facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Como os líderes podem criar oportunidades em tempos de incerteza?

LoadingFavorito
liderança em tempos de incerteza

Os líderes devem tomar cuidado com as aceleradas mudanças do mundo atual. Ao se tornarem mais receptivos, integradores e ter suas ações guiadas por um propósito, eles vão gerar benefícios tanto para o negócio quanto para a sociedade.

Por Alison Kay, Global Vice Chair de Indústrias da EY

Sem dúvida, o Brexit e as eleições nos EUA provocaram mudanças políticas em 2016, trazendo para muitos um sentimento claro de insegurança. A globalização não tem favorecido a todos e a crescente desigualdade preocupa o mundo todo.

Já que estamos na transição de uma revolução industrial para uma digital, para qual futuro estamos nos atirando tão rapidamente?

Os mercados conduzem a economia global e, ao fazerem isso, desempenham um grande papel de configurar a ordem do dia a nível mundial. Apesar de os líderes empresariais não serem democraticamente eleitos, eles necessitam parar para ver as mudanças tomarem forma. A função deles não é apenas a geração de renda.

Como os líderes devem reagir?

Acredito que agora, mais do nunca, necessitamos de líderes para inspirar pessoas para trabalhar juntas e criar um futuro melhor. Um futuro no qual os fatos contam.

Um futuro no qual as empresas se empenham para gerar um valor a longo prazo que, em última instância, beneficia clientes, pessoas e comunidades.

Falar é fácil. O difícil é criar um negócio que incorpora esses valores de verdade, em algo tangível.

Nos últimos meses, conheci pessoas que estão fazendo exatamente isso, focando em três pilares:

1.Adaptar-se e ser flexível.

Apesar de muitas empresas adotarem o discurso de se adaptar a mercados locais, eu recentemente conheci um varejista que levou dois anos e meio para criar o melhor ambiente para que seu negócio crescesse em um novo mercado. Esse varejista construiu sua marca usando uma abordagem consistente em todo o mundo. Entretanto, para entrar um novo mercado emergente, ele teve de superar barreiras práticas, como restrições à propriedade estrangeira no local e questões culturais.

Após um longo e saudável processo de negociação, governo e empresa chegaram a um acordo mútuo. O governo modificou suas regras e o varejista flexibilizou o seu modelo corporativo ao desenvolver uma supply chain mais local, com o abastecimento de bens acontecendo dentro do próprio país e expandindo o portfólio de produtos para refletir a cultura local. Essa empresa também treinou quatro vezes mais  colaboradores do que o necessário, gerando uma força de trabalho mais qualificada e trazendo vantagens para todos.

Essa visão a longo prazo exige uma liderança de verdade. Ela demanda coragem para quebrar padrões e fazer algo diferente. Também traz a visão de intermediar as ações que levam ao sucesso da empresa.

Vale a pena se perguntar: como você está desenvolvendo agora aquilo que você realmente acredita? Onde você ou sua empresa necessitam ter mais flexibilidade?

2. Valorize e “recicle” pessoas.

A automação e a robótica vão ter um tremendo impacto sobre o trabalho no futuro — e não só os cargos que agregam pouco valor ao profissional ou cargos que exigem poucas qualificações. No ano passado, o Fórum Econômico Mundial apontou que as demissões têm muita chance de se concentrar em cargos de ramos como manufatura, construção e instalação, bem como vendas, administração e produção. Como tratamos essas pessoas para que não fiquem para trás? Enquanto empresas, necessitamos valorizar e requalificar pessoas; precisamos pensar estrategicamente sobre como desenvolver todo esse talento.

Precisamos nos questionar agora: quais os papéis na empresa que têm maiores chances de serem afetados? Quais competências podem ser ensinadas? Como podemos treinar novamente aqueles que querem continuar na empresa?

3. Deixe o propósito ser o seu guia.

A disrupção tem afetado todos os mercados no mundo, geralmente tornando obsoletos os modelos de negócios já existentes. Em meio a tanta incerteza, definir a razão de existir de sua empresa — o seu propósito — em uma visão geral é crucial para estimular a clareza estratégica, motivar a equipe, gerar inovação além do curto prazo e criar impacto positivo mais amplo. Uma pesquisa mundial do EY Beacon Institute e do Harvard Business Review Analytic Services mostra que as empresas com um propósito claro, articulado e bem compreendido lideram em termos de faturamento, expansão e transformações bem-sucedidas, entre outras áreas.

O que o propósito é na prática?

Recentemente, enquanto estava na Índia, conheci um empreendedor que se destacou pelo seu comprometimento com sua justiça e dignidade em uma indústria marcada pelas acusações de práticas antiéticas de trabalho e de trabalho infantil: a manufatura de carpetes. Esse homem seguiu em seu propósito de empregar e pagar um salário justo para as castas menos favorecidas na sociedade, ajudando a construir a compreensão entre culturas e grupos. Isso lhe rendeu um alto custo, uma vez que ele era de uma das mais altas castas. Sua família o condenou ao ostracismo. Hoje, ele está à frente de um negócio bem-sucedido de exportação de carpetes para os EUA, Reino Unido e Europa.

Cada tapete que ele vende possui uma mensagem pessoal de quem o fez; há também um cartão postal que o cliente consegue enviar de volta para o fabricante.

Fazer a conexão entre duas pessoas — tecelão e comprador — é uma forma bem poderosa de reduzir o medo e o preconceito. A partir do propósito que estabeleceu como um guia para suas ações, hoje, com muito sucesso, seus negócios o diferenciaram, conseguindo exportar carpetes para os EUA e para Europa, ao mesmo tempo em que possui um forte impacto local.

Identificando as vantagens

A revolução digital traz uma grande agitação, mas também proporciona ótimas oportunidades. Sim, mudar pode ser doloroso. Mas não devemos perder de vista o potencial transformador nesse cenário. Segundo Joshua Cooper Ramo, em seu livro, o best-seller Seventh Sense: Power, Fortune and Survival in the Age of Networks:

“Liderança é reconhecer onde o poder está e como se adaptar. Você tem que buscar a mudança nos ‘acordes mais profundos da história’. Esse é um deles”

Para mim, liderar é ser receptivo e integrador. Trata-se de criar um negócio que se desenvolve a longo prazo, no que diz respeito a seus clientes, pessoas e comunidades. Tem a ver com diversidade de pensamentos. É assim que você consegue ter soluções bem-sucedidas para problemas complexos. E isso é o que é necessário de todos nós: liderança e coragem.

A EY é uma das quatro maiores empresas de serviços profissionais do mundo (as big four), presente em 150 países, em 728 escritórios, e com mais de 190 mil funcionários. Com sede em Londres, a EY presta serviços de auditoria, elisão fiscal, consultoria e transações corporativas.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. MARCELO SAMOGIN - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Excelente tema. Traduza a descrição dos cargos em competências individuais e adicione as competências do negócio, avalie todos. Crie e percepção de meritocracia pelo viés INDIVIDUAL E EM EQUIPE. Encoraje a inovação como motor do negócio, e premie sempre. Você selecionará sempre os melhores do mercado. Marcelo Samogin Diretor da Remunerar Inteligência em meritocracia e remuneração por resultados.

Criação e desenvolvimento: