. E provaram para todo o mundo não apenas o quanto o setor precisava ser disruptado, mas também o valor de se construir uma plataforma “full stack“, focada em, de fato, solucionar as dores profundas de seus clientes. Tanto que, em menos de dois anos desde sua fundação, a scale-up passou a ter um valuation maior do que US$ 1 bilhão, foi reconhecida como unicórnio e, neste ano, realizou a maior rodada da Venture Capital no Brasil, de US$ 525 milhões, chegando à marca de cerca de US$ 3 bilhões de valuation, liderada pelo fundo norte-americano D1 Capital. 

Acessar capital de forma estratégica foi fundamental para a Loft crescer exponencialmente, atingir marcos tão importantes para o ecossistema e revolucionar o mercado imobiliário no Brasil.

Conheça a trajetória, os objetivos e resultados das captações da scale-up. 

Series A

Florian, João e Mate são empreendedores em segunda jornada. Eles começaram a Loft internalizando todos os aprendizados das suas empresas anteriores e sabiam que era preciso começar com capital no caixa. 

É fundamental pensar em capital para a sobrevivência da empresa. Por isso, esteja sempre dois anos à frente no futuro da sua empresa na hora de fazer o planejamento estratégico.” — Florian Hagenbuch, Empreendedor Endeavor e CEO da Loft 

Além disso, Florian acredita que a possibilidade de levantar capital está muito relacionada à reputação da empreendedora e empreendedor no ecossistema e sua rede de networking. Dessa forma, uma captação pode ser uma oportunidade de mostrar para o mercado uma imagem positiva – para isso, as rodadas precisam ser saudáveis em termos de governança e diluição para que as rodadas futuras sejam mais fáceis. 

Poucos meses depois da sua fundação, em 2018, sabiam que precisavam de capital para, cada vez mais, expandir o crescimento da empresa que estava apenas começando. Partiram para o Series A de US$ 18 milhões, em uma rodada liderada pela Andreesen Horowitz (A16Z).

Captação é um dos pilares da Loft, seja em equity ou fundos imobiliários. No final das contas, nós somos uma empresa que junta tecnologia, tijolo e capital, e fazemos esse negócio acontecer com uma base muito sólida de pessoas.” — Florian para a Distrito

Além disso, eles acionaram a rede de empreendedores da qual fazem parte e convidaram mais de 20 empreendedores e empreendedoras para entrarem com US$ 1,2 milhões no negócio. 

Series B

No primeiro ano, a Loft cresceu mais de 10x, atingindo a marca de  mais de 1.000 transações. Nesse mercado, crescer é preciso. E para crescer com consistência, é preciso capital. 

Em março de 2019 partiram para o Series B, e realizaram uma rodada de US$ 70 milhões, liderada por Fifth Wall e Andreessen Horowitz. Neste ano, após a captação, a Loft foi avaliada em US$ 370 milhões e mais que quadruplicou o time – indo de 100 para 450 pessoas.

Series C 

Os empreendedores começaram 2020 com planos de expansão audaciosos. Queriam aumentar a densidade de sua oferta de produtos nas praças em que já atuavam – São Paulo e Rio de Janeiro (onde haviam começado recentemente a operar) – além de também ter planos ambiciosos para seu negócio de crédito imobiliário, aumentando a profundidade em que atendiam as dores de seus clientes. 

Para isso, começaram a se movimentar para o Series C que impactaria o ecossistema empreendedor de vez. Foram US$ 175 milhões aportados em uma rodada co-liderada pelos fundos Andreessen Horowitz e Vulcan Capital, que fez da Loft não só o 11º unicórnio brasileiro, como também a scale-up que alcançou esse patamar em menor tempo.

Em menos de dois anos, a Loft já havia atingido o posto de unicórnio. Um recorde!

O tamanho do aporte e do valuation é um reflexo do track record e do crescimento acelerado e rentável da Loft, assim como das projeções e ambições dos empreendedores. 

Series D

Depois da captação que  transformou a Loft em unicórnio, os empreendedores continuaram investindo em transformar de maneira ainda mais profunda o mercado em que atuam e, logo, a experiência de seus clientes. 

Com a pandemia, a Loft trabalhou ainda mais intensamente para oferecer um processo de compra e venda totalmente digital. Hoje, o cliente pode fazer a visita virtual com visão 360º dos apartamentos desejados, assinar documentos, o contrato (CCV) e até mesmo a escritura de forma virtual. Atualmente, 97% dos contratos assinados na plataforma já são feitos por meio digital.

Além disso, os empreendedores também redobraram os esforços em ampliar a oferta de apartamentos por bairro. Como disse Florian, “diferente de outros business, em que a territorialidade é o mais importante, o nome do atual jogo imobiliário é densidade“.

Em paralelo, a Loft continua se preparando para uma expansão geográfica mais agressiva, além de continuar investindo em crescimento e aquisição de tecnologia através de M&As – apenas nos últimos anos, várias empresas como Spry, Decorati, InvestMais e Nomah se juntaram ao grupo.

Para atingir esses objetivos e sustentar o crescimento acelerado da scale-up, Florian, João e Mate realizaram um Series D de US$ 525 milhões, liderado pela D1 Capital Partners. 

Depois desse round, a empresa passou a valer cerca de US$ 3 bilhões e também conquistou mais um marco importante para o ecossistema: realizou a maior rodada da Venture Capital no Brasil, entrando para a lista das 10 empresas mais bem avaliadas do setor imobiliário ao redor do mundo.

Em todas essas captações, a Loft sempre prezou por estabelecer e manter uma governança saudável, que permitiu que os fundadores executassem a estratégia de crescimento. Junto a isso, os empreendedores também priorizaram um cap table saudável, chegando no Series D com o controle do board e ownership de uma parte bastante relevante da companhia. 

Outro grande aprendizado dessa história é saber mapear quais fundos fazem mais sentido para o negócio. É preciso priorizar aqueles que agregam para além do capital investido, se preocupam com a sustentabilidade do negócio e sabem da importância da liderança dos empreendedores na gestão da empresa. 

Hoje, nós temos fundos que se complementam. Temos dois dos maiores fundos soberanos e de pensão, bem como alguns dos maiores fundos de capital privado e de capital aberto do mundo.” — Mate Pencz, Empreendedor Endeavor e co- CEO da Loft 

A trajetória da Loft é apenas um exemplo da nova era do Venture Capital que está surgindo ao redor do mundo e impulsionando o crescimento das scale-ups e da economia global. Já que, quando uma scale-up se torna um unicórnio, se torna símbolo da evolução e da maturidade de sua economia local. É um marco que mostra ao mundo como o ecossistema empreendedor brasileiro é capaz de transformar as realidades do país. 

venture capital para scale-ups