facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Armadilhas na tomada de decisão – Fique atento!

LoadingFavorito

O excesso de autoconfiança pode levar a decisões arriscadas. Cuidado com as armadilhas do cérebro!

Desde pequenos, aprendemos na escola que o que diferencia o ser humano das outras espécies é o fato de sermos seres racionais. Ou seja, enquanto os animais tomam decisões baseadas em seus instintos, nós temos a capacidade de raciocinar.

Por trás deste corolário está a visão clássica de Platão, a qual considera que a emoção atrapalha a razão. Platão recorreu à parábola do cocheiro que precisava dominar dois cavalos, sendo um o representante da razão e o outro da emoção, para trilhar seu caminho. A emoção, por sua vez, estava lá para tirar a razão de seu rumo.

A crença aqui é de que as pessoas tomam decisões de forma consistente, coerente e criteriosa, como se fossem máquinas processadoras de informação, independentemente do emocional. É como se seguíssemos um processo: (i) definição do problema; (ii) identificação dos critério de decisão; (iii) avaliação das alternativas; para então tomarmos a decisão mais adequada. Porém, na prática, sabemos que não é bem assim que as coisas funcionam.

Desde a década de 50, estudos começaram a comprovar que seres humanos com lesões no cérebro – na parte responsável pelo processamento das emoções – eram incapazes de tomar decisões; e as pesquisas evoluíram até as evidências atuais, de que, ao contrário do que Platão pensava, nossas decisões são preponderantemente guiadas por nossas emoções. Conscientemente ou não.

O fato é que esta constatação trouxe à tona uma série de armadilhas que nossa mente nos impõe. Várias delas foram identificadas e tem sido profundamente estudadas; e outras continuam a ser descobertas em pesquisas em diversas áreas. Uma das mais populares é o “excesso de autoconfiança”. A mente humana, ao contrário do que a visão clássica acreditava, não utiliza todas as informações disponíveis para a tomada de decisões, mas apenas uma pequena parte. E, como o ser humano tem dificuldade em pensar estatisticamente, acabamos atribuindo a um dado qualquer uma representatividade maior do que a verdadeira. Por exemplo: suponha uma determinada região, em que 65% das empresas criadas são fechadas após o primeiro ano de vida. Se fizermos uma pesquisa junto aos empreendedores desta região e perguntarmos qual a probabilidade de sua empresa fechar após o primeiro ano, dificilmente teremos um número próximo ao da realidade.

Outro teste muito comum, até hoje repetido consistentemente junto a diversos públicos é, num determinado grupo de motoristas, solicitar que eles imaginem este grupo dividido em três: no primeiro subgrupo, os que dirigem pior; no segundo, os medianos; e no terceiro, os melhores motoristas. Em seguida, pede-se que levantem a mão aqueles que se consideram entre os 33% que são os melhores motoristas; invariavelmente, mais de 2/3 do grupo levantam a mão.

Imaginemos agora um investidor que se considera conservador. Ao analisar uma lista de fundos para investir, ele se depara com vários fundos com uma ótima rentabilidade recente. Ele sabe que estes fundos, para gerarem esta rentabilidade, incorrem num risco maior também, podendo igualmente gerar perdas incompatíveis com o seu perfil conservador. Porém, a maior parte dos investidores aplica em investimentos mais arriscados do que o seu perfil, porque são pegos pela armadilha do excesso de autoconfiança, tendendo a considerar que, se estes fundos geraram boas rentabilidades para outros investidores, o mesmo acontecerá com eles.
Por isso, antes de sua próxima decisão, lembre-se do excesso de autoconfiança e pense se você não pode estar caindo nesta armadilha!

Guilherme Horn é CEO e fundador da Órama, distribuidora online de fundos de investimento.

, Órama, CEO
Guilherme Horn é CEO e fundador da ÓRAMA. Em 2000, após mais de dez anos de experiência em diferentes segmentos de mercado, Hornfoi para a ÁGORA Corretora, para montar a operação de Internet para o Varejo. Após três anos, a empresa tornava-se líder de mercado e, dois anos depois, já era uma das cinco maiores corretoras online do mundo. Em 2008, a empresa foi vendida para o Bradesco, num dos maiores exits da Internet brasileira. Em 2009, fundou a ÓRAMA, hoje a maior distribuidora online de Fundos de Investimento do país.

Deixe seu comentário

1 Comentário

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. Waldêmio Ávila Ferro - says:

    1 curtidas
     
    Curtir

    Ótimo artigo!

Parceiros
Criação e desenvolvimento: