facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor

LoadingFavorito

 

Como o empreendedor brasileiro pode aproveitar suas vantagens intrínsecas e o momento econômico para sonhar grande e criar empresas de alto crescimento?

 

PreviewRecentemente escrevi um artigo cujo titulo era: “O Brasil não é para amadores”. Em conversa com vários estrangeiros que se sentiram ofendidos com o mesmo, procurei contar a origem dessa frase de Tom Jobim e explicar que o seu significado não é pejorativo, mas sim um alerta sobre as particularidades de nosso país. Se por um lado tais particularidades representam riscos para os não preparados, por outro representam grandes oportunidades para o os empreendedores brasileiros no atual ambiente de negócios.

No livro “Future Wealth”, da Harvard Business School, os autores defendem uma nova ordem para a avaliação de negócios e oportunidades, fugindo dos modelos tradicionais de avaliações. Esse livro foi escrito no início da bolha da internet e procurava entender para onde a economia estava caminhando, notadamente no que se refere à geração de riqueza para os negócios. Independentemente dos movimentos especulativos daquela época e algumas aberrações que presenciamos, não podemos negar que aquele período transformou o ambiente global de negócios.

Naquela época eu era sócio de uma empresa de consultoria e já percebia algumas características de empreendedores e negócios que traziam vantagens competitivas que nem sempre eram contempladas nas avaliações de negócios e que, a partir daquele fenômeno, passaram a ser consideradas nas decisões de investimentos, parcerias, entre outros.

Aí é que entra o tema do Brasil não ser para amadores. No livro mencionado, os autores destacam, entre vários geradores de riqueza de um negócio de sucesso, três em especial: RISCO COMO OPORTUNIDADE, CAPITAL HUMANO e REDES DE RELACIONAMENTO.

Essas três variáveis concentram boa parte das competências do empreendedor brasileiro. Competências desenvolvidas ao longo de anos e que, no momento atual, se aprimoradas ou desenvolvidas, gerarão imensas vantagens competitivas e grandes organizações.

RISCO COMO OPORTUNIDADE

Todo empreendedor é, em essência, um tomador de risco em busca de oportunidades. No entanto, nas economias maduras sempre foi possível esperar pelas reações do mercado e a partir dessas reações, tomar atitudes. O empreendedor brasileiro nunca pode esperar pela estabilização para seguir o seu rumo. Essa é uma das características fundamentais da economia atual: a falta de informações suficientes para a tomada de decisões estratégicas. Aproveitar-se dessa nossa rapidez e flexibilidade, conseguindo encurtar o tempo de decisão, será fundamental para a criação de organizações globalmente competitivas.

CAPITAL HUMANO

Fazer mais com menos é outra característica do empreendedor brasileiro. Por conta da escassez de recursos de financiamento, vários negócios de sucesso no Brasil começaram e se perpetuaram por conta da capacidade do empreendedor de trazer outros para dentro de seu sonho.

O mercado hoje, em relação ao capital humano, caracteriza-se pela dificuldade de recrutamento (por conta do aquecimento da economia), mas também por uma geração mais acostumada com empreendedorismo e em comprar bons sonhos. O empreendedor de maior sucesso será aquele capaz de formatar projetos que sejam atrativos no que se refere à inovação, orgulho corporativo e impacto na sociedade, sabendo fazer com que os seus sonhos passem a ser os sonhos de seus colaboradores.

REDES DE RELACIONAMENTO

Mais um ponto que não é nenhuma grande novidade para o empreendedor brasileiro e que tem sido cada vez mais importante para o sucesso das organizações. Depoimentos de empreendedores de sucesso do mundo inteiro dão conta de que a inserção dos mesmos em redes de relacionamento, comunidades empreendedoras, premiações, entre outros, foram decisivos na transformação dos seus negócios. Ainda por conta da escassez, o empreendedorismo brasileiro aprendeu essa lição muito cedo. Investir sempre em formar boas redes de relacionamento e parceria será vital para o crescimento dos líderes do futuro.

Claro que para ter sucesso o empreendedor deverá continuar desenvolvendo novas habilidades o tempo todo. No entanto, chegou a hora de aproveitarmos aquelas que desenvolvemos ao longo de anos para conseguir sobreviver na adversidade.

 

 

Carlos Alberto Miranda é sócio-fundador da BR Opportunities, gestora de Private Equity com foco em empresas de rápido e alto crescimento.

, BR Opportunities, Fundador
Carlos Alberto Miranda é sócio-fundador da BR Opportunities, gestora de Private Equity com foco em empresas de rápido e alto crescimento. É Mestre em Administração de Empresas pelo IBMEC RJ. Participou do programa de Gestão e Estratégia para Executivos da Kellog School of Management da Northwestern University, Chicago - USA. Carlos trabalhou durante 21 anos na Ernst & Young, sempre nas áreas de Corporate Finance e Gestão Estratégica. 

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: