facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Como criar e gerenciar um portfólio de inovação?

LoadingFavorito
Como criar e gerenciar um portfólio de inovação

Um portfólio baseado em fundamentos, mas flexível é necessário para inovações de sucesso.

Já sabemos que a vida do empreendedor não é fácil: é preciso, além de muitas outras coisas, vender, resolver problemas com entregas, tratar a saúde financeira da organização e motivar a sua equipe. Parece que não haverá tempo nem recursos para pensar no futuro e criar novos produtos, serviços e modelos de negócio. Entretanto, o empreendedor sabe que isso é fundamental para a sua sobrevivência e sucesso.

Como criar e gerenciar um portfólio de inovações que garante este futuro, então?

Inovar é arriscar, fracassar e aprender

Um pensamento em comum entre as pessoas é que para ter sucesso, é preciso escolher a coisa certa. Esta ilusão persiste pela criação dos mitos, como o mito do próprio Steve Jobs com o i-pod, o i-phone e o i-pad. Ele parece ter acertado desde o início, e criado somente produtos e serviços de sucesso. Esta é uma visão equivocada. Sugiro que procure na internet as ideias fracassadas da Apple.  Você achará vários produtos que não deram certo e custaram bastante dinheiro para a empresa, como, por exemplo, o Apple Lisa.

Inovação é uma jornada de tentativa e erro, uma aventura que tem seus sucessos e seus fracassos.

É preciso criar muitas ideias, testar rapidamente, descartar aquelas que não dão ibope, aprender com elas, focar nas ideias que tem potencial e persistir em fazer acontecer.

É preciso ter direcionamento

Criar sem saber por que e para que com certeza não vai levar a sua empresa para a direção certa. Como diz o ditado: “Se você não sabe o destino, qualquer direção está certa”. Isto não significa que você precisa saber exatamente o que vai ser o futuro. Steve Jobs também não sabia exatamente como seria o futuro. Entretanto, ele entendia que o mundo futuro seria interconectado, que tecnologia formaria uma parte integral desse futuro e começou a criar produtos e serviços para inventar esse futuro. Embora as ferramentas de projeção estejam ficando cada vez mais sofisticadas, é difícil prever o futuro. Quem poderia ter dito que o Facebook teria 1,2 bilhões de usuários no final de 2013? O site conseguiu os seus primeiros milhões de usuários apenas no final de 2004.

Não tente prever o futuro, focar em o que você acredita é essencial no futuro, desenvolva um claro direcionamento, crie e teste ideias. Teste e aperfeiçoe sua ideia com os seus clientes para entender em que eles têm interesse.  Foque em mercados mal atendidos ou tendências que vão criar um mercado no futuro. A Totvs criou um serviço para atender o mercado de médias empresas no Brasil, mercado mal atendido pelas grandes empresas de ERP, e teve grande sucesso. Quem entendeu, de 6 a 7 anos atrás, quais aplicações iam ser importantes, poderia ter criado algo de sucesso. Mas na época isto significava arriscar, porque não se tinha tanta certeza, especialmente sobre o que teria sucesso. Mas então, como gerar e escolher ideias boas?

Utilize ideias de outros

Moramos em um mundo globalizado e a nossa ideia provavelmente não é única no mundo, alguém já deve ter pensado e até provavelmente já deve ter testado ou criado um produto para a mesma ideia. Em vez de tentar reinventar a roda, tente utilizar ideias de outras partes do mundo para aumentar as suas chances de sucesso. Não estou dizendo que não se deve tentar criar ideias inéditas, elas podem garantir o seu diferencial, mas também trazem riscos maiores. Fique antenado sobre as ideias que estão fazendo sucesso no mundo, copie e implemente rapidamente para garantir o seu Market Share. O conceito do iFood, entrega de restaurantes diversos, já existiu mundo afora, mas foi implementada aqui no Brasil. Claro, não se esqueça de tropicalizar o seu produto ou serviço para o Brasil. Não se pode apresentar o mesmo cardápio de um restaurante chinês no Brasil como na China ou até como nos EUA.

Procure parcerias

É difícil fazer tudo sozinho. Nenhum de nós tem a capacidade para fazer tudo no nível de excelência que é exigido no mundo dos negócios, especialmente para crescer, fundamental para sobrevivência dos negócios de um empreendedor. É preciso fazer parcerias.

Há vários tipos de parcerias. Elas vão de investidores para injetar o capital necessário para você investir, universidades e centros de pesquisa para apoiar nas pesquisas, até as grandes empresas que possam dar acesso ao mercado por meio da sua rede de distribuição. Por exemplo, empresas grandes como a P&G e Unilever são empresas que podem ser a sua plataforma para atender o varejo. O custo de criar uma rede para atender os mercados no Brasil é grande e é algo demorado. Com apoio de parceiros é possível ter rápido acesso.

Há outras práticas que são importantes para criar seu portfólio de inovação, mas praticando essas já é um bom começo.

Caspar van Rijnbach é Diretor da EY, empresa global de Consultoria e Auditoria, já publicou dezenas de artigos e blogs e foi autor ou co-autor de diversos livros sobre inovação.

, EY, Diretor
Diretor Executivo de Estratégia e Inovação da EY em São Paulo. Tem mais de 17 anos de experiência em serviços profissionais e indústria, como consultor de gestão da Ernst & Young e TerraForum Consultores ou como Analista de Negócios do Banco ABN AMRO Real e Royal Dutch Shell. Caspar é especializada em empreendedorismo e inovação e lidera projetos em estratégia de inovação, análise de Centro de P&D, programas de inovação corporativa, mapas tecnológicas, gestão de portfolio, revisão processo de inovação, gestão de projetos de inovação, desenvolvimento de novos negócios, programas de ideia e oficinas de ideação.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: