facebook
Você já se perguntou por que
nosso conteúdo é gratuito?
Somos uma ONG de fomento ao empreendedorismo de alto impacto que capacita
4 MILHÕES
DE EMPREENDEDORES
A CADA ANO
Faça a sua doação e contribua para continuarmos
este trabalho em 2016!

4 boas razões para inovar, sempre!

LoadingFavorito

No mercado competitivo e ávido por produtos novos e de qualidade, a inovação se torna o grande diferencial.

Por que falamos tanto que a inovação é importante para os negócios? Por que tantos agentes e tantas instituições tentam disseminar o conceito da inovação nas empresas, como a Endeavor, o SEBRAE, o governo e várias associações? Porque tantos incentivos e linhas de suporte estão sendo oferecidas para as empresas de todos os portes e segmentos visando o compartilhamento do risco da inovação.

Muito simples: as pessoas querem ser diferentes e, por isso, querem comprar produtos e vestimentas que as diferenciem de seus pares, ou que tornem suas vidas mais eficientes; as empresas precisam oferecer produtos e serviços mais baratos para que os consumidores comprem as suas soluções e não a dos concorrentes; as organizações necessitam de novos processos otimizados para poder entregar itens melhores, com maior qualidade e com maior rapidez. Hoje, mais do que nunca, com os acessos e recursos digitais que temos disponíveis (internet e dispositivos inteligentes), pesquisas e comparações podem ser feitas em minutos sem sequer sair de casa, do carro ou do local de trabalho. As pessoas se comunicam intensamente por redes sociais, compartilhando lançamentos, oportunidades e reclamações.

E de que forma a tão aclamada inovação pode ajudar as empresas a desafiar este mercado dinâmico e competitivo, ávido por estas novidades, por produtos com mais funcionalidades, baratos e com muita qualidade? O que é na verdade a tal gestão da inovação nas empresas e qual é o segredo para fazer frente a tudo isto que falamos acima?

A inovação é um conjunto de procedimentos e metodologias nas empresas, abrangentes e contínuos (muito importante: não basta acontecer uma só vez e só em um departamento!), e que, embora particulares para cada organização, permitem que estas possam direcionar com muita precisão seus escassos recursos. Se você tiver um bom sistema de inovação na empresa, passará a saber:

1)   qual é o mercado e quais clientes quer atingir;

2)   com que produtos e serviços quer e pode fazer isto;

3)   quais novos produtos e serviços podem aparecer nos próximos anos e;

4)   a quais mudanças de mercado estaremos sujeitos e que podem colocar em risco o nosso negócio.

Para surpreender seus clientes e concorrentes com produtos infalíveis e confiáveis, além da novidade em si, um bom sistema de inovação levará a que você esteja aberto a todas as ideias e oportunidades criadas por seus colaboradores e pelas áreas internas responsáveis por criar, mas também deverá estar pronto a fazer parcerias com outros importantes atores externos: universidades, fornecedores, clientes, investidores de risco e a própria comunidade.

Interessado? Se a resposta é sim, já temos um bom começo para estruturar sua empresa em rumo ao sucesso, e não estamos nos limitando aqui a empresas novas ou com tecnologia de última geração; isto vale para todas, das tradicionais, em setores mais consolidados, até as mais recentes e em áreas consideradas modernas. 

 

Ronald Dauscha é Diretor Corporativo de Tecnologia e Inovação do Grupo Siemens no Brasil.

, Claeq, Presidente
Engenheiro, Ronald Dauscha é o presidente da Claeq (Centro de Linhas Avançadas em Inovação, Excelência e Qualidade) e sócio da Consultoria Pieracciani. Foi Diretor Corporativo de Estratégia e Inovação do Grupo Siemens no Brasil, onde ocupou cargos como a direção de P&D e de Gestão de Inovação e Tecnologia, além de atuar nas áreas de vendas, produção e serviços da empresa no Brasil, Alemanha e Itália. Também foi CEO de uma das empresas da holding, a SHC Brasil (Siemens Home and Office Communication Devices). É ex-presidente e diretor da ANPEI (Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras) e já participou de vários conselhos e diretorias de órgãos como Finep, Contec/Fiesp, Instituto Eldorado, Instituto Certi, CGEE e Abinee. Hoje também atua na FAPESP fazendo parte da Coordenação Adjunta dos projetos PIPE e PITE.

Deixe seu comentário

Parceiros
Criação e desenvolvimento: