facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

As 5 tendências de consumo que vão bombar em 2016

LoadingFavorito
tendências consumo 2016

Tantas listas de “para 2016”, mas tão pouco tempo para ler todas…

Nós te entendemos! Foi por isso que preparamos essa lista de tendências de consumo que vão fazer sua cabeça e seu negócio.

1. Teste de Status: Só os melhores passarão

Considere a busca incansável da sociedade por status e você estará no caminho certo para entender os comportamentos dos consumidores. Em sociedades de consumo, o status é o motivador que guia muito do que as pessoas fazem (elas sabendo disso ou não!).

Em 2016, consumidores passam a experimentar uma mudança: a exclusividade. Isso significa que um teste de status os força a provarem seu “valor” para marcas das quais querem comprar.

Pois é, consumidores se provando para marcas… Sabemos que a fixação por status passou de possuir bens para ter experiências diferenciadas. Mas quando até sorvete pode ser entregue sob demanda por uma companhia de taxi, parece que as portas para a economia da experiência foram arregaçadas. E tem pouco status no que é fácil.

Consumidores experientes têm se tornado cada vez mais confortáveis com a ideia de uma marca líder que honra os interesses do comprador. Um teste de status faz exatamente isso, ao dar ao consumidor a chance de provar suas habilidades, criatividade, bom gosto. E mais, entrar em uma comunidade de pessoas que foram aprovadas no mesmo teste que ele. Veja como essas marcas fizeram isso:

  • Lee Jeans

Em Outubro de 2015, a Lee Jeans lançou uma campanha por 32 cidades, na China, para promover uma série de jeans que retêm calor. Os compradores foram encorajados a saírem (mesmo no frio) e explorarem as suas cidades, enquanto mediam seus movimentos com um aplicativo de medição de calor, o WeChat.

Pontos de índice de calor eram acumulados quando os usuários escaneavam QR codes que estavam em diversas localizações da cidade. Ao coletar esses pontos, os jogadores podiam ganhar produtos Magma Fusion e ter acesso a eventos exclusivos.

  • Bar 1930

Exclusividade anda de mãos dadas com espaços físicos de alto status. Esse famoso bar de Milão é tradicionalmente aberto apenas para algumas pessoas que sabem a quem pedir acesso. Em maio de 2015, o bar se juntou ao Tinder para recriar sua política de entrada, com a ajuda do mundo digital.

Foi então que criaram um perfil no Tinder de uma garota dos anos 30, pedindo a potenciais convidados para que “a cortejassem como nos velhos tempos”. O perfil teve 4.000 matches na primeira semana, com candidatos sendo convidados a “agirem como cavalheiros”. No final da campanha, apenas um grande vencedor pôde entrar em suas instalações.

  • Netflix

Quanto mais rigoroso o teste, maior o status. E testes difíceis são uma ótima maneira de reunir uma comunidade que pensa parecido, em torno da sua marca. Em setembro de 2015, a Netflix lançou The Switch, um botão que automaticamente liga a TV, abre o programa, silencia os telefones, diminui as luzes, e pode até pedir comida em casa!

O botão foi apresentado em uma feira maker e a marca lançou um passo a passo online mostrando como as pessoas poderiam fazer seu próprio botão e do que precisariam. Também encorajaram os usuários a compartilharem nas redes sociais seus atalhos e ideias para o produto.

Netflix-Switch

3 coisas a se considerar quando você fizer seu teste de status, em 2016:

  • Não tenha medo. Sim, pedir aos consumidores que provem seu valor para sua empresa é contra intuitivo, mas quanto mais rígido o teste, maior o sucesso e status.
  • Pense além das tradicionais credenciais. Quem seus consumidores aspiram ser? Como você pode promover um teste de status que faça com que eles provem algo significativo?
  • Uma vez que seu teste de status foi definido, aqueles que passarem irão integrar uma comunidade que pensa igual ou tem habilidades parecidas. Incentive isso!

2. Onipresença contextual: esqueça a onipresença de canais!

Em 2016, você pode ser perdoado por pensar que a sua marca deve estar em todos os lugares de uma única vez. Afinal, as expectativas em relação aos direitos dos consumidores agora desafiam as leis da física. Perca algum momento em que seu comprador precisa de você e talvez você não tenha outra chance.

Essa é a razão pela qual você, provavelmente, já teve muitos brainstorms em relação à sua estratégia de onipresença, debatendo: “como nós utilizaremos (insira aqui o mais novo vídeo que está bombando nas plataformas sociais)?”. Mas são marcas assim que focam em “como”, em vez de “por que”. Focam em possibilidades tecnológicas, em vez de colocar as necessidades e desejos de seus consumidores como prioridade.

Enquanto isso, marcas  inteligentes focarão em responder uma equação mais significativa: canais inovadores + nuance de contextos = lugar certo + tempo certo

 Alguns exemplos:

  • Telefónica

Novos contextos significam novas oportunidades. Veja, por exemplo, como saber a localização das pessoas destravou e transformou o comércio mobile.

Em Setembro de 2015, a Telefónica Research, com sede em Barcelona, publicou um relatório mostrando que pesquisadores podem perceber, a partir do comportamento de um usuário em seu smartphone, se ele está entediado ou não, com um índice de acerto de 83%.

Quando isso acontecia, os participantes recebiam notificações recomendando conteúdos do Buzzfeed. Aqueles usuários que tinham sido identificados como “entediados” estavam mais propensos a ler o conteúdo sugerido.

  • Domino’s

Quando você considera uma estratégia de onipresença, você pode aprender muito com a inciativa Pizza AnyWare, da Domino’s.

As pizzarias têm expandido, continuamente, a variedade de formas pelas quais os impacientes e famintos amantes de pizza fazem seus pedidos. Clientes da Domino’s em alguns lugares do mundo já podem fazer seus pedidos pelo voice, usando um aplicativo parecido com a Siri do Iphone, pelo Twitter, ou até mesmo mandando o emoji da pizza por mensagem. Depois de pedir, eles ainda podem rastrear o tempo de chegada de sua pizza pelo aplicativo smartwatch, da Domino’s.

Então, na próxima vez que pensar em sua estratégia de onipresença, use essa tendência para ter uma conversa mais produtiva com seus clientes. Comece perguntando por que esse canal é relevante para eles. Depois, pergunte se os canais existentes realmente satisfazem as vontades e necessidades dos seus clientes. Será que você poderia criar algum canal novo? Por fim, imagine contextos completamente novos que você pode usar como uma vantagem (talvez até mesmo aqueles que os seus clientes ainda nem sabem que existem)!

Junte tudo isso e você tem a onipresença contextual: estar no lugar certo, na hora certa.

3. Cultura interna: a sua próxima iniciativa de marketing?

A jornada épica por um consumo que seja mais sustentável e ético continua. Mesmo assim, os consumidores foram deixados (de novo!) pedindo mais em 2015. Das emissões da Volkswagen à corrupção na FIFA; do trabalho escravo da Nestlé, na Tailândia, até as carnes contaminadas da Yum, na China. Em meio a tudo isso, é difícil para as empresas saberem para onde correr.

Uma sugestão para 2016: Vire para dentro! Comece assegurando que sua cultura organizacional seja algo do que se orgulhar, ao invés de esconder.

Por que agora?  Os consumidores já estão há tempos se preocupando em comprar produtos que não tenham sido produzidos por trabalhadores vulneráveis, em países subdesenvolvidos. Agora, com o aumento da desigualdade e da insegurança no trabalho, até em países ricos, essa empatia se expande para outros funcionários também.

Então, inspire-se nos exemplos abaixo e em fazer com  que seus clientes possam se orgulhar de apoiar a sua marca, assim como você apoia quem trabalha para você.

  • GrabTaxi

Enquanto o Uber continua a desencadear preocupações sociais e encarar desafios legais, em relação ao seu modo de tratamento com seus funcionários, o GrabTaxi (um aplicativo de reserva de táxi que opera por todo o sudoeste asiático) expandiu o seu programa de bem-estar do trabalhador, o GrabLife, para a Tailândia, em Maio de 2015, após lançar um projeto  semelhante no Singapura.

A iniciativa prevê o depósito de 14% da taxa de viagem, que a empresa recebe, no fundo que é destinado aos motoristas que estão na GrabLife. Aqueles que preencherem os critérios de qualidade e lealdade são elegíveis para receber seguro de vida, proteção de renda e suporte para eventuais crises. Outros benefícios incluem aulas de inglês e bolsas de estudos.

  • Rei

Em Outubro de 2015, REI anunciou que todas as suas 143 lojas estariam fechadas durante a Black Friday, para que sua equipe e compradores pudessem aproveitar o dia “do lado de fora”. A marca de acessórios para esportes ao ar livre também convidou seus funcionários e clientes a compartilharem fotos de seu tempo livre utilizando a hashtag #OptOutside, nas mídias sociais.

  • Intel

Durante sua palestra em conferência sobre bens de consumo eletrônicos, o CEO da Intel, Brian Krzanich, anunciou planos para aumentar, significativamente, a diversidade no time da Intel. Citando a falta de diversidade dentro da indústria de tecnologia, Krzanich disse que queria que a Intel fosse um exemplo a ser seguido e assegurou US$300 milhões para garantir que, até 2020, sua equipe atinja uma boa representação de mulheres e minorias.

Fazer perguntas difíceis sobre a sua cultura interna não é fácil. Para aqueles que precisam de uma ajudinha para saber qual pergunta fazer, comece pensando nos pontos que devem ser melhorados na sua empresa.

Independente de qual for a pergunta, os clientes sempre vão esperar que a resposta não seja da boca para fora: note que todas as empresas nos exemplos fizeram mudanças reais para poder manter suas iniciativas. Quais aspectos da sua cultura interna você colocaria em um outdoor?

4. Inteligência benéfica: Inteligência artificial é sobre destruir o mundo fazer a vida ser maravilhosa

Todas as tendências tecnológicas pelas quais você é obcecado são ok, mas será que você consegue utilizá-las para entregar algo que as pessoas realmente desejam?

Em 2016, um número crescente de consumidores irá exigir que as marcas usem tecnologias de inteligência artificial cada vez mais poderosas e acessíveis para criar produtos e serviços que caibam dentro de seus bolsos, casas, inbox e mais!

  • Stockholmståg

Em setembro de 2015, Stockholmståg, um operador de trem suíço, anunciou que ele tinha desenvolvido um algoritimo que utiliza dados para antecipar os atrasados de trem com duas horas de antecedência. O prognóstivo dá avisos que permitem o controlador de tráfego intervir e permitir mais atrasos como consequência. Ao mesmo tempo, um aplicativo alerta passageiros de mudanças nos horários de partida.

  • Google

Anunciado em novembro de 2015, o Smart Reply é um programa de autoaprendizado do Google, capaz de ler e analisar seus e-mails pessoais, sugerindo até 3 tipos de respostas diferentes para o conteúdo deles. Os usuários têm apenas que escolher qual a sua opção preferida e pressionar enter. Com o tempo, o programa aprende os hábitos de resposta do usuário e melhora suas sugestões de respostas para que elas pareçam mais naturais.

Você não precisa ser um gigante da tecnologia para aplicar inteligência aritificial. Na verdade, esse é o real segredo de como aplicar essa tendência: essa movimentação de mercado é sobre atingir as expectativas que serão criadas em seus clientes, durante 2016.

Pergunte a si mesmo: o que meus clientes estão tentando realizar? Como eu posso utilizar os truques digitais para achar uma solução para eles?

5. Mudanças de Perspectiva: Mesmo preço, nova perspectiva

Em 2016, a arena dos consumidores é um hall de espelhos que proporciona uma imagem fragmentada e tortuosa dos valores humanos. Mas, em uma sala de espelhos, a percepção pode ser transformada.

De qual forma?

Reposicione seu produto ou serviço para oferecer novas perspectivas que choquem seus clientes, em uma apreciação totalmente nova, sobre os valores que o produto oferece.

  • Stockpile

A startup americana Stockpile produz cartões presente que nos fazem rever a forma de presentear alguém. A empresa produz cartões que podem ser comprados por preços entre 1 e 1.000 dólares, os quais podem ser trocados por ações ou frações de ações de empresas de capital aberto. Os cartões podem ser adquiridos em lojas de varejo, com a Lowe e a Kmart. Em outubro de 2015, a Stockpile recebeu 15milhões de dólares em rodadas de financiamento.

  •  Dutch AIDS Foundation

Em julho de 2015, a Fundação holandesa contra AIDS montou uma campanha que encorajava os seus consumidores a reexaminarem suas próprias fortunas e considerarem o bem que o seu dinheiro poderia fazer para os menos afortunados. A fundação abriu uma loja pop-up, em Amsterdã, vendendo “remédios” para os “problemas de primeiro mundo”, incluindo roncar como uma fada, ter a habilidade de ver unicórnios ou soltar pum com cheiro de flores.

Todos os medicamentos eram 100% livre de drogas e custam 4,95 euros. Todo o dinheiro das vendas foi revertido para a fundação, sendo utilizado para compra de medicamentos HIV para os necessitados.

Como você pode transformar seus produtos ou serviços em algo que oferece aos seus clientes uma mudança de perspectiva?

Uma pergunta para começar: se você tivesse que pegar um produto que fosse o oposto do seu em questão de valores, o que seria?

Leia, pense, questione e então comece! Acreditamos no potencial de todos os empreendedores para construirem algo que seus clientes vão amar em 2016.

Se quiser ler o texto na íntegra, basta clicar aqui

Leia mais:

Como identificar tendências de mercado

As tendências do varejo mundial

14 tendências que vão mudar a forma como você vende

Correalização:

Logo Sebrae SITE
, Trendwatching.com, Lead Trend Strategist
Como Lead Trend Strategist para América do Sul & Central, Luciana supervisiona os boletins de tendências do continente e realiza palestras de engajamento da trendwatching.com na região.

Nascida e criada em Porto Alegre, Luciana se formou em jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e tem MBA em Gestão de Luxo pela FAAP, São Paulo. Ela já trabalhou como correspondente do consumidor para empresas como asMintel, Iconoculture Inc, WGSN e já escreveu para o jornal Valor Econômico sobre tendências de consumo.

Durante os últimos dois anos, Luciana tem dado palestras sobre tendências e facilitado workshops em empresas no Brasil, Colômbia e México. Ela está regularmente em destaque em publicações brasileiras como Meio & Mensagem, Época Negócios, Exame e Mundo Marketing.

Deixe seu comentário

5 Comentários

Faça login para deixar seu comentário sobre este conteúdo
ordernar por: mais votados mais recentes
  1. aquario parede - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Muito bom !!! estamos trabalhando para em breve ser uma referencia unindo Pet e Decoração em um só produto.
    http://www.aquariodeparede.com.br

  2. Mariana Sandroni - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    As dicas da Endeavor reforçaram algumas de minhas ideias e estratégias de vendas, além de terem ajudado a criar outras soluções para atingir e reter o público consumidor de meus clientes.

    Vou acompanhar o site e as dicas!

    Mariana Sandroni
    Consultora e sócia-administradora da MarSan Planejamento, Gestão e Inovação

  3. Lehí Humberto Illescas - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Gostei muito do texto. Faz a gente pensar fora da caixa. Muito bom, ótimo material para se reestruturar e um ótimo exercício mental.
    Parabéns Luciana!
    Deus te abençoe. Sucesso!

  4. Jorge Teruya - says:

    0 curtidas
     
    Curtir

    Olá Luciana,
    Ótimo Texto, como pensar fora de caixa e gerar mais insights para 2016!
    Sucesso!

  5. milton cunha cunha - says:

    1 curtidas
     
    Curtir

    muito inspirador, motivador. e mãos a obra !!!!!!

Parceiros
Criação e desenvolvimento: