facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

10 negócios que crescem até na crise (e como eles conseguem)

LoadingFavorito
10 negócios que crescem até na crise (e como eles conseguem)

Enquanto uns sofrem com a crise, outros a contornam. Descubra como!

A economia brasileira não anda bem. O desemprego e a inflação têm aumentado, e as vendas em muitos setores estão caindo. Para se ter uma ideia, uma projeção feita pela ONU indica que o país terá uma retração de 1,5% do seu PIB em 2015. Portanto, não vivemos um cenário muito animador para o pequeno e médio empresário, certo? Não é bem assim.

Assim como muitas empresas nacionais estão perdendo dinheiro, outras tantas têm conseguido crescer, e até dobrar seu faturamento, mesmo neste período de crise. As estratégias delas incluem renegociar preços com seus fornecedores, diversificar produtos e investir em marketing, em um movimento contrário ao da maioria do mercado.

Veja 10 negócios que estão crescendo mesmo com a crise, e quais as estratégias de cada um para conseguir.

1. BFX

Empresa que presta assessoria para outras empresas que querem exportar seus produtos, principalmente no ramo de autopeças. Os 4 colaboradores pretendem levar a empresa a um novo patamar, com aumento de 35% no faturamento das exportações de 2015 em relação ao ano passado.

Estratégias para crescer na crise: “A alta do dólar aumenta a competitividade dos produtos brasileiros frente à concorrência que sofremos de outros países no mercado internacional”, explica a diretora de negócios da empresa, Camilla França. “A BFX nunca teve tanta procura como neste ano de 2015, uma vez que o consumo do mercado interno está estagnado. Como a produção para o mercado interno fica ociosa, a ideia é ocupar o espaço vazio atuando de forma mais incisiva no mercado externo”, afirma.

2. Clear Clean

Rede de microfranquias de serviços de limpeza residencial e comercial. A empresa nasceu em abril 2013 depois de uma viagem de um dos fundadores para a Europa, quando ele conheceu o serviço. A empresa teve grande procura logo no início, e por isso os sócios Clovis Campos e Douglas Barbosa decidiram franquear o modelo de negócio.

Hoje, a rede possui 17 franquias em funcionamento e 3 que serão inauguradas até setembro de 2015. No ano passado, o faturamento da empresa foi de 1,3 milhão de reais. Para este ano, a expectativa é crescer e alcançar 4 milhões – aumento que se deve também ao número de unidades abertas este ano (foram oito) e às que ainda serão inauguradas ao longo deste semestre.

Estratégias: A Clear Clean tem aproveitado a repercussão causada pela PEC das Domésticas, que tem gerado oportunidades para empresas do setor de limpeza. Além disso, investe em novos serviços, como o de limpeza e impermeabilização de estofados e limpeza carpetes.

Para o franqueado: O investimento necessário para abrir uma franquia Clear Clean é de 25,5 mil a 61 mil reais. O prazo de retorno do investimento é de 12 a 24 meses.

3. Espetinhos Mimi

A rede tem 70 unidades em funcionamento, presentes em 12 estados – mais 13 para inaugurar. E conta com a tradição dos 45 anos no mercado de churrascos de palito para alavancar o faturamento em 15% esse ano (em 2014, o grupo faturou cerca de 70 milhões de reais).

Estratégias: Num cenário de crise, a rede tem apostado nas modalidades de franquia que requerem um investimento menor, como o modelo Express e Empório que precisam de um investimento de R$35 mil, e o carrinho, com investimento de R$45 mil. A ideia é que esses modelos possam aproveitar grandes eventos, como Rock in Rio e Olimpíadas.

Para o franqueado: O investimento inicial para abrir uma franquia vai de 30 mil a 350 mil reais, dependendo do modelo escolhido. O prazo de retorno é em média de 24 a 26 meses.

4. Flores Online

Fundada em 1998, a Flores Online afirma ser o primeiro e-commerce de flores e presentes do país. A empresa, que tem 90 funcionários, faturou 40 milhões em 2014 e espera crescer 25% em 2015.

Estratégias: Para enfrentar esse momento, a empresa investe na diversificação de mercados. Além das vendas diretas para pessoas físicas, a empresa aposta agora no mercado corporativo, com kits personalizados e exclusivos para empresas em datas comemorativas. Outra nova modalidade é o AdSales, com kits que misturam flores e presentes com itens de marcas como Air Wick, Johnnie Walker.

“A Flores Online tem apostado nas vendas corporativas e na diversificação do portfólio. A ideia é oferecer ao cliente uma variedade de presentes diferenciados e de bom gosto, mas com um preço acessível neste período de crise”, afirma Carlos Miranda, CEO da Flores Online.

5. Innovapharma

Com base em Goiânia, a empresa multinacional atua no setor de beleza, com produtos contra rugas e marcas de expressão. A marca afirma que, ao contrário de outros segmentos, o mercado de beleza tem crescido apesar da crise. Para aproveitar este momento, a empresa planeja investir mais de R$ 10 milhões no Brasil em 2015. O investimento vai para busca de novos mercados, ações de marketing e participação em eventos internacionais.

Conta com 250 funcionários ativos e crescimento de 48% no faturamento, totalizando 15 milhões de reais. Para este ano, a expectativa é alcançar os R$ 20 milhões de reais.

Estratégias: Como já está consolidada na dermatologia e na medicina estética, uma das estratégias para crescer é aumentar a participação na cirurgia plástica e entrar em novos mercados, como o da ginecologia (rejuvenescimento íntimo) e da odontologia (preenchimento facial do terço inferior da face), além do lançamento de novos produtos.

6. Just Digital

A empresa é parceira do Google e presta serviços de gestão de informação e conteúdo, conta com 60 colaboradores e um faturamento de 7 milhões de reais em 2014. Além disso, espera crescer para 10 milhões de reais em 2015.

Estratégias: Na contramão de outras empresas, que estão demitindo funcionários neste período, a empresa aposta na manutenção da equipe. A ideia é sair na frente quando a crise passar. Neste período, a estratégia tem sido reestruturar algumas áreas, estudar novos produtos para incorporar ao portfólio e apostar em ações de marketing.

“Quando a crise passar, estaremos ainda mais prontos e na frente de empresas que terão que reforçar seus times e adaptar seus processos. Além disso, sabemos que os produtos com que trabalhamos podem gerar economia para as empresas”, afirma o CEO da empresa, Rafael Cichini.

7. Mercadão dos Óculos

A empresa é uma franquia de óculos voltada para classes C e D. O dono do negócio, Celso Silva, começou no setor há 20 anos, com uma ótica comum: com armações de grife e preços salgados. Com o tempo, porém, percebeu o potencial que teria um negócio com produtos mais baratos. Hoje, o Mercadão vende óculos a partir de R$ 19,90.

A rede tem hoje 44 unidades abertas e em funcionamento; a meta de expansão deste ano é para 70 unidades. Faturou 10 milhões de reais no ano passado e, para este ano, a expectativa é triplicar, com previsão de faturamento de 30 milhões de reais.

Estratégias: a rede afirma que investe em preço justo, variedade de produtos, treinamento da equipe de vendas e marketing segmentado.

Para o franqueado: O investimento inicial da rede é entre R$ 80.000 a R$ 120.000 e o prazo de retorno é de 12 a 24 meses.

8. Perky

Empresa gaúcha que vende alpargatas, criada pelo casal Rodrigo Casas e Gabriella Giovanini. A Perky tem pontos de venda em várias partes do país e exporta seus modelos de alpargatas para Europa, Ásia e Oceania.

Em 2014, tiveram um faturamento de 11 milhões de reais, um crescimento de quase 300% em relação a 2013. Para 2015, a expectativa é crescer 70% e chegar aos 18 milhões de reais.

Estratégias: “Para crescer na crise, a Perky está com novos projetos, como um e-commerce próprio e uma fábrica própria de acessórios, o que vai nos ajudar a diversificar produtos. Também estamos montando um projeto de exportação, para não depender só do Brasil. O objetivo é construir vários negócios ao redor da Perky para aumentar o faturamento da empresa”, afirma o CEO da marca, Rodrigo Casas.

9. Printi

A Printi é uma gráfica online, criada no Brasil por dois alemães, os Empreendedores Endeavor Mate Pencz e Florian Hagenbuch. A empresa afirma que se destaca pela praticidade e baixo custo para o consumidor.

Com cerca de 80 funcionários e faturamento de 12 milhões de reais (2014), as expectativas de expansão são otimistas esse ano. O time deve contar com 130 funcionários e faturar 30 milhões de reais em 2015.

Estratégias: Frente ao atual cenário, a gráfica limitou a variável de produtos e otimizou seu processo de produção. Outro ponto são os preços competitivos. “Os consumidores vêm sofrendo com a diminuição do orçamento e com número de impressões menores, o que faz com que as gráficas tradicionais não se tornem atraentes, pois possuem um mínimo na quantidade e valores que só se tornam bons com um número alto de demanda. A Printi não possui esse minimo e consegue ser forte quando a quantidade de impressões é menor”, afirma Mate Pencz, cofundador da empresa.

10. Rapiddo

Plataforma na internet que oferece o serviço de entregas rápidas. A empresa atua nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Campinas. Mensalmente, são realizadas 30 mil entregas.

O Rapiddo que tem 50 funcionários, atua num modelo com entregadores em nuvem, fazendo com que o cliente seja atendido pelo entregador mais próximo. Os pedidos e o pagamento são feitos online, e o cliente pode acompanhar o pedido em tempo real. Para iniciar seu desenvolvimento, a empresa recebeu aporte de 5 milhões de reais da Movile.

Em 2014, o faturamento da empresa foi de 1,2 milhão de reais. Para este ano, a expectativa é faturar cinco vezes mais e chegar à marca de 6 milhões.

Estratégias: Num cenário de crise e contenção de gastos, o Rapiddo diz buscar preços competitivos, garantindo a qualidade. Além disso, a empresa investiu na diversificação de produtos: criou um aplicativo para ser usado por empresas de entrega e criou ainda a possiblidade de seu serviço ser usado por e-commerces, permitindo uma entrega mais rápida para esses clientes, explica o CEO Guilherme Bonifácio.

Artigo adaptado da Exame.com

Leia mais:

Um plano para surfar na onda da crise

Dicas para não perder oportunidades em tempos difíceis

4 conselhos para crescer durante a crise

Deixe seu comentário

5 Comentários

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. MAGDA CAVALHEIRO - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Sim, já passamos por muitas crises, mas o sonho de ter um negócio não pode acabar. É justamente na crise que desejamos tentar algo novo. Foi o que fiz. Criei um negócio online e estou aprendendo e tendo resultados. Se quiser saber como criei meu negocio online vou deixar o link:
    http://negociosonlineblog.co.nf

  2. 0 curtidas
     
    Curtir

    O mercado de Perfumaria, Cosméticos, cuidados para o corpo e higiene pessoal é o que mais tem se destacado em meio a crise.

    https://youtu.be/X0aa1XRY620

    Análise e me add no whatsapp:
    85981629009

    Antonio Fernandes

  3. Lusiani Borba - says:

    1 curtidas
     
    Curtir

    O Marketing de Rede é o que mais cresce em períodos de crise.
    Saiba mais…
    https://www.youtube.com/watch?v=lPY1Y-zgw1o

  4. Carlos moraes - says:

    2 curtidas
     
    Curtir

    Vcs já viram ou conhecem o Airbnb de Jantares? http://www.dinneer.com
    Nasceu aqui no Brasil a uns 2 meses e estão arrebentando

  5. Bruno Borges - says:

    6 curtidas
     
    Curtir

    Com tudo isso de faturamento a printi não consegue fazer um atendimento descente ao consumidor ? parabéns !

Parceiros
Criação e desenvolvimento: