facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

Antônio Ermírio de Moraes: personalidade exemplar e empreendedor extraordinário

LoadingFavorito

Homem de hábitos simples, intuição afiadíssima e princípios sólidos, Antônio Ermírio de Moraes deixou uma coleção de façanhas e ensinamentos que todo empreendedor precisa conhecer. 

Em 24 de agosto de 2014 – ou seja, há quase um ano do momento em que este texto é redigido – o Brasil perdia um de seus mais proeminentes administradores. Morria aos 86 anos, em decorrência de problemas cardíacos, o empresário e então presidente de honra do Grupo Votorantim Antônio Ermírio de Moraes.

O país se enlutou de verdade. Figura pública querida e referência para a esmagadora maioria de gestores e empreendedores das gerações que o precederam, Antônio Ermírio de Moraes marcou época por inúmeros motivos: a obsessão pelo trabalho, a aversão ao endividamento, a objetividade na condução dos negócios e a postura simples adotada na vida cotidiana eram algumas de suas características mais conhecidas. São traços de uma personalidade exemplar e um empreendedor extraordinário que enfrentou – e superou – as graves crises pelas quais o país passou nas últimas décadas. E que, durante muito tempo, encabeçou a lista da Forbes de mais ricos do país.

E quando um gestor acumula adjetivos como “exemplar” e “extraordinário”, torna-se praticamente obrigatório que se conheça um pouco da trajetória que o levou a isso. Então vamos a ela.

Nascendo junto com a Votorantim

Antônio Ermírio de Moraes nasceu em São Paulo, em 4 de junho de 1928. E nem bem chegara ao mundo, seu destino já parecia selado: o pai, José Ermírio de Moraes, comprara do sogro (o imigrante português Antonio Pereira Inácio) as ações de uma empresa de tecelagem instalada no bairro de Votorantim, em Sorocaba.

Criava-se aí o grupo que, mais tarde, passaria a atuar nos setores de cimento, celulose, bancos e processamento de suco de laranja: o grupo que atingiu um faturamento de 24 bilhões de reais, e ao qual Antônio Ermírio seria para sempre associado.

Mas não foi um caminho fácil. Ao contrário; com muito custo, o pai, José Ermírio, conseguiu atravessar diferentes momentos econômicos, com transições de moedas e crises, para consolidar e expandir o grupo. Os primeiros grandes passos foram a aquisição da companhia Nitro Química, em 1935; e a formação da Companhia Brasileira de Alumínio vinte anos depois, em 1955.

Trabalho, trabalho e a conhecida repulsa a dívidas

Em 1949, Antônio Ermírio de Moraes graduou-se em Engenharia Metalúrgica pela Universidade norte americana Colorado School of Mines – a mesma em que seu pai havia se formado. E desde então passou a auxiliar o pai nos negócios, já manifestando as características pelas quais futuramente se tornaria reconhecido.

A primeira marca registrada era a obsessão pelos negócios do grupo Votorantim. Conta-se que, após se formar, Antônio Ermírio de Moraes trabalhou de graça por um ano com o pai, para que fosse experimentado. Eram os anos do governo de Eurico Gaspar Dutra, e o país estava se encaminhando para a industrialização.

Conta-se também que nem durante a lua de mel o empresário descansou. Após se casar com Maria Regina, em 1953, Antônio Ermírio de Moraes admitiu ter visitado companhias de aço na Alemanha e na Áustria, durante a viagem do novo casal.

Outro traço que já nessa época se pronunciava era a aversão ao endividamento. Em 1956, Antônio Ermírio acabou contraindo empréstimos logo após a fundação da Companhia Brasileira de Alumínio – o financiamento equivalia a 16 meses de faturamento da empresa. E, na mesma época, após um acidente com soda cáustica durante uma visita à unidade, ficou um mês de cama – o episódio apenas reforçou sua visão conservadora a respeito das finanças da companhia.

Política e artes: as outras “aventuras” de um homem com propósito 

Após a já longa e bem sucedida carreira à frente do grupo Votorantim, o empresário decide, em 1986, dar um passo além: candidata-se ao governo do Estado de São Paulo pela União Liberal Trabalhista (PTB, PL e PSC). Mas acaba perdendo o certame para Orestes Quércia, que saíra candidato pelo PMDB.

O episódio causou tamanho desencanto com a política, que o empresário mais tarde afirmou ser “o maior dos teatros”. E por falar em teatro, data de alguns anos depois a incursão nas artes: deixando o terno de lado, Antônio Ermírio pega na pena para escrever três peças de teatro que acabaram virando livros: “Brasil S.A.”, “Acorda, Brasil” e “S.O.S. Brasil”.

Mas, tudo foi realizado com a sensatez e a ponderação do costume. Por exemplo: na montagem da primeira peça, em 1996, o próprio dramaturgo investiu 250 mil dólares na época, e explicou os motivos do autofinanciamento: “não achei nem justo, nem honesto que empresários e editores apostassem dinheiro nesta que poderia ser apenas uma aventura”.

Pelos títulos das obras já se percebia o propósito de um homem firme e idealista: transformar o Brasil por meio de sua atuação, seja nas artes, na política ou na indústria. Além das dívidas, Antônio Ermírio de Moraes repudiava de forma veemente o patrimonialismo e outras mazelas que marcam nossa gestão pública, e sempre buscou combatê-las da forma que pudesse.

O bom senso e a lógica como modelos de gestão

Em 2003, Antônio Ermírio de Moraes concedeu uma longa entrevista à revista Veja. Na ocasião, ele confessou jamais ter seguido o que considerava modas de gestão.

Não acredito em nenhum guru. Acredito que dois mais dois é igual a quatro. Tudo o que estiver fora disso me parece esquisito.

Ele jamais escondeu que adotava uma metodologia cuja força motriz eram a lógica e o bom senso. E também defendia a abertura de canais de diálogo com os funcionários, pois acreditava muito nos talentos que tinha em suas equipes.

Prova disso é a seguinte passagem, narrada na entrevista pelo próprio Antônio Ermírio de Moraes.

Há uns cinco anos recebi a visita de um rapaz de uma dessas firmas de consultoria que gostam de cobrar em dólar e falar inglês. Quando o rapaz disse que tínhamos de sair do negócio de alumínio, pedi licença e não fiquei para ouvir o resto. Vem aqui dar palpite em idioma estrangeiro e ainda fala bobagem. Perdi a paciência. O fundamental é seguir a lógica, o bom senso, e ouvir as boas cabeças que você tem na empresa.

Carro usado como presente

A história é razoavelmente conhecida: quando uma das filhas (foram cinco homens e quatro mulheres) fez 18 anos, o pai resolveu presenteá-la com um carro usado. Era apenas a manifestação de mais uma das características que marcaram o empresário: a ausência de ostentação.

Afirmou também já ter passado duas décadas sem comprar nenhum terno, e sempre considerou o luxo excessivo uma bobagem. Antônio Ermírio de Moraes costumava dizer que, ao agir de forma simples, podia andar no meio do povo, o que considerava fundamental. Andanças, aliás, que adorava – sobretudo pelo centro de SP, onde estava instalada a sede do maior conglomerado privado do país.

Por tudo isso, fica fácil entender porque Antônio Ermírio de Moraes era não apenas uma figura querida, mas respeitada e admirada. Por se tratar de um empreendedor de enorme sucesso, de um gestor com valores e princípios bem definidos e principalmente dotado de humanidade exemplar, fica fácil compreender a comoção causada com a sua partida, há quase um ano atrás. Mas o exemplo e a inspiração para as novas gerações, não: isso vai perdurar ainda por muito tempo – do que este próprio artigo é prova.

Onde posso me informar mais?

Neste link você pode adquirir a biografia oficial de Antônio Ermírio de Moraes, “Memórias de um diário confidencial”.

E aqui tem uma matéria da Exame com 12 frases marcantes do empresário.

A Endeavor é a organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. Presente em mais de 20 países, e com 8 escritórios em diversas regiões do Brasil.

Acreditamos que a força do exemplo é o caminho para multiplicar empreendedores que transformam o Brasil e por isso trazemos aprendizados práticos e histórias de superação de grandes nomes do empreendedorismo para que se disseminem e ajudem empreendedores a transformarem seus sonhos grandes e negócios de alto impacto.

Deixe seu comentário

2 Comentários

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. Maria Luiza Aguiar - says:

    2 curtidas
     
    Curtir

    Antônio Ermínio e Silvio Santos,insubstituíveis,dois monstros da administração empresarial,pessoal e familiar!!!

  2. ALFREDO AVELINO AYRES - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Pelo texto e contexto vê-se que Antônio Ermírio já era de família bem situada financeiramente. Seu pai estudou nos Estados Unidos, assim como ele. Coisa que somente hoje é possível tb. para plebeus. Em 1949, quando graduou-se em engenharia pela universidade norte americana Colorado School of Mines, era necessário ter boa situação financeira, para dar essa condição.Sempre admirei Antônio Ermírio…

Parceiros
Criação e desenvolvimento: